O que eram Ordens Mendicantes que apareceram na Idade Média?

Ordens MendicantesNo início do século XIII tivemos os fundadores das Ordens “Mendicantes” (viviam em grande parte de esmolas), eram pregadores itinerantes, mas integrados no seio da Igreja. Cultivavam a pobreza não só individual, mas também comunitária; os irmãos viviam de trabalho manual ou de esmolas. Provavelmente, todos eram leigos no início. Estabeleciam-se em centros populosos e renunciavam à estabilidade no mesmo.

Leia também: Um cristão da Idade Média

História da Igreja: Introdução à Idade Média

A Idade Média, os monges e o progresso

A Igreja e o Ensino na Idade Média

hist_igreja_mediaConstituíram as chamadas Ordens Terceiras (a Primeira Ordem era a dos frades; a Segunda Ordem das freiras), aceitavam as pessoas casadas, proporcionando-lhes algo da vida regular.

No mundo obrigavam-se a observar normas de oração e práticas de penitência e caridade.

Estiveram nessas Ordens, São Luís, rei da França, Santa Elisabete da Turíngia, Santa Catarina de Sena… Entre os Terciários inscreveram-se no fim do século XIII pessoas solteiras, que renunciavam as propriedades e viviam em comum; do que resultaram novas Ordens, ditas “dos Terciários Regulares”.

Retirado do livro: “História da Igreja – Idade Média”. Prof. Felipe Aquino. Ed. Cléofas.

Sobre Prof. Felipe Aquino

O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
Adicionar a favoritos link permanente.