Hoje a Igreja recorda 16 carmelitas mártires decapitadas na Revolução Francesa

Hoje, no dia seguinte à festa de Nossa Senhora do Carmo, recorda-se as 16 carmelitas de Compiègne (França), que foram decapitadas por ódio à fé durante a Revolução Francesa, como foi profetizado 100 anos antes de sua morte.

As carmelitas se estabeleceram em Compiègne em 1641 e, fiéis ao espírito de Santa Teresa, ganharam a estima dos moradores. Entretanto, durante a Revolução Francesa, seu convento foi fechado e as religiosas foram forçadas a viver como seculares segundo a lei revolucionária de 1790.

Dias depois, foram obrigadas a assinar o chamado “juramento revolucionário” (liberdade, igualdade e fraternidade) para não serem deportadas e a comunidade passou a residir em quatro casas diferentes.

Passado um tempo, a priora Teresa de Santo Agostinho propôs a suas irmãs que fizessem novamente uma estrita vida conventual, como se não tivessem sido exclausuradas. Desse modo, e apesar de estarem em diferentes casas, viveram a obediência a sua superiora.

Algumas pessoas perceberam e denunciaram ao Comitê de Saúde Pública, que imediatamente investigou as casas colheu “provas de vida conventual” como uma estampa do Sagrado Coração, cartas e escritos. Isso foi visto como um complô secreto para o “restabelecimento da monarquia e o desaparecimento da República”.

Foram detidas, embora algumas tenham conseguido escapar. Então, as carmelitas concordaram de retirar o juramento revolucionário. Quando lhes foi pedido que voltassem a assiná-lo, disseram que não fariam e foram acusadas de “conspirar contra a revolução”.

Foram levadas a Paris com as mãos amarradas sobre duas carroças. Ao chegar, colocaram-nas na prisão da Conciergerie, antessala da guilhotina, junto com outros presos, religiosos e seculares.

Presas, as carmelitas se tornaram um modelo de piedade e firmeza na fé. Continuaram com suas orações e conseguiram festejam Nossa Senhora do Carmo em 16 de julho com muita alegria e solenidade.

Em 17 de julho de 1794, compareceram diante do Tribunal Revolucionário e todas foram condenadas a morte.

Aos pés da guilhotina, cantaram o “Te Deum”, renovaram suas promessas e votos e subiram uma a uma para oferecer sua vida dando um corajoso testemunho de Cristo.

Assim, cumpriu-se o que cem anos antes uma religiosa da mesma comunidade de Compiègne havia visto em uma espécie de sonho ou revelação, na qual todas as carmelitas do mosteiro estavam vestidas de branco e levando a palma do martírio.

Foram beatificadas por São Pio X em 1906.

Por Abel Camasca

Fonte: http://www.acidigital.com/noticias/hoje-a-igreja-recorda-16-carmelitas-martires-decapitadas-na-revolucao-francesa-14257/

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.