Por que um Dia de Todos os Santos?

AllSaintsA Tradição da Igreja está repleta de confirmações sobre a intercessão dos santos. Uma das Orações Eucarísticas reza que: “Os santos intercedem por nós sem cessar”. Isto é confirmado plenamente pela Tradição da Igreja, senão vejamos.

São Jerônimo (340-420), doutor da Igreja disse:

“Se os Apóstolos e mártires, enquanto estavam em sua carne mortal, e ainda necessitados de cuidar de si, ainda podiam orar pelos outros, muito mais agora que já receberam a coroa de suas vitórias e triunfos. Serão menos poderosos agora que reinam com Cristo? São Paulo diz que com suas orações salvara a vida de 276 homens, que seguiam com ele no navio [naufrágio na ilha de Malta]. E depois de sua morte, cessará sua boca e não pronunciará uma só palavra em favor daqueles que no mundo, por seu intermédio, creram no Evangelho?” (Adv. Vigil. 6).

escola_da_fe_ISanto Hilário de Poitiers (310-367), bispo e doutor da Igreja:

“Aos que fizeram tudo o que tiveram ao seu alcance para permanecer fiéis, não lhes faltará, nem a guarda dos anjos nem a proteção dos santos”.

São Cirilo de Jerusalém (315-386): bispo de Jerusalém e doutor da Igreja, afirmava que:

“Comemoramos os que adormeceram no Senhor antes de nós: Patriarcas, profetas, Apóstolos e mártires; para que Deus, por sua intercessão e orações, se digne receber as nossas”.

Leia também: 01/11 – Solenidade de Todos os Santos

Os Santos Doutores falam da Intercessão dos Santos

Qual o valor da intercessão dos santos?

A Bíblia aprova o culto dos santos

Dia de todos os santos

Todos os Santos

O Concílio de Trento (1545-1563) em sua 25ª Sessão, confirmou que:

“Os santos que reinam agora com Cristo, oram a Deus pelos homens. É bom e proveitoso invocá-los suplicantemente e recorrer às suas orações e intercessões, para que vos obtenham benefícios de Deus, por NSJC, único Redentor e Salvador nosso. São ímpios os que negam que se devam invocar os santos que já gozam da eterna felicidade no céu. Os que afirmam que eles não oram pelos homens, os que declaram que lhes pedir por cada um de nós em particular é idolatria, repugna à palavra de Deus e se opõe à honra de Jesus Cristo, único Mediador entre Deus e os homens (1 Tm 2,5)”.

Essa intercessão, e especialmente a de Nossa Senhora – que é a mais poderosa de todas as intercessões – não substitui a medição única de Cristo, ao contrário, a reforça, pois, sem a medição única e indispensável de Cristo nenhuma outra intercessão tem valor, já que todas são feitas através de Jesus Cristo. Por isso a Igreja não teme invocar os santos e suas preces por nós diante de Deus. Eles pedem por nós oferecendo a Deus seus méritos e preces. É por isso também que a Igreja recomenda que os pais ponham nomes de santos em seus filhos, a fim de que tenham desde pequenos um patrono no céu.

Sabemos que os Papas – usando do dogma da sua infalibilidade quando define uma sentença de fé – já canonizaram mais de vinte mil santos, que sem cessar intercedem pelo Reino de Deus. Mas há muitos que estão no Céu e que a Igreja não sabe seus nomes, nem mesmo suas histórias. Muitos morreram como mártires anônimos nas perseguições do Império Romano, do nazismo, do comunismo, na guerra civil espanhola (1930) e na mexicana (1926). E muitos estão no Céu sem que tenham sido canonizados oficialmente. Então, para celebrar a santidade de todos eles a Igreja instituiu esta festa solene.

Segundo essa bela crença, a Igreja deseja que as imagens dos santos sejam veneradas, não idolatradas. O II Concílio de Nicéia, em 787, que condenou o iconoclasmo, heresia que proibia as imagens, declarou solenemente a liceidade de se venerar as sagras imagens. E nunca mais a Igreja reestudou esse assunto, porque ela sabe que quando o Espírito Santo lhe ensina alguma verdade é para sempre. Disse o Concílio:

“Para proferir sucintamente nossa profissão de fé, conservamos todas as tradições da Igreja, escritas ou não-escritas, que nos têm sido transmitidas sem alteração. Uma delas é a representação pictórica das imagens, que concorda com a pregação da história evangélica, crendo que, de verdade e não na aparência, o Verbo de Deus se fez homem, o que é também útil e proveitoso, pois as coisas que se iluminam mutuamente têm sem dúvida um significado recíproco”.

“Na trilha da doutrina divinamente inspirada de nossos santos Padres e da tradição da Igreja católica, que sabemos ser a tradição do Espírito Santo que habita nela, definimos com toda certeza e acerto que as veneráveis e santas imagens, bem como as representações da cruz preciosa e vivificante, sejam elas pintadas, de mosaico ou de qualquer outra matéria apropriada, devem ser colocadas nas santas igrejas de Deus, sobre os utensílios e as vestes sacras, sobre paredes e em quadros, nas casas e nos caminhos, tanto a imagem de Nosso Senhor, Deus e Salvador, Jesus Cristo, como a de Nossa Senhora, a puríssima e santíssima mãe de Deus, dos santos anjos, de todos os santos e dos justos” (DS 600).

S. João Damasceno (†749), doutor da Igreja, grande defensor das imagens no Concilio de Nicéia II, disse: “O que a Bíblia é para os que sabem ler, a imagem o é para os iletrados” (De imaginibus I 17 PG, 1248c). “A beleza e a cor das imagens estimula minha oração. É uma festa para os meus olhos, tanto quanto o espetáculo dos campos estimula o meu coração para dar glória a Deus” (Cat, § 1162).

Assista também: Qual é a mensagem do dia de todos os Santos?

Santa Teresa de Ávila († 1582), doutora da Igreja, ao ensinar as vias da oração às suas Religiosas, dizia:

“Eis um meio que vos poderá ajudar… Cuidai de ter uma imagem ou uma pintura de Nosso Senhor que esteja de acordo com o vosso gosto. Não vos contenteis com trazê-las sobre o vosso coração sem jamais a olhar, mas servi-vos da mesma para vos entreterdes muitas vezes com Ele” (Caminho de Perfeição, cap. 43,1).

O Beato Paulo VI disse na Constituição Apostólica sobre as Indulgências (1967), que quanto mais almas forem do Purgatório para o Céu, “mais intercessores teremos lá, e mais depressa o Reino de Deus chegará a nós”. Quando louvamos os santos, estamos dando glória a Deus, pois nenhum deles chegou à santidade sem as graças de Deus. Ele é o nosso santificador. Toda glória é dada a Deus.

Prof. Felipe Aquino

Sobre Prof. Felipe Aquino

O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
Adicionar a favoritos link permanente.