Maria é a mulher forte do “sim” que dá esperança, diz o Papa na Via Sacra da JMJ 2019

Segundo o ACI Digital (25/01/2019), o Papa Francisco presidiu a Via Sacra da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Panamá 2019. no Campo Santa Maria la Antigua, onde ofereceu uma reflexão sobre a Virgem como a mulher forte que sustenta, abraça e dá esperança.

Diante de centenas de milhares de peregrinos e depois de ter meditado cada uma das estações da Via Sacra, o Santo Padre fez uma reflexão na qual ressaltou o papel da Mãe de Deus.

“Contemplemos Maria, mulher forte. D’Ela, queremos aprender a ficar de pé junto da cruz. Com a sua mesma decisão e coragem, sem evasões nem miragens. Ela soube acompanhar o sofrimento de seu Filho, vosso Filho; apoiá-Lo com o olhar e protegê-Lo com o coração. Que dor sofreu! Mas não A abateu. Foi a mulher forte do ‘sim’, que apoia e acompanha, protege e abraça. É a grande guardiã da esperança”, disse o Santo Padre.

“Também nós queremos ser uma Igreja que apoia e acompanha, que sabe dizer: estou aqui, na vida e nas cruzes de tantos cristos que caminham ao nosso lado”.

De Maria, continuou o Papa, “aprendemos a dizer ‘sim’ à resistência forte e constante de tantas mães, tantos pais, avós que não cessam de apoiar e acompanhar os seus filhos e netos quando estão com problemas”.

“D’Ela, aprendemos a dizer ‘sim’ à paciência obstinada e à criatividade daqueles que não desanimam e recomeçam do princípio nas situações em que tudo parece estar perdido, procurando criar espaços, ambientes familiares, centros de atenção que sejam uma mão estendida nas dificuldades”.

“Em Maria – prosseguiu – aprendemos a força para dizer ‘sim’ àqueles que não se calaram nem calam perante uma cultura dos maus-tratos e abuso, do descrédito e agressão, e trabalham para proporcionar oportunidades e condições de segurança e proteção”.

Francisco ressaltou também que na Virgem Maria “aprendemos a acolher e hospedar todos aqueles que foram abandonados, que tiveram de sair ou perder a sua terra, as raízes, a família e o emprego”.

“Pai, como Maria, queremos ser Igreja que favoreça uma cultura que saiba acolher, proteger, promover e integrar; que não estigmatize e, menos ainda, generalize com a condenação mais absurda e irresponsável que é ver todo o migrante como portador de mal social”.

Depois de pedir a Deus que os cristãos sejam pessoas que acompanhem com ternura os outros, o Papa Francisco pediu ao Senhor que ensine os fiéis a ” estar ao pé da cruz, ao pé das cruzes; despertai nesta noite os nossos olhos, o nosso coração; resgatai-nos da paralisia e da confusão, do medo e do desespero”.

“Pai, ensinai-nos a dizer: estou aqui juntamente com o vosso Filho, juntamente com Maria e tantos discípulos amados que desejam acolher o vosso Reino no seu coração”, pediu o Pontífice.

O Papa também encorajou a não cair na tentação da “cultura do bullying, do assédio, da intimidação, do deboche com os frágeis”.

Além disso, o Santo Padre expressou que “a Via-Sacra do vosso Filho prolonga-se em tantos jovens e famílias que, absorvidos numa espiral de morte por causa da droga, do álcool, da prostituição e do tráfico humano, ficam privados não só do futuro, mas também do presente. E, assim como repartiram as vossas vestes, Senhor, acaba repartida, maltratada a sua dignidade”.

Esta Via-Sacra, lamentou o Papa, também “prolonga-se numa sociedade que perdeu a capacidade de chorar e comover-se à vista do sofrimento”.

Diante desta dor, o Pontífice questionou: “E nós, Senhor, que fazemos? Como reagimos à vista de Jesus que sofre, caminha, emigra no rosto de tantos amigos nossos, de tantos desconhecidos que aprendemos a tornar invisíveis?”.

Francisco também questionou aos peregrinