Por que as quatro missas celebradas no Natal são importantes? Arcebispo explica

Segundo o ACI Digital (22/12/2021), o arcebispo emérito de La Plata (Argentina), dom Héctor Aguer, explicou a importância das quatro Missas celebradas no Natal, desde a vigília até a que corresponde propriamente ao dia.

Refletindo sobre isso no programa “Chaves para um Mundo Melhor”, em 21 de dezembro de 2019, no Canal 9, dom Aguer destacou “o valor litúrgico do Natal”.

“As grandes solenidades são marcadas, precisamente, pela liturgia que a Igreja compôs para celebrá-las. Para o Natal, há quatro Missas e em todas elas o mistério do Natal é apresentado de diferentes ângulos e usando diferentes textos bíblicos”, disse.

O arcebispo afirmou que “primeiro há a Missa da Vigília ou das Vésperas que se celebra na tarde anterior, na tarde de 24 de dezembro, onde encontramos as profecias e já encontramos o Natal”.

“Depois temos a Missa da Noite ou da Meia-Noite que, na realidade, deveria ser às zero horas, mas, por diferentes razões, foi sendo adiantada e acabamos às 19h e não é a mesma coisa”.

“A Missa da Noite deve ser à noite e a liturgia exige que pelo menos seja rezada quando o sol já tenha se posto”, acrescentou.

Dom Aguer disse entender “que hoje, com esses problemas de insegurança e outros, as pessoas não queiram sair à noite na rua, mas é verdade que nesse dia também vão festejar com seus familiares ou amigos”.

“A Missa da meia-noite é preciosa porque aí se concentra no momento do Nascimento, o momento em que a Virgem Maria, de maneira tão misteriosa e silenciosa, dá à luz virginalmente ao Salvador”, disse.

O arcebispo contou que “há uma terceira Missa que é a do Alvorecer que deveria ser às 6h ou 7h do dia 25. Embora o alvorecer para muitas pessoas seja às 11h o que de algum modo pode ser explicado ou justificado”.

“Nesta Missa o que se venera é a adoração dos pastores que são os primeiros que vão, os primeiros que ficam sabendo desta grande notícia porque o Menino nasce, o Anjo avisa aos pastores e estes saem e vão ao presépio”.

“Nós também podemos pedir que o Senhor nos conceda também uma alma simples como a dos pastores de Belém, para que também nós tenhamos aquele impulso e aquela vontade de ir ao seu encontro, de ir adorá-lo, de ir beijar seus pés”, encorajou.

A quarta missa “é a missa do dia ou as missas do resto do dia, que é uma missa teológica, podemos dizer, porque aí o Evangelho é o prólogo do Evangelho de São João: ‘No princípio era o Verbo, e o Verbo estava junto de Deus e o Verbo era Deus’”.

“Isso consta no versículo 1 e depois o versículo 14 acrescenta: ‘E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, e vimos sua glória, a glória que o Filho único recebe do seu Pai, cheio de graça e de verdade’”, disse.

Por isso, sublinhou dom Aguer, “nestas 4 Missas temos todo o Mistério do Natal enfocado com uma riqueza extraordinária. Se vocês tiverem um missal, leiam os textos e não só os textos bíblicos, mas também as orações, porque elas são adequadas ao momento e ao que esse momento quer nos indicar a respeito de todo o mistério do Natal”.

O arcebispo emérito de La Plata sublinhou que a celebração familiar “não deve ser sobreposta à celebração real, que é a celebração religiosa do Natal. Muitas pessoas celebram o Natal e não sabem muito bem o que celebram, porque se encontram, porque brindam ou porque também se embriagam”.

“Além disso, é bom poder comemorar bem com boa comida e um bom brinde, mas levando em consideração o porquê o fazemos”, disse.

O bispo argentino exortou que “em qualquer reunião familiar não tenham vergonha e animem-se a dizer que vão brindar para dar graças a Deus porque nos enviou o Salvador e assim podemos desejar como eu lhes desejo um Feliz Natal”.

Fonte: https://www.acidigital.com/noticias/por-que-as-quatro-missas-celebradas-no-natal-sao-importantes-arcebispo-explica-47739

Sobre Prof. Felipe Aquino

O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
Adicionar a favoritos link permanente.