Mulheres que abortam são seis vezes mais propensas ao suicídio

Segundo o ACI Digital (06/11/2017), um amplo estudo realizado pela Sociedade para a Proteção da Criança por Nascer do Reino Unido (SPUC, na sigla em inglês) revelou os graves riscos de saúde física e mental que as mulheres que se submetem ao aborto enfrentam, como o aumento da probabilidade de que cometam suicídio.

A pesquisa, encabeçada por Dr. Gregory Pike, médico pesquisador australiano do Adelaide Centre for Bioethics and Culture, recolhe trabalhos científicos realizados mundialmente e tem como título “O aborto e a saúde das mulheres”.

De acordo com a SPUC, entre as descobertas do estudo do Dr. Pike encontra-se que “o suicídio é cerca de seis vezes maior após o aborto do que após dar à luz”.

Além disso, “as mulheres têm mais probabilidade de morrer após um aborto em comparação a dar à luz”.

“O aborto está associado a taxas significativamente maiores de morte para as mulheres até dez anos após um aborto, em comparação a mulheres que dão à luz”.

Além disso, as mulheres que abortam se veem expostas a uma “dor significativa” três anos depois do aborto, assim como a 30% de aumento do risco de depressão e 25% de risco de maior ansiedade.

Outra descoberta da pesquisa, indica SPUC, é que “as mulheres que tiveram abortos frequentemente experimentaram desordens de saúde mental 30% a mais em comparação a mulheres que não tiveram um aborto”.

As mulheres que se submeteram a abortos também experimentam, com frequência, depressão, ansiedade e desordem de estresse pós-traumático em gestações seguintes.

Ao apresentar o relatório no dia 27 de outubro, Antonia Tully, diretora de campanhas da SPUC, criticou que “ao lobby pró-aborto e à indústria do aborto, que gasta milhões de libras do contribuinte por realizar abortos financiados pelo Estado, não parece interessar o impacto do aborto nas mulheres ou se recusam a olhar o impacto que tem”.

“A realidade é que o impacto é tão angustiante quanto horrível para tantas mulheres”.

Tully sublinhou que “nós realmente nos importamos com o fato de que mulheres que têm um aborto experimentam problemas de saúde mental 30% mais do que mulheres que dão à luz”.

“Para nós, importa muito que o risco de suicídio seja aproximadamente seis vezes maior após um aborto do que após um parto”, assinalou.

Fonte: http://www.acidigital.com/noticias/mulheres-que-abortam-sao-seis-vezes-mais-propensas-ao-suicidio-65296/

Be Sociable, Share!

Sobre Prof. Felipe Aquino

O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
Adicionar a favoritos link permanente.