Não é fácil sofrer!

sofrimentoQuando o cardeal Frantisek Tomasek, da antiga Tchecoslováquia, foi solto dos cárceres comunistas, depois de ter passado 20 anos preso, um repórter lhe perguntou se ele não se sentia frustrado por não ter podido trabalhar pela Igreja nesses 20 anos.

Sua resposta foi:

“Quem trabalha pela Igreja faz muito; quem reza faz mais ainda; quem sofre faz tudo. É esse tudo que eu pude fazer”

Disse Pascal que “Jesus continua em agonia até o fim dos tempos”. É verdade, Ele continua sua imolação incruenta nas missas e nos Sacrários da Terra, e também em todos os que com Ele carregam a cruz de cada dia. De fato, a Redenção da humanidade requer que cada cristão complete na sua carne “o que falta à paixão de Cristo no seu Corpo que é a Igreja” (Cal 1,24).

Leia também: Sofrer na fé

Sofrimento, matéria-prima da Redenção

Por que o sofrimento nosso tem valor diante de Deus?

Ora, se somos o corpo de Cristo, temos de padecer suas dores.sofrendomenor

Não é fácil; a natureza humana tem horror ao pecado; só pela graça de Deus é possível sofrer na fé. Mas o sofrimento nos salva, nos purifica e santifica; faz cair por terra tudo o que é supérfluo e sem valor.

Não é fácil sofrer, mas tem grande valor. Quem Deus nos dê a Sua graça e a Sua benção para isso.

Prof. Felipe Aquino

Sobre Prof. Felipe Aquino

O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
Adicionar a favoritos link permanente.