Papa reitera seu rechaço e o da Igreja à pena de morte e à prisão perpétua

Segundo o ACI Digital (17/12/2018), o Papa Francisco reiterou “o compromisso da Igreja em prol da abolição” da pena de morte, pois é “contrária ao Evangelho”, e também rechaçou a prisão perpétua que retira “a possibilidade de uma redenção moral e existencial”.

Durante uma audiência concedida aos membros de uma Delegação da Comissão Internacional contra a Pena de Morte, aos quais recebeu no Vaticano nesta segunda-feira, 17 de dezembro, o Santo Padre recordou que as suas palavras contra a pena de morte pronunciadas em seu discurso ante o Congresso dos Estados Unidos, em 24 de setembro de 2015, ainda permanecem plenamente vigentes.

Assinalou que a pena de morte é contrária ao Evangelho, “porque implica suprimir uma vida que sempre é sagrada aos olhos do Criador e que só Deus é o verdadeiro juiz e fiador”.

Francisco assinalou que o compromisso da Igreja contra a pena de morte se fundamenta na “certeza de que a vida de cada pessoa é sagrada e que a dignidade humana deve ser protegida sem exceções”.

Do mesmo modo, o Pontífice não hesitou em fazer uma autocrítica e lamentou que, “nos séculos passados, inclusive o Estado Pontifício recorreu a essa forma desumana de castigo, ignorando a primazia da misericórdia sobre a justiça”.

Nesse sentido, sublinhou que a nova redação do número 2267 do Catecismo da Igreja Católica, no qual se declara a pena de morte como “inadmissível” em qualquer caso, “assume a nossa responsabilidade sobre o passado e reconhece que a aceitação dessa forma de punição foi consequência de uma mentalidade da época, mais legalista que cristã, que sacralizou o valor das leis carentes de humanidade e misericórdia”.

“A reforma do texto do Catecismo no ponto relativo à pena de morte não conota nenhuma contradição com o ensinamento do passado, porque a Igreja sempre defendeu a dignidade da vida humana”, sublinhou.

Entretanto, “o desenvolvimento harmonioso da doutrina impõe a necessidade de refletir no Catecismo que, apesar da gravidade do delito cometido, a Igreja ensina, à luz do Evangelho, que a pena de morte é sempre inadmissível porque atenta contra a inviolabilidade e a dignidade da pessoa”.

Por outro lado, durante o discurso o Papa não só se declarou contra a pena da morte, como também rechaçou as penas perpétuas, “que retiram a possibilidade de uma redenção moral e existencial, em favor dos condenados e da comunidade”.

Segundo assinalou, “são uma forma de pena de morte disfarçada. Deus é Pai que sempre espera o retorno do filho que, sabendo que errou, pede perdão e inicia uma nova vida. Ninguém pode ser privado de sua vida ou da esperança de sua redenção e reconciliação com a comunidade”.

Assim como a Igreja expressa o seu compromisso para acabar com a pena de morte, o Papa assegurou que “é necessário que um compromisso semelhante seja assumido pelas nações”.

Fonte: https://www.acidigital.com/noticias/papa-reitera-seu-rechaco-e-o-da-igreja-a-pena-de-morte-e-a-prisao-perpetua-35032

Be Sociable, Share!

Sobre Prof. Felipe Aquino

O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
Adicionar a favoritos link permanente.