Por que Jesus foi batizado?

batismo de jesusPelo Batismo, sacramento, somos assimilados a Jesus, e na pia batismal participamos de sua Morte e a sua Ressurreição para uma vida nova. Renascer da  água e do Espírito para tornar-nos, no Filho, filho bem-amado do Pai e “viver em uma vida nova” (Rm 6,4). Assim, a pia batismal é o túmulo do nosso “homem velho” e o berço do nosso “homem novo”. Por isso, todos os dias, eu beijo e venero aquela pia onde eu fui batizado na Catedral de Lorena; e ali renovo, todos os dias, as Promessas do meu Batismo. E no meu escritório, o único Diploma que tenho na parede é a minha Certidão de Batismo, datada de 8 de outubro de 1949; será o bilhete para o meu ingresso no céu.

Mas Jesus não tinha o pecado original; então, por que foi batizado?

Bem, antes de tudo é preciso entender que o batismo ministrado por João Batista não era um sacramento, mas apenas um modo de levar as pessoas ao arrependimento, para esperar Jesus, e com ele a conversão e o Reino de Deus. O Batista é “a voz que clama no deserto” como tinha anunciado o profeta Isaías há 700 anos antes. João Batista proclamava “um batismo de arrependimento para a remissão dos pecados” (Lc 3,3). Uma multidão de pecadores, de publicanos e soldados, fariseus e saduceus e prostitutas vinham para ser batizados por ele. Jesus aparece, o Batista hesita, mas Jesus insiste.

Leia também: A santificação das águas

Por que Jesus foi batizado por São João?

Santo Agostinho diz que Jesus quis fazer o que ordenou que todos fizessem. Santo Ambrósio disse que: “A justiça exige que comecemos por fazer o que queremos que os outros façam, e exortemos os outros a nos imitarem pelo nosso exemplo”. São Tomás de Aquino diz que um objetivo foi a purificação das águas. Citando Santo Ambrósio, diz que o Senhor foi batizado, não por querer purificar-se, mas para purificar as águas… Desse modo, as águas tivessem a virtude de batizar. O mesmo argumento usa São João Crisóstomo (407), doutor da Igreja, de Constantinopla.

Assista também: Por que Jesus foi batizado por João se Ele não tinha pecado?

Sem dúvida, Jesus quis ser batizado também para nos mostrar a importância do sacramento do Batismo – hoje tão desprezado – como disse a Nicodemos: “Quem não renascer da água e do Espírito não poderá entrar no Reino de Deus”. (Jo 3, 5).nocoracaodaigreja

O Batismo de Jesus significa a sua aceitação e inauguração de sua missão de “Servo sofredor” (Is 42,49,50,52). Ele se deixa contar entre os pecadores, se faz solidário com eles porque veio assumir o seu pecado; é, já, “o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo” (Jo 1,29). Assim, Jesus antecipa já o “Batismo” de sua morte sangrenta. Vem, já, “cumprir toda a justiça” (Mt 3,15), submete-se perfeitamente à vontade de seu Pai: aceita, por amor, este batismo de morte para a remissão de nossos pecados. E o Pai, diante dessa aceitação do Filho, responde: “Este é o meu Filho amado em quem coloco a minha complacência”. E o  Espírito Santo, que Jesus possui em plenitude desde a sua concepção, vem “repousar” sobre Ele. Jesus é a fonte do Espírito para toda a humanidade. É Ele quem “batiza no Espírito Santo e no fogo” (Lc 3,16).  No Batismo de Jesus, “abriram-se os Céus” (Mt 3,16) que o pecado de Adão havia fechado; e as  águas são santificadas pela descida de Jesus e do Espírito, prelúdio da nova criação.

Prof. Felipe Aquino

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.