Sínodo deve manter fidelidade à verdade da fé e à lei moral, diz bispo do Rio Grande do Sul

Segundo o ACI Digital (02/10/2023), o bispo de Frederico Westphalen (RS), dom Antonio Carlos Rossi Keller, publicou uma nota pastoral sobre o Sínodo da Sinodalidade, na qual manifestou sua “preocupação” sobre propostas que pedem “uma Igreja mais inclusiva e respeitosa”. Ele pediu orações para que, no sínodo, seja mantida a “fidelidade à verdade da fé e à lei moral”.

O Sínodo da Sinodalidade foi convocado pelo papa Francisco em outubro de 2021, com o tema “Por uma Igreja sinodal: comunhão, participação e missão”. Inicialmente, a assembleia geral estava programada para outubro de 2023, mas o papa Francisco decidiu dividi-la em suas sessões, uma em 2023 e outra em 2024.

Para a sessão que acontecerá neste mês, entre os dias 4 e 29, no Vaticano, foram convidadas 365 pessoas, entre bispos, padres, religiosos, diáconos e leigos. Pela primeira vez, os não-bispos – incluindo 54 mulheres – terão o direito de voto.

“O Sínodo é a concretização do desejo do papa Francisco, que nos orienta em sermos uma Igreja que se expanda para além de suas fronteiras tradicionais, indo ao encontro das pessoas nas margens da sociedade, levando o amor de Cristo a todos os cantos do mundo”, diz dom Keller em sua nota pastoral.

Todo o processo do sínodo teve início com a fase diocesana, quando os fiéis foram ouvidos por suas dioceses. O conteúdo dessa fase foi enviado para as conferências episcopais nacionais, que produziram relatórios sobre as respostas da fase diocesana. Em seguida, na fase continental, os relatórios nacionais foram consolidados em relatórios de cada um dos continentes, que foram enviados ao Vaticano.

Com base nas sínteses continentais, uma equipe nomeada pelo papa Francisco produziu o Instrumentum laboris, “que é um documento preparatório para a realização do Sínodo, fornece uma base para a discussão dessas estratégias que visam alcançar o objetivo fundamental da Igreja, a evangelização do mundo”, diz o bispo de Frederico Westphalen.

Entretanto, dom Keller manifestou “uma preocupação”, a seu ver, “legítima” sobre o sínodo, “para podermos rezar muito e pedir que este momento tão importante não possa se perder em projetos de simples matiz humana, especialmente pressionados por autênticos ‘lobbys’”.

Para o bispo, “fica evidente que uma preocupação bastante acentuada é apresentada tanto por aqueles que prepararam o ‘Instrumentum laboris’, bem como, a partir das respostas das consultas”. “Trata-se da afirmação da necessidade de se criar um ambiente mais acolhedor para aqueles que se ‘sentem’ alienados ou rejeitados da vida da Igreja. Muitos desses, que inclusive se manifestaram nas consultas efetuadas, são conhecidos como verdadeiros grupos de pressão, que há anos apresentam já algumas propostas que são totalmente contrárias ao Magistério milenar da Igreja e da sua Disciplina”.

Segundo ele, “tais propostas englobam, por exemplo, a inclusão das mulheres no ministério ordenado, a benção às uniões homoafetivas, a aceitação de uma nova estrutura antropológica em relação aos gêneros e outros temas”.

Para dom Keller, “é natural que a Igreja, frente a determinadas realidades que possam envolver sentimentos de alienação ou rechaço, deva buscar se tornar uma Igreja mais inclusiva e respeitosa”. Entretanto, advertiu, “surge uma questão complexa quando, vê-se quase que uma organizada manifestação sugerindo que o Sínodo deva considerar mudanças no ensino moral da Igreja e na disciplina sacramental, na busca de um acomodamento dos que se sentem excluídos”.

O bispo considera que isso “é algo inaceitável, uma vez que os sentimentos, por mais intensos que sejam, não devem ser o único critério teológico que ilumine a ação pastoral da Igreja”. “A Igreja não pode fundamentar sua ação pastoral no princípio instável do sentimentalismo”, diz.

Dom Keller destaca que “a alienação e a exclusão podem surgir de várias razões”, como as “baseadas em preconceito e intolerância”. Mas há também outras razões que “podem ser consequência de uma desconexão profunda entre as exigências da Igreja e o modo de vida de uma pessoa”. “Nesse último caso, a solução certamente envolve uma mudança na atitude e no comportamento da pessoa, em vez de uma mudança na Doutrina ou na Disciplina da Igreja”, diz.

“A questão fundamental, portanto, é que não podemos solucionar as questões desafiadoras propostas à atenção pastoral da Igreja com um simples ‘acomodamento’, fundamentado no princípio de responder a sentimentos e a agradar o pensamento dominante”, diz dom Keller.

Para o bispo, “as respostas caridosas e amorosas da Igreja, buscando ir ao encontro e responder às questões cruciais que lhe são apresentadas, exigem um aprofundamento na argumentação teológica, ancorada na Palavra de Deus, na tradição teológica e na lei moral natural”.

“Portanto, tendo consciência da gravidade do momento e da responsabilidade dos participantes do Sínodo em oferecerem caminhos não discordes a toda a Tradição Sagrada da Igreja, é essencial que todos os fiéis orem por ele, para ser de verdade, um momento de renovação espiritual e de discernimento sob a orientação do Espírito Santo, tendo o papa Francisco como garante da autentica eclesialidade do Sínodo, para que a Igreja possa encontrar maneiras eficazes de cumprir sua missão de proclamar o Evangelho a todas as nações, mantendo ao mesmo tempo, sua fidelidade à verdade da fé e à lei moral e sendo a Casa de todos e de cada um dos seres humanos”, conclui.

Fonte: https://www.acidigital.com/noticia/56326/sinodo-deve-manter-fidelidade-a-verdade-da-fe-e-a-lei-moral-diz-bispo-do-rio-grande-do-sul

Sobre Prof. Felipe Aquino

O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
Adicionar a favoritos link permanente.