Papa aos coptos ortodoxos no Egito: O sangue inocente dos fiéis nos une

Segundo o ACI Digital (28/04/2017), o Papa Francisco se reuniu com o Papa Tawadros II, Patriarca da Igreja Copta-Ortodoxa, e pronunciou um discurso no qual deu um novo impulso às relações ecumênicas entre católicos e coptos ortodoxos: “Somos chamados a testemunhar Jesus, a levar ao mundo a nossa fé”.

No encontro, que aconteceu na sede do Patriarcado Copto-Ortodoxo no Cairo, o Santo Padre incentivou a oferecer juntos esse testemunho “segundo o modo que é próprio da fé: vivendo-a, porque a presença de Jesus transmite-se com a vida”.

Em concreto, Francisco se referiu à caridade e ao martírio que os cristãos sofrem em muitos lugares do mundo como os principais caminhos pelos quais transcorre o diálogo ecumênico.

“Possam coptas ortodoxos e católicos falar juntos, sempre mais, esta língua comum da caridade: antes de empreender uma iniciativa benfazeja, seria bom perguntar-nos se a poderemos realizar com os nossos irmãos e irmãs que compartilham a fé em Jesus”.

“Assim, construindo a comunhão com o testemunho vivido na existência diária concreta, o Espírito não deixará de abrir caminhos providenciais e inesperados de unidade”.

Sobre o martírio, assinalou que “a maturação do nosso caminho ecumênico é sustentada, de modo misterioso e muito atual, também por um verdadeiro e próprio ecumenismo do sangue”.

Nesse sentido, recordou que “São João escreve que Jesus veio ‘com água e com sangue’; quem acredita Nele, assim ‘vence o mundo’. Com água e sangue: vivendo uma vida nova no nosso Batismo comum, uma vida de amor incessante e por todos, mesmo à custa do sacrifício do sangue”.

O Bispo de Roma se referiu ao Egito como “terra de mártires” e destacou a importante colaboração dos cristãos egípcios à cristandade.

“Desde os primeiros séculos do cristianismo, nesta terra, quantos mártires viveram a fé heroicamente e até ao extremo, preferindo derramar o sangue que negar o Senhor e ceder às adulações do mal ou mesmo só à tentação de responder ao mal com o mal! Bem o testemunha o venerável Martirológio da Igreja Copta”.

Além disso, recordou a memória dos cristãos que atualmente seguem derramando seu sangue por sua fé o Egito. “Ainda há pouco, infelizmente, o sangue inocente de fiéis inermes foi cruelmente derramado: o seu sangue inocente nos une”, destacou.

“Caríssimo Irmão – continuou, referindo-se ao Papa Tawadros II –, assim como é única a Jerusalém celeste, assim também é único o nosso martirológio, e os vossos sofrimentos são também os nossos sofrimentos”.

“Fortalecidos pelo vosso testemunho, trabalhemos por nos opor à violência, pregando e semeando o bem, fazendo crescer a concórdia e mantendo a unidade, rezando a fim de que tantos sacrifícios abram o caminho para um futuro de plena comunhão entre nós e de paz para todos”.

Entretanto, “a maravilhosa história de santidade desta terra não é peculiar só pelo sacrifício dos mártires”, assinalou o Pontífice. “Logo que terminaram as perseguições antigas, surgiu uma forma nova de vida que, doada ao Senhor, nada retinha para si: no deserto, começou o monaquismo”.

“Assim, aos grandes sinais que antigamente Deus realizara no Egito e no Mar Vermelho, seguiu-se o prodígio duma vida nova, que fez o deserto florir de santidade. Com veneração por este patrimônio comum, vim como peregrino a esta terra, onde o próprio Senhor gosta de vir: aqui, glorioso, desceu sobre o Monte Sinai; aqui, humilde, encontrou refúgio quando era criança”.

Francisco reconheceu seu grande desejo de se reencontrar com o Patriarca da Igreja Copta-Ortodoxa e recordou os encontros anteriores. “Conservo bem viva a lembrança da visita de Vossa Santidade a Roma, pouco depois da minha eleição no dia 10 de maio de 2013, uma data que felizmente se tornou ocasião para celebrar anualmente o Dia da Amizade Copto-Católica”.

“Na alegria de continuar fraternalmente o nosso caminho ecumênico, desejo recordar, antes de mais nada, aquele marco nas relações entre a Sé de Pedro e a de Marcos que é a Declaração Comum assinada pelos nossos Predecessores, há mais de quarenta anos, em 10 de maio de 1973”.

Em tal Declaração Comum, “juntos, confessamos que pertencemos a Jesus e que Ele é o nosso tudo. Além disso compreendemos que, sendo seus, já não podemos pensar em avançar cada um pela sua estrada, porque trairíamos a sua vontade”.

Em seu discurso, o Papa Francisco afirmou que “há não só um ecumenismo feito de gestos, palavras e compromisso, mas uma comunhão já efetiva, que cresce dia a dia no relacionamento vivo com o Senhor Jesus, está enraizada na fé professada e funda-se realmente no nosso Batismo, em sermos Nele ‘novas criaturas’: em suma, ‘um só Senhor, uma só fé, um só Batismo’”.

“Daqui havemos de partir sempre de novo, para apressar o dia tão desejado em que estaremos em comunhão plena e visível no altar do Senhor”, destacou.

Ao fim do encontro, o Papa Francisco e o Papa Tawadros II assinaram uma declaração conjunta.

Fonte: http://www.acidigital.com/noticias/papa-aos-coptos-ortodoxos-no-egito-o-sangue-inocente-dos-fieis-nos-une-61670/

Be Sociable, Share!

Sobre Prof. Felipe Aquino

O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
Adicionar a favoritos link permanente.