Por que não se deve colocar nomes nos Anjos da Guarda?

A Igreja Católica permite aos fiéis ter uma devoção aos Anjos da Guarda, que acompanham e protegem o ser humano desde o momento da concepção. O que proíbe é adorá-los e colocar um nome neles.

O motivo está explicado no Diretório sobre a Piedade Popular e a Liturgia, elaborado pela Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos da Santa Sé e publicado no ano 2002.

No Capítulo VI, “A Veneração aos Santos e Beatos”, indica que ao longo dos séculos, os fiéis “traduziram em expressões de piedade as convicções de fé sobre o ministério dos Anjos”. Por exemplo, foram nomeados padroeiros de cidades, construíram santuários em sua honra e estabeleceram dias festivos.

Leia também: O Anjo da Guarda existe mesmo?

Cinco motivos para que não afaste o Anjo da Guarda da sua vida

4 ensinamentos do Papa Francisco sobre nosso Anjo da Guarda

Como saber o nome do meu anjo da guarda?

Qual a importância do Anjo da Guarda?

“Em particular, a piedade popular desenvolveu a devoção ao Anjo da Guarda”, destacaram.

O documento assinala que, embora a devoção seja “legítima e saudável”, também existe o risco de que os fiéis deem “lugar a desvios”.

Nesse sentido, indica que “é de se rechaçar o costume de dar aos anjos nomes particulares, com exceção de Miguel, Gabriel e Rafael, que aparecem nas Escrituras”.

Cabe ressaltar que a Bíblia dá os nomes desses três Arcanjos, mas também afirma que são sete. Os nomes dos outros quatro são mencionados em textos apócrifos.

Do mesmo modo, no numeral 328, o Catecismo da Igreja Católica define os Anjos como “seres espirituais, não corporais”, ou seja, não são terrenos como os animais, as plantas ou as demais coisas materiais sobre as quais o homem tem domínio e pode nomear.

Esse mesmo texto acrescenta que os anjos “são dotados de inteligência e vontade: são criaturas pessoais (Pio XII, Enc. Humani generis: DS 3891) e imortais (Lc 20,36). Excedem em perfeição todas as criaturas visíveis”.

Fonte: https://www.acidigital.com/noticias/por-que-nao-se-deve-colocar-nomes-nos-anjos-da-guarda-29482

Sobre Prof. Felipe Aquino

O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
Adicionar a favoritos link permanente.