Por que o número 13 é importante nas aparições de Nossa Senhora de Fátima?

As principais aparições da Virgem Maria em Fátima (Portugal) aconteceram nos dias 13 de cada mês, um número com um grande significado que mostra a relação da Mãe de Deus com a salvação do mundo.

Em uma artigo de National Catholic Register, o escritor e autor do livro “Fruits of Fatima – Century of Signs and Wonders”, Joseph Pronechen, disse que os números têm um “grande significado e simbolismo parao povo judeu”.

“Eram dados significados particulares aos números no Antigo Testamento que continuaram no Novo e foram mencionados pelos Padres da Igreja”, afirmou.

Pronechen ressaltou que o número 13 nas aparições da Virgem de Fátima tem uma conexão com a história bíblica de Ester, que foi considerada pelos Padres da Igreja “como uma representação da Santíssima Virgem Maria” no Antigo Testamento.

Ester fazia parte dos exilados judeus na Pérsia, onde seu tio Mordecai, um servo diligente do rei, cuidava dela. O rei Assuero precisava de uma rainha e, de todas as mulheres, decidiu escolher Ester.

Leia também: 7 coisas que precisa saber sobre Nossa Senhora de Fátima

A mensagem da Virgem de Fátima sobre o poder do Santo Rosário

Terceiro Segredo de Fátima, será que não foi todo revelado?

“Ele amava Esther mais do que todas as outras mulheres; de todas as virgens, ela conquistou seu favor e devoção, então ele colocou a coroa real em sua cabeça e a fez rainha”, sem saber que ela era judia, citou Pronechen em seu artigo.

Hamã, que tinha ciúmes da posição de Mordecai, enganosamente conseguiu ser o braço direito do rei e decretou que no dia 13 do mês judaico de Adar todos os judeus no reino deveriam morrer.

Pronechen disse que, diante dessa sentença, Ester revela sua origem judaica e os planos de Hamã ao rei, o qual “ficou indignado com a transgressão, decretou morte ao vilão e deu a ordem para salvar os judeus”.

O dia 13, “dia em que os inimigos dos judeus esperavam ganhar poder sobre eles, tornou-se um dia em que os judeus ganharam poder sobre seus inimigos”, afirmou o escritor. Ester salvou seu povo. Eles viveram ”.

Pronechen destacou que esta relação mostra que, na sua aparição em Fátima, a Virgem Maria “veio para salvar o seu povo, mostrando-lhes o caminho certo a seguir”.

Além disso, disse que na Enciclopédia Católica New Advent recorda-se que Ester “vem do hebraico que significa ‘estrela’ e ‘felicidade'” e sublinhou que Irmã Lúcia dos Santos, uma das três videntes de Fátima, indicou ao Pe. Thomas McGlynn que a Virgem “sempre teve uma estrela em sua túnica”.

“O céu estava novamente fazendo a conexão para nos dizer que Maria viria a Fátima também para salvar seu povo e a Igreja do mal”, afirmou.

Disse também que a Virgem nos orienta a rezar o Rosário, mensagem que se reflete especialmente durante a sua aparição em Fátima no dia 13 de outubro, mês que a Igreja dedica ao Santo Rosário, onde se identificou como Nossa Senhora do Rosário.

Assista também: Por que será que Nossa Senhora quis aparecer para três pastorinhos em Fátima?

O escritor destacou que em uma conversa entre Irmã Lúcia e alguns frades carmelitas, ela assinalou que “o escapulário e o Rosário são inseparáveis. O escapulário é um sinal de consagração a Nossa Senhora”.

“Foi no século XIII que Nossa Senhora deu o Rosário a Santo Domingo. E foi novamente no século XIII que também deu a São Simão Stock o escapulário marrom”, disse Pronechen.

Por fim, destacou que a Virgem Maria conduz os fiéis à Sagrada Eucaristia, e suas aparições no dia 13 de cada mês têm relação com o Espírito Santo, ao ser treze pessoas no total, ela e os doze apóstolos, os que estiveram na vinda do Espírito Santo em Pentecostes.

“O número ’13’ ligado a Fátima, direta ou indiretamente, é outra razão pela qual a mensagem e o significado de Fátima devem ser relevantes para nós”, concluiu.

Fonte: https://www.acidigital.com/noticias/por-que-o-numero-13-e-importante-nas-aparicoes-de-nossa-senhora-de-fatima-87973

Be Sociable, Share!

Sobre Prof. Felipe Aquino

O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
Adicionar a favoritos link permanente.