Vaticano não autoriza a ordenação de seminaristas tradicionalistas

Na Diocese de Fréjus-Toulon, há cinco seminaristas que aguardam a ordenação diaconal, em seu caminho para o sacerdócio, há mais de um ano, sendo que um deles está na expectativa há mais de dois anos.

Segundo o site Gaudium Press (26/06/2024), a comunidade tradicionalista de direito diocesano dos Missionários da Caridade Divina, ligada à diocese francesa de Fréjus-Toulon, está enfrentando dificuldades devido ao bloqueio do Vaticano em permitir novas ordenações diaconais e sacerdotais. Com efeito, há cinco seminaristas que aguardam a ordenação diaconal há mais de um ano. Um deles, inclusive, aguarda há mais de dois anos.

Segundo o Pe. Jean-Raphaël Dubrule, superior-geral da comunidade, “o atraso não está relacionado à situação geral da diocese, que se normalizou desde a nomeação do bispo coadjutor François Touvet, responsável pela formação clerical, mas à celebração no rito antigo, previsto nos estatutos da comunidade”.

Em um comunicado emitido na última segunda-feira, o Pe. Jean-Raphaël Dubrule, declarou: “Depois de muitas discussões com as autoridades romanas competentes do Vaticano, conduzidas pelo bispo Dom François Touvet, a quem agradeço calorosamente por seu grande apoio à nossa comunidade, parece que a situação está bloqueada não apenas por causa do ritual de ordenação, mas também devido à possibilidade de os futuros sacerdotes poderem celebrar no rito antigo”. Portanto, “pode ser que os candidatos sejam ordenados sem serem autorizados a celebrar de acordo com o rito antigo. Deixariam então de poder exercer o seu ministério no âmbito da comunidade e de acordo com os estatutos”.

Apreensão nos círculos tradicionalistas

A “Société des missionnaires de la miséricorde divine” foi estabelecida em Toulon, em 2005. Atualmente a comunidade possui 22 membros, composta por sete sacerdotes, um diácono, dois irmãos e 12 seminaristas. Seu objetivo é a realização de seus três carismas: a misericórdia, a celebração da missa na forma pré-conciliar e a missão, especialmente entre os muçulmanos. A comunidade está subordinada à autoridade diocesana, cujo bispo, Dom Dominique Rey, foi submetido a uma “visita apostólica” por decisão do Papa Francisco em fevereiro de 2023, e todas as ordenações na diocese, incluindo as dos missionários, foram suspensas indefinidamente por Roma.

Como resultado dessa visita apostólica, Dom François Touvet foi nomeado bispo coadjutor, assumindo uma grande parte das responsabilidades e autoridade na diocese, como a supervisão do clero diocesano, a formação sacerdotal, a gestão financeira e o apoio às numerosas comunidades religiosas, as quais cresceram devido à postura acolhedora de Dom Rey durante seu governo.

Quando tomou posse, Dom Touvet declarou que o decreto do Vaticano que suspendia as ordenações estava revogado, com as primeiras ordenações ocorrendo no mês seguinte. No entanto, os Missionários da Divina Misericórdia não foram incluídos.

Nas últimas semanas, tem havido apreensão nos círculos tradicionalistas de que o Vaticano esteja considerando decretar a proibição ampla, definitiva e irreversível da missa tradicional em latim.

Fonte: https://gaudiumpress.org/content/vaticano-nao-autoriza-a-ordenacao-de-seminaristas-tradicionalistas/

Sobre Prof. Felipe Aquino

O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
Adicionar a favoritos link permanente.