CNBB saúda congregação fundada por nova beata

Madre
Bárbara Maix foi beatificada nesse sábado em Porto Alegre

 BRASÍLIA,
segunda-feira, 8 de novembro de 2010 (ZENIT.org) – A CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do
Brasil) saudou a Congregação das Irmãs do Imaculado Coração de Maria pela
beatificação de sua fundadora, Madre Bárbara Maix, realizada nesse sábado em Porto Alegre (sul do
país).

No texto –
assinado pelo presidente do organismo, Dom Geraldo Lyrio Rocha, o
vice-presidente e o secretário-geral, Dom Luiz Soares Vieira e Dom Dimas Lara
Barbosa – o episcopado diz-se associar com “júbilo e alegria” à congregação
neste momento.

Segundo
recorda o texto da presidência da CNBB, Madre Bárbara Maix nasceu na Áustria,
em 1818, e foi expulsa da própria terra. Chegou ao Rio de Janeiro em 1849, onde
fundou uma congregação para cuidar dos mais fragilizados, empobrecidos e
necessitados.

“Reconhecendo
suas virtudes heróicas, a Igreja a apresenta aos homens e mulheres de hoje como
modelo e testemunha generosa de uma vida doada a serviço dos pobres em
fidelidade ao Reino de Deus e exemplo de quem mostrou com ações aquilo que
ensinou com palavras”, afirma a nota da CNBB.

Cerimônia

Cerca de 15
mil fiéis lotaram o ginásio Gigantinho, em Porto Alegre, no
sábado, para a cerimônia de beatificação. 

No início,
o núncio apostólico no Brasil, Dom Lorenzo Baldisseri, fez a  leitura da
Carta Apostólica, comunicando a beatificação de Madre Bárbara Maix.

A cerimônia
foi presidida pelo arcebispo de Porto Alegre, Dom Dadeus Grings. O prefeito da
Congregação para a Causa dos Santos, Dom Angelo Amato, não pode vir por motivo
de saúde.

Apesar
disso, Dom Angelo Amato enviou a homilia, que foi lida pelo arcebispo de Porto
Alegre. Segundo o prefeito da Congregação para as Causas dos Santos, Madre
Maix, apesar de sua origem vianense, “tornou-se praticamente brasileira
com os brasileiros”.

“Sua
figura não desapareceu na névoa do esquecimento, porque ela falou a língua
evangélica da caridade, uma língua compreendida por todos, grandes e pequenos,
cultos e ignorantes. É uma língua universal que atravessa os séculos”,
disse.

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.