Por que a Porciúncula é transcendental na vida de São Francisco e da Igreja?

Todos os anos, em 2 de agosto, os fiéis do mundo podem receber a indulgência plenária da Porciúncula ou também chamada “Perdão de Assis”, uma graça que data de 1216, a pedido de São Francisco.

A Porciúncula é uma pequena capela que atualmente se encontra dentro da Basílica de Nossa Senhora dos Anjos, em Assis (Itália). Nomeada pela Unesco como Patrimônio da Humanidade, é um lugar concorrido por milhares de peregrinos e de grande importância para a Igreja por quatro razões:

1. Deu origem à Ordem Franciscana

São Francisco descobriu sua vocação e viveu a maior parte de sua vida nesse pequeno templo deteriorado e que foi doado pelos beneditinos.

O Ministro Provincial da Ordem Franciscana no Chile, Pe. Isauro Covili, explicou ao Grupo ACI que São Francisco considerou o lugar como “uma pequena porção do céu na terra”, por isso decidiu reconstruir o templo ajudado por outras pessoas e leprosos.

“Esse lugar constitui o início da Ordem Franciscana, da vida evangélica de São Francisco e de Santa Clara”, manifestou Pe. Covili.

“São Francisco sempre se preocupou para que os irmãos que habitavam no local fossem os mais virtuosos”, pois o considerou “um lugarzinho onde o céu se fazia presente”, acrescentou.

Leia também: Você sabe quem foi São Francisco de Assis?

São Francisco e a Porciúncula: Saiba como obter a indulgência plenária hoje e amanhã

Se a confissão perdoa os pecados, para que existem as indulgências?

Qual a importância das Indulgências?

Tire suas dúvidas sobre indulgências

2. As almas encontram o perdão

Em 1216, enquanto São Francisco rezava na Porciúncula pela saúde das almas e pelos pecadores, apareceram a ele Cristo e a Virgem rodeados por anjos.

O santo pediu ao Senhor a indulgência para todos os que visitassem o templo. Com a permissão de Jesus, São Francisco visitou o Papa Honório III, que concedeu a autorização eclesial.

“Esta indulgência representa a vida penitencial que é um retorno permanente a Deus, é voltar-se a Deus desde as entranhas, desde o amor de Deus, do próprio Jesus que fala e ama muito”, manifestou Pe. Covili.

“Uma indulgência é uma experiência profunda de espiritualidade e de perdão. E esta foi pedida por São Francisco para a Igreja e todos os que quisessem reparar situações pessoais e comunitárias, e experimentar o amor de Deus que repara e que purifica o coração”.

3. Convida a renovar a missão

Pe. Covili afirmou que “a Porciúncula é uma reivindicação à vida e à dignidade humana. É um lugar onde São Francisco viveu o Evangelho de Jesus. E, estando ali, enviou os primeiros irmãos em missão”.

“Esta é uma festa que nos remete a voltar a Jesus Cristo, ao Evangelho, ao essencial, abraçar o pobre, o excluído, é uma festa que tem relação com a fraternidade, a comunhão e o diálogo”.

“É uma oportunidade para que a Igreja se renove a partir do encontro com a Palavra e a partir do anúncio missionário”, acrescentou.

4. Dá valor à mulher

Santa Clara, incentivada em sua vida espiritual por São Francisco, se dirigiu a este lugar para consagrar sua vida em 1212 à Ordem dos Irmãos Menores.

Naquele mesmo ano, Santa Clara e São Francisco fundaram a segunda ordem franciscana ou das irmãs clarissas.

A amizade, fraternidade e orientação de São Francisco na vida de Santa Clara é uma expressou do “valor do feminino que hoje nos desafia a reconhecê-lo e incorporá-lo como expressão real na vida da Igreja”, disse o sacerdote.

Em particular, a festa da Porciúncula “faz muito bem à Igreja” por ser uma “oportunidade de se renovar a partir do essencial, é um retorno para Jesus Cristo, para uma vida mais profunda, uma Igreja mais da comunhão, do anúncio missionário”, finalizou o provincial.

Fonte: https://www.acidigital.com/noticias/por-que-a-porciuncula-e-transcendental-na-vida-de-sao-francisco-e-da-igreja-82450

Be Sociable, Share!

Sobre Prof. Felipe Aquino

O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
Adicionar a favoritos link permanente.