Moral: Catecismo da Igreja Católica (Parte 6)

Deveres dos Pais

2221

A fecundidade do amor conjugal não se reduz só à
procriação dos filhos, mas deve se estender à sua educação moral e à formação
espiritual. “O papel dos pais na educação é tão importante que é quase
impossível substituí-los.”424 o direito e o dever de educação são primordiais e
inalienáveis para os pais425.

424 GE 3.

425 Cf. FC 36.

2222

Os pais devem considerar seus filhos como filhos de Deus
e respeitá-los como pessoas humanas. Educar os filhos no cumprimento da Lei de
Deus, mostrando-se eles mesmos obedientes à vontade do pai dos Céus.

2223

Os pais são os primeiros responsáveis pela educação de
seus filhos. Dão testemunho desta responsabilidade em primeiro lugar pela
criação de um lar  no qual a ternura, o
perdão, o respeito, a fidelidade e o serviço desinteressado são a regra. O
requer a aprendizagem da abnegação, de um reto juízo, do domínio de si,
condições de toda liberdade verdadeira. Os pais ensinarão os filhos a
subordinar “as dimensões físicas e instintivas às dimensões interiores e
espirituais”426. Dar bom exemplo aos filhos é uma grave responsabilidade para
os pais. Sabendo reconhecer diante deles seus próprios defeitos, ser-lhes-á
mais fácil guiá-los e corrigi-los:

426 CA 36.

“Aquele que ama o filho
usará com freqüência o chicote; aquele que educa seu filho terá motivo de
satisfação” (Eclo 30,1-2). “E vós, pais, não deis a vossos filhos motivo de
revolta contra vós, mas criai-os na disciplina e correção do Senhor” (Ef 6,4).

2224

O lar constitui um ambiente natural para a iniciação do
ser humano na solidariedade e nas responsabilidades comunitárias. Os pais
ensinarão os filhos a se precaverem dos comprometimentos e das desordens que
ameaçam as sociedades humanas.

2225

Pela graça do sacramento do matrimônio, os pais receberam
a responsabilidade e o privilégio de evangelizar os filhos. Por isso os
iniciarão desde tenra idade nos mistérios da fé, da qual são para os filhos os
“primeiros arautos”427. Associá-los-ão desde a primeira infância à vida da
Igreja. A experiência da vida em família pode alimentar as disposições afetivas
que por toda a vida constituirão autênticos preâmbulos e apoios de uma fé viva.

427 LG 11: AAS 57 (1965) 16;
cf. CIC, cân 1136.

2226

A educação para a fé por parte dos pais deve começar
desde a mais tenra infância. Ocorre já quando os membros da família se ajudam a
crescer na fé pelo testemunho de uma vida cristã de acordo com o Evangelho. A
catequese familiar procede, acompanha e enriquece as outras formas de
ensinamento da fé. Os pais têm a missão de ensinar os filhos a orar e a
descobrir sua vocação de filhos de Deus428. A paróquia é a comunidade
eucarística e o centro da vida litúrgica das famílias cristãs; ela é um lugar
privilegiado da catequese dos filhos e dos pais.

428 Cf. LG 11.

2227

Os filhos, por sua vez, contribuem para o crescimento de
seus pais em santidade429. Todos e cada um se darão generosamente e sem se
cansar o perdão mútuo exigido pelas ofensas, pelas rixas, pelas injustiças e
pelos abandonos. Sugere-o mútua afeição. Exige-o a caridade de Cristo430.

429 Cf. GS 48, 4.

430 Cf. Mt 18,21-22; Lc
17,4.

2228Durante a infância, o respeito e a afeição dos pais se
traduzem inicialmente pelo cuidado e pela atenção que dedicam em educar seus
filhos, em prover suas necessidades físicas e espirituais. Na fase de
crescimento, o mesmo respeito e a mesma dedicação levam os pais a educá-la no
reto uso da razão e da liberdade.

2231

Alguns não se casam, para cuidar dos pais ou dos irmãos e
irmãs, para se dedicar mais exclusivamente a uma profissão ou por outros
motivos louváveis. Podem contribuir muito para o bem da família humana.

2233

Tornar-se discípulo de Jesus é aceitar o convite de
pertencer à família de Deus, de viver conforme a sua maneira de viver: “Aquele
que fizer a vontade de meu Pai que está nos Céus, esse é meu irmão, irmã e mãe”
(Mt 12, 50).

V. As autoridades na
sociedade civil

2234

O quarto mandamento ordena também que honremos todos
aqueles que, para nosso bem, receberam de Deus uma autoridade na sociedade.
Este mandamento ilumina os deveres daqueles que exercem a autoridade, bem como
os daqueles que por esta são beneficiados.

Deveres da Autoridades civis

2235

 Aqueles que são investidos de autoridade devem exercê-la
como um serviço. “Aquele que quiser tornar-se grande entre vós, seja aquele que
serve” (Mt 20, 26). O exercício de uma autoridade é moralmente limitado por sua
origem divina, por sua natureza racional e por seu específico. Ninguém pode
mandar ou instituir o que é contrário à dignidade das pessoas e à lei natural.

