O fim do mundo será em 23 de setembro? Sacerdote católico responde

Segundo o site ACI Digital (18/09/2017), diversos rumores difundidos nas redes sociais, que incluem vídeos no Youtube que unem argumentos científicos e bíblicos, apontam que o fim do mundo acontecerá no dia 23 de setembro. Mas, o que há de verdade em tudo isso? Um sacerdote católico responde.

Segundo uma variedade de artigos e vídeos, em 23 de setembro, um alinhamento planetário singular fará com que o Planeta X – cuja existência é apenas uma hipótese científica – colapse com a Terra. Isso, asseguram, tem relação direta com fragmentos do livro do Apocalipse.

Outra especulação sobre o fim do mundo nesta data, circulando majoritariamente na rede YouTube, é que o alinhamento das constelações de Virgem e Leão com Vênus, Marte e Mercúrio assim como a posição do sol e da lua no dia 23, dariam cumprimento à profecia de Ap 12,1. Neste versículo, São João fala sobre a mulher vestida de sol, coroada por 12 estrelas e com a lua sob os seus pés. Na interpretação destes vídeos diz-se que a constelação de Virgem, que estará à frente do sol e acima da lua, representaria a mulher do Apocalipse e que a conjunção de Leão e os 3 planetas citados formariam a coroa de 12 estrelas da visão de São João. Interpretação esta que é refutada em outros vídeos, que afirmam que devido à posição do sol atrás de Vênus a figura descrita dificilmente seria observada do solo terrestre.

Da mesma forma, numerólogos aparecem em vídeos repletos de argumentos afirmando que esta data marcaria o fim dos tempos ou o arrebatamento. Caberia perguntar-se, portanto, se há algo de verdade nesses rumores.

“Muitíssimo cuidado com essas pessoas que colocam datas, são hereges e estão infundindo temor nas pessoas. Ninguém sabe o dia nem a hora”, assegurou Pe. Samuel Bonilla – conhecido nas redes sociais como “Padre Sam” – em um vídeo recente.

Tomando como fonte o capítulo 24 do Evangelho de São Mateus, Padre Sam recorda que os discípulos perguntaram a Jesus quando será destruído o templo de Jerusalém, quais os sinais de sua segunda vinda e quando será o fim do mundo.

“Jesus começa fazendo duas advertências: não se deixem enganar pelos falsos profetas e, segundo, haverá sinais naturais, mas esses não são o fim do mundo. E depois começa a responder uma a uma as perguntas que os discípulos formularam”.

Sobre a destruição de Jerusalém, recordou que isso aconteceu no ano 70, com o imperador romano Tito.

A respeito da segundo vinda de Cristo, o sacerdote explicou que “Jesus diz: o primeiro sinal será que o Evangelho tenha sido proclamado a todo o mundo. O segundo sinal será depois de certos fenômenos naturais chegará o sinal celestial do Filho do Homem. O terceiro sinal será a conversão do povo judeu”.

“Diante da terceira pergunta sobre quando será o fim do mundo, duas respostas: a segunda carta aos Tessalonicenses diz (que) quando chegar a apostasia e o anticristo. E Mateus 24,35 diz cuidado, não se alarmem, ninguém sabe nem o dia nem a hora”.

Além disso, Padre Sam incentivou a não se preocupar tanto pelo fim do mundo, mas por viver segundo o ensinamento de Cristo a cada dia.

“Não fiquemos nos perguntando quando será a segunda vinda ou quando é o fim do mundo, mas esforcemo-nos para estarmos preparados”, incentivou.

Fonte: http://www.acidigital.com/noticias/o-fim-do-mundo-sera-em-23-de-setembro-sacerdote-catolico-responde-29883/

Be Sociable, Share!

Sobre Prof. Felipe Aquino

O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
Adicionar a favoritos link permanente.