Na Espanha: Mãe de família contrária ao EPC rechaça afirmações de ideólogo socialista

Gregorio
Peces Barba

MADRI, 28
Jan. 11 / 02:55 pm (ACI).- A presidenta da federação de plataformas Espanha
Educa em Liberdade, Marisa Pérez Toribio, criticou ao principal ideólogo da
Partida Socialista Operário Espanhol, Gregorio Peces Barba, por seguir
enganando ao país ao dizer que o Estado é o que deve escolher a formação moral
dos filhos.

Peces Barba é o principal promotor do projeto Educação para a Cidadania (EpC),
a disciplina criada para impor a ideologia de gênero e o laicismo nas escolas
espanholas sem considerar a opinião dos pais, que em dezenas de milhares
fizeram uma objeção de consciência a esta matéria e levaram o debate ao
Tribunal Europeu de Direitos humanos. Pérez Toribio respondeu as declarações
que Peces Barba deu à revista Magisnet no dia 21 de janeiro, nas quais o
socialista disse que “os pais jamais se preocuparam da educação das crianças (e que) ao seu
momento a abandonaram a uns professores ignorantes, e depois a
religiosos”.

“Se fosse certo que os pais jamais se preocuparam sobre a educação dos
filhos, teriam transigido também com a tentativa deste Governo de suplantá-los
em seu papel educador”, respondeu a líder e mãe de família em sua carta de
24 de janeiro.

Pérez Toribio recordou ao ideólogo socialista que a Constituição ampara o
direito dos pais a formarem religiosa e moralmente a seus filhos segundo suas
convicções, e não o Estado, que é como afirmou Peces Barba.

A líder disse que uma prova são as centenas de recursos de objeção de
consciência contra o EpC reconhecidos pelos tribunais superiores e os milhares
que esperam uma resposta. Acrescentou que isto é parte da batalha iniciada anos
atrás pelos pais contra o projeto ideológico do Estado.

Peces Barba “há tempos nos acostumou com seu beligerante laicismo, a sua
defesa extrema do EpC deste Governo, com o desprezo ao papel educativo dos
pais”, assinalou Pérez Toribio.

A mãe de família também defendeu o ensino de religião nas escolas. Ela disse
que este está amparado pela Constituição e responde ao “acordo entre o
Estado e a Santa Sé com categoria de tratado internacional”.

“A formação religiosa forma parte da formação integral da pessoa. Privar o
homem dessa formação, é negar sua dimensão transcendente”, acrescentou.

Finalmente, Pérez Toribio esclareceu ao ideólogo que as escolas públicas não
podem ter um ideário porque seu ensino deve ser neutro. Indicou que o caso dos
centros privados é distinto porque respondem “à liberdade de ensino e ao
direito à liberdade ideológica e religiosa”, e são garantia de respeito a
estes direitos fundamentais.

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.