2236

O exercício da autoridade visa tornar manifesta uma justa
hierarquia de valores, a fim de facilitar o exercício da liberdade e da
responsabilidade de todos. Que os superiores exerçam a justiça distributiva com
sabedoria, levando em conta as necessidades e a contribuição de cada um e tendo
em vista a concórdia e a paz. Zelem para que as regras e disposições que
tomarem não induzam em tentação, opondo o interesse pessoal ao da
comunidade433.

433 Cf. CA 25.

2238

Os poderes políticos devem respeitar os direitos
fundamentais da pessoa humana. Exercerão humanamente a justiça no respeito pelo
direito de cada um, principalmente das famílias e dos deserdados.

 Os direitos políticos ligados à cidadania podem e devem
ser concedidos segundo as exigências do bem comum. Não podem ser suspensos
pelos poderes públicos sem motivo legítimo e proporcionado. O exercício dos
direitos políticos está destinado ao bem comum da nação e da comunidade humana.

Deveres dos Cidadãos

2238

Aqueles que estão sujeitos à autoridade considerarão seus
superiores como representantes de Deus, que os instituiu ministros de seus
dons434. “Sujeitai-vos a toda instituição humana por causa do Senhor…
Comportai-vos como homens livres, não usando a liberdade como cobertura para o
mal, mas como servos de Deus” (1Pd 2,13.16). A leal colaboração dos cidadãos
inclui o direito, e às vezes o dever, de apresentar suas justas reclamações
contra o que lhes parece prejudicial à dignidade das pessoas e ao bem da
comunidade.

434 Cf. Rm 13,1-2.

2239

 É dever dos cidadãos colaborar com os poderes civis para
o bem da sociedade, num espírito de verdade, de justiça, de solidariedade e de
liberdade. O amor e o serviço à pátria derivam do dever de gratidão e da ordem
de caridade. A submissão às autoridades legítimas e o serviço do bem comum
exigem que os cidadãos cumpram seu papel na vida da comunidade política.

2240

A submissão à autoridade e a co-responsabilidade pelo bem
comum exigem moralmente o pagamento de impostos, o exercício do direito de
voto, a defesa do país:

Daí a cada um o que lhe é
devido: o imposto a quem é devido; a taxa a quem é devida; a reverência a quem
é devida; a honra a quem é devida (Rm 13, 7).

Os cristãos residem em sua
própria pátria, mas como residentes estrangeiros. Cumprem todos os seus deveres
de cidadãos e suportam todas as suas obrigações, mas de tudo desprendidos, como
estrangeiros… Obedecem às leis estabelecidas, e sua maneira de viver vai
muito além das leis… Tão nobre é o posto que lhes foi por Deus outorgado, que
não lhes é permitido desertar435.

O Apóstolo nos exorta a fazer orações e ações de graça
pelos reis e por todos os que exercem autoridade, “a fim de que levemos uma
vida calma e serena, com toda piedade e dignidade” (1Tm 2,2).

435 Epístola a Diogneto
5,5;5,10; 6,10: SC 33,62-66 (Funk 1, 398-400). Essa epístola de autor
desconhecido, escrita no século II, demonstra que o cristianismo é muito
superior ao paganismo e ao judaísmo.

2247

“Honra teu pai e tua mãe” (Dt 5,16; Mc 7,8).

2248

De acordo com o quarto mandamento, Deus quis que, depois
dele, honrássemos nossos pais e os que Ele, para nosso bem, investiu de
autoridade.

2249

A comunidade conjugal está fundada na aliança e no
consentimento dos esposos. O casamento e a família estão ordenados para o bem
dos cônjuges, a procriação e a educação dos filhos.

2250

“A salvação da pessoa e da sociedade humana está
estreitamente ligada ao bem-estar da comunidade conjugal e familiar.”441

441 GS 47, 1.2251

Os filhos devem a seus pais respeito, gratidão, justa
obediência e ajuda. O respeito filial favorece a harmonia de toda a vida
familiar.

2252

Os pais são os primeiros responsáveis pela educação de
seus filhos na fé, na oração e em todas as virtudes. Têm o dever de prover, na
medida do possível, às necessidades físicas e espirituais de seus filhos.

2253

Os pais devem respeitar e favorecer a vocação de seus
filhos. Lembrem e ensinem que a primeira vocação do cristão consiste em seguir
a Jesus.

2254

A autoridade pública deve respeitar os direitos
fundamentais da pessoa humana e as condições de exercício de sua liberdade.

2255

É dever dos cidadãos trabalhar com os poderes civis para
a edificação da sociedade num espírito de verdade, de justiça, de solidariedade
e de liberdade.

2256

O cidadão está obrigado em consciência a não seguir as
prescrições das autoridades civis, quando contrárias às exigências da ordem
moral. “É preciso obedecer antes a Deus que aos homens” (At 5,29).

2257

Toda sociedade baseia seus juízos e sua conduta numa
visão do homem e de seu destino. Sem as luzes do Evangelho a respeito de Deus e
do homem, as sociedades facilmente se tornam totalitárias.

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.