Palavras de consolo

pessoatristeAqui você encontrará alguns conselhos de Papas, Santos e conhecidos autores de espiritualidade para lhe ajudar no momento da doença e da das dificuldades da vida…

“Ó vós todos, que sentis mais duramente o peso da cruz, vós que sois pobres e abandonados, vós que chorais, vós que sois perseguidos por amor da justiça, vós de quem não se fala, vós os desconhecidos da dor, tende coragem: vós sois os preferidos do reino de Deus, que é o reino da esperança, da felicidade e da vida; Vós sois os irmãos de Cristo sofredor; e com Ele, se quereis, vós salvais o mundo”. – Paulo VI, Mensagem de Conclusão do Concílio Vaticano II aos pobres, aos doentes, a todos que sofrem, 8 de dezembro de 1963.

“Devo dizer uma palavra também aos nossos caros doentes, que vejo ali. Sabeis que Jesus disse: Escondo-me por trás deles; o que é feito a eles, é feito a mim. Portanto, nas pessoas dos doentes, nós veneramos o Senhor em pessoa e fazemos votos por que o Senhor esteja perto deles, os auxilie e os conforte”. – João Paulo I, Audiência Geral, 13 de setembro de 1978.

“Em todas as nossas dores, sejam da alma, sejam do corpo, depois de Deus, temos de desenvolver uma grande confiança na Virgem Maria”. – São João Maria Vianney, Sermão sobre a esperança.

“Cristo dispensa a sua salvação através dos sacramentos e, de modo especial, às pessoas que estão doentes ou são portadoras de qualquer deficiência, através da graça da Unção dos Enfermos.

Para cada um, o sofrimento é sempre um estranho. Não nos habituamos nunca á sua presença. Por isso é difícil suportá-lo, e mais difícil ainda – como fizeram algumas grandes testemunhas da santidade de Cristo – acolhê-lo como parte integrante da própria vocação, ou aceitar, segundo a expressão de Santa Bernadete, “tudo sofrer em silêncio para comprazer Jesus”. Para se poder dizer isto, é necessário ter percorrido já um longo caminho em união com Jesus.

Leia também: Não é fácil sofrer!

Sofrimento, matéria-prima da Redenção

Reflexão sobre a doença e a morte

Como enfrentar as dificuldades

Em contrapartida, é possível imediatamente desde já abandonar-se à misericórdia de Deus tal como esta se manifesta por meio da graça do sacramento dos doentes. A própria Santa Bernadete, no discurso duma existência frequentemente marcada pela doença, recebeu este sacramento quatro vezes. A graça própria deste sacramento consiste em acolher em si mesmo Cristo médico. Cristo, porém, não é médico à maneira do mundo. Para nos curar, Ele não fica fora do sofrimento que se experimenta; mas alivia-o vindo habitar naquele que está atingido pela doença, para a suportar e viver com ele.

A presença de Cristo vem quebrar o isolamento que a dor provoca. O homem deixa de carregar sozinho a sua provação, mas enquanto membro sofredor de Cristo, fica conformado a Ele que Se oferece ao Pai e n’Ele participa no parto da nova criação”. – Bento XVI, Homília durante a Santa Missa com os doentes em Lourdes, ­15 de setembro de 2008.

Tendes um lugar importante na Igreja, se sabeis interpretar vossa difícil situação à luz da fé e se, sob essa luz, sabeis viver vossa enfermidade com coração generoso e forte. Cada um de vós pode então afirmar com São Paulo: “Completo na minha carne o que falta aos sofrimentos de Cristo, em favor do seu Corpo que é a Igreja”. – João Paulo II, Audiência geral, 15 de novembro de 1978.

“Às vezes, uma doença faz entrar um bom caminho aquele que era malvado quando são. Da mesma maneira, pode advir por causa de uma outra desgraça: a tribulação o fará compreender”. – São Tomás de Aquino, Sobre o duplo preceito da Caridade.

“Sofres… e não quererias queixar-te. – Não faz mal que te queixes – é a reação natural de nossa pobre carne -, enquanto a tua vontade quiser em ti, agora e sempre, o que Deus quer”. – São Josemaria Escrivá, Caminho, n. 718.

“Quando estiveres doente, oferece com amor os teus sofrimentos, e eles se converterão em incenso que se eleva em honra de Deus e que te santifica”. – São Josemaria Escrivá, Forja 791.

“Muitos são mártires no leito. O cristão jaz no leito, atormentado pelas dores; reza e não é ouvido; ou talvez seja, mas é posto à prova, experimentado, flagelado para que seja recebido como filho. Faz-se mártir no leito e recebe a coroa d’Ele que, por ele, esteve pendente da Cruz”. – Santo Agostinho, Sermão, 286.

“Diz-me, Amigo – perguntou o Amado -, terás paciência se dobro as tuas dores? Sim – respondeu o Amigo -, desde que dobre os meus amores”. – Raimundo Lúlião, Livro do Amigo e do Amado, 8.

“Querido irmão doente! Se alguém ou alguma coisa te faz pensar que chegaste ao fim da estrada, não acredites! Se tens conhecimento do Amor eterno que te criou, sabes também que, dentro de ti, há uma alma imortal. Existem várias estações na vida; se porventura sentires chegar o inverno, quero que saibas que não pode ser a última estação, porque a última será primavera: a primavera da ressurreição. A totalidade da tua vida estende-se infinitamente para além das suas fronteiras terrenas: prevê o Céu”. – João Paulo II, Saudação aos enfermos, 13 de maio de 2000.

“Ele com certeza sabe que muitas vezes os nossos sofrimentos são um instrumento de salvação”. – São Gregório Nazianzeno, Dissertação 7.

“Comovido por tanto sofrimento, Cristo não só Se deixa tocar pelos doentes, como também faz suas as misérias deles: <<Tomou sobre Si as nossas enfermidades e carregou com as nossas doenças>> (Mt 8, 17). Ele não curou todos os doentes. As curas que fazia eram sinais da vinda do Reino de Deus. anunciavam uma cura mais radical: a vitória sobre o pecado e sobre a morte, meditando a sua Páscoa. Na cruz, Cristo tomou sobre Si todo o peso do mal e tirou “o pecado do mundo” (Jo 1, 29), do qual a doença não é mais que uma consequência. Pela sua paixão e morte na cruz. Cristo deu novo sentido ao sofrimento: desde então este pode configurar-nos com Ele e unir-nos à sua paixão redentora”. – Catecismo da Igreja Católica, 1505.

Retirado do livro: “Orações Diante da Doença”. Ed. Cultor de Livros.

Sobre Prof. Felipe Aquino

O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
Adicionar a favoritos link permanente.