Portugal: Médicos alertam sobre riscos de legalização da maconha para fins recreativos

Segundo o ACI (15/01/2019), a Associação dos Médicos Católicos Portugueses (AMCP) emitiu uma nota na segunda-feira, 14 de janeiro, na qual alerta sobre os riscos da legalização da maconha (canábis) para fins recreativos e faz um apelo “ao bom senso e à responsabilidade política”.

Conforme assinala a associação, na próxima quinta-feira, 17 de janeiro, será debatido no Parlamento português projeto de lei do Bloco de Esquerda, que propõe a “legalização da canábis para fins recreativos”.

Entretanto, os médicos católicos alertam que “qualquer iniciativa política no sentido de legalizar a canábis para fins recreativos, não será uma medida eficaz para reduzir o seu consumo; pelo contrário, irá seguramente levar a um aumento do número de pessoas que consumem esta droga”.

“O Estado tem que manter uma linha de coerência política. A lei também tem uma função pedagógica, pelo que a legalização da canábis daria um sinal contraditório à sociedade, contribuindo para que muitos jovens e adolescentes desvalorizassem os riscos associados ao consumo desta droga, acabando por tornar o próprio Estado cúmplice em relação a esses danos e perigos”, sentenciam.

Nesse sentido, a nota recorda que “vários os estudos, de diferentes áreas médicas” comprovam que o uso desta droga “encontra-se associado a alterações estruturais e funcionais no sistema nervoso central, com consequências nefastas para a saúde psíquica, e com riscos aumentados em casos de consumo prolongado ou desde idade precoce”.

A Associação sublinha ainda que “não há drogas boas, já que todas elas têm riscos para a saúde, contrariando a ideia errada, principalmente junto dos mais jovens, de que o seu consumo não causa dano”.

Por isso, acrescenta, “não se justifica que venha a ser aprovada legislação, no sentido do uso de qualquer droga para fins recreativos, pois o mais importante para a saúde pública é que esse consumo seja evitado”.

Os médicos católicos também afirmam acreditar “que os responsáveis políticos não estão interessados em ficarem associados a uma resolução que daria um sinal de fragilidade e de resignação, como se devêssemos deixar de lutar por uma sociedade livre de drogas”.

Para a AMPC, “cabe às instituições públicas implementar políticas, com base em conhecimentos científicos, e não em inspiradas em ideologias, que defendam e promovam a saúde, o bem-estar físico e mental dos seus cidadãos”.

“Enquanto associação católica, a AMCP entende ainda que, para além das óbvias questões médicas, é importante reiterar mais do que nunca o alerta do Papa Francisco, de que ‘a droga é um mal e ante o mal não se pode ceder nem ter compromissos’”, conclui a nota.

Fonte: https://www.acidigital.com/noticias/portugal-medicos-alertam-sobre-riscos-de-legalizacao-da-maconha-para-fins-recreativos-90942

Be Sociable, Share!

Sobre Prof. Felipe Aquino

O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
Adicionar a favoritos link permanente.