Para quê a Semana da Família?

familylawNo dia dos pais começou a Semana da Família, de 9 a 15 de agosto. O tema central deste ano é: “O amor é a nossa missão: a família plenamente viva”.

O sr. Bispo de Osasco, SP, Presidente da “Comissão para a Vida e a Família” da CNBB, Dom João Bosco Barbosa, diz o seguinte:

“A temática família perpassa o ano todo, sendo uma reflexão transversal de toda ação evangelizadora da Igreja. A escolha de uma semana especial sobre a família é justamente para a reflexão não ficar apenas no âmbito eclesial, mas se trata de uma oportunidade de oferecer também à sociedade o debate referente aos desafios da família”… “A família é a base da sociedade e o lugar onde as pessoas aprendem pela primeira vez os valores que os guiarão durante toda a vida”, dizia São João Paulo II. O Papa Bento XVI, no Encontro Mundial das Famílias, em Valência, Espanha, afirmou que “esta é uma instituição “insubstituível” segundo os planos de Deus e cujo valor fundamental a Igreja não pode deixar de anunciar e promover, para que seja vivido sempre com sentido de responsabilidade e alegria”.

O Papa João Paulo II disse que: “A família, fundamentada e vivificada pelo amor, é o lugar próprio onde cada pessoa está chamada a experimentar, fazer próprio e participar daquele amor sem o qual o homem não pode viver, e toda sua vida fica destituída de sentido… Em torno à família se trava hoje o combate fundamental da dignidade do homem (Familiaris Consortio, 18).”

A família, fundada no matrimônio indissolúvel entre um homem e uma mulher, é o belo Plano de Deus para a humanidade; ela é, como disse são João Paulo II, o “Santuário da Vida”, “Patrimônio da humanidade”, “Igreja doméstica”. Destruir a família é destruir a obra de Deus. E ela está hoje sendo terrivelmente ameaçada e precisa ser defendida por cada cristão e pelas forças católicas.

A Irmã Lúcia, vidente de Fátima, em carta ao cardeal Cafarra, disse: “Deus contra Satanás – a última batalha, o enfrentamento final, será sobre a família e sobre a vida”. (Entrevista do Cardeal Carlo Cafarra concedida a La voce di Padre Pio em março de 2015). Satanás quer destruir a família, porque não pode destruir Deus, disse o Papa João Paulo II, em sua “Carta às Famílias” (1994).

Mais do que nunca hoje a família é atingida, como disse o Papa João Paulo II, “pela praga do divórcio”, das “uniões livres”, do aborto, do chamado “amor livre”, da “camisinha”, da “produção independente”, dos “casamentos” de pessoas do mesmo sexo, do controle imposto da natalidade, da eutanásia, da inseminação artificial, das manipulações de embriões, dos úteros de aluguel, das novelas obscenas, da coabitação sem matrimônio, do casamento só no civil, etc., frutos de uma sociedade mergulhada no consumismo e no utilitarismo, e que fez uma opção pela cultura do prazer”.

Leia também: Semana da Família

Família, instituição de vida

As bênçãos de uma família numerosa

Os 5 distintivos de uma família católica

Na “Carta às Famílias”, o Papa João Paulo II disse: “Nos nossos dias, infelizmente, vários programas sustentados por meios muito poderosos parecem apostados na desagregação da família”.

A “Carta do Rio de Janeiro”, do Congresso Teológico Pastoral do Rio de Janeiro, em 1997, com a presença de João Paulo II, disse: “A família está sob a mira de ataque em muitas nações. Uma ideologia anti-família tem sido promovida por organizações e indivíduos que, muitas vezes, não obedecem princípios democráticos” (1.1).

“Temos testemunhado uma guerra contra a família, em nível tanto nacional quanto internacional. Nesta década (90), em Conferências das Nações Unidas, têm sido vistas tentativas para “desconstruir” a família, de forma que o sentido de “casamento”, “família” e “maternidade” é agora contestado. Tem sido estabelecida uma falsa posição entre os direitos da família e os de seus membros individuais. Sob o nome de liberdade, têm sido promovidos “direitos sexuais” espúrios e “direitos de reprodução”. Entretanto, estes direitos estão, de fato, principalmente, a serviço do controle populacional. São inspiradas em teorias científicas em descrédito, num feminismo ultrapassado e numa mal direcionada preocupação com o meio ambiente” (1.2). “Uma linha social-materialista, ao lado do egoísmo e da irresponsabilidade, contribui para a dissolução da família, deixando uma multidão de vítimas indefesas ” (1.4).

Não há dúvida, há uma conspiração contra a família, originária na ideologia de Marx e Engels, que viam na família um lugar de opressão a mulher e aos filhos, e um meio de cultivar a propriedade privada; então, a solução é a destruição da família como Deus a instituiu. Dai brotou um feminismo doentio que fere a própria mulher, e a destruidora “Ideologia de Gêneros” que, para destruir a família quer destruir o casamento cristão, negando que existe apenas os sexos masculino e feminino, abrindo as portas para uma promiscuidade sexual com base na palavra “gênero”. Com esta insana ideologia quer se ensinar para as crianças, nas escolas, que elas não são nem meninos e nem meninas, e que vão “escolher” o seu gênero mais tarde. Destrói-se assim, a pessoa, o casamento e a família.

Exatamente nesta Semana da Família de 2015, as Câmaras de Vereadores continuam votando os Planos Municipais de Educação, contemplando ou não neles, a perniciosa Ideologia de Gêneros. No dia 11 de agosto, lutamos em São Paulo, em defesa da família, e, graças a Deus, vencemos por 42 a 2 votos dos vereadores contra a ideologia de gêneros. Foi uma luta árdua. Mas senti que ainda é pequena a participação dos cristãos nesta luta. Os lutadores que ali estiveram (leigos e padres) ajudaram a vitória de Deus. Precisamos todos nos unir e participar desta luta em defesa da família: as mídias católicas, as TVs católicas, as Comunidades católicas, as rádios católicas, os católicos, os grupos de oração, os Movimentos da Igreja e o clero. Nossos bispos foram firmes na condenação da Ideologia de Gêneros; temos de nos unir a eles e reproduzir a sua mensagem.familiasantuariodavida

Nossa missão, além de rezar muito nos Grupos, nas igrejas e nas casas, é também ser o “sal da terra e a luz do mundo” que transforma a sociedade para Deus. Leão XIII disse um dia que “a ousadia dos maus se alimenta da omissão dos bons”. Então, nós católicos não podemos nos omitir nessa luta contra a moral católica, que se trava nos parlamentos; senão, teremos um Brasil com leis pagãs, as quais seremos obrigados a obedecer?

Já aprovaram o divórcio, a inseminação artificial, a abortiva Pílula do Dia Seguinte, a manipulação de embriões humanos, a união de pessoas do mesmo sexo, o aborto em muitos casos, etc… Continuamos sendo derrotados por “7 a 1”.

Que a Semana da Família seja um alerta de que a Família está sendo destruída, e com ela a sociedade como Deus a quer.

Prof. Felipe Aquino

Be Sociable, Share!

Sobre Prof. Felipe Aquino

O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
Adicionar a favoritos link permanente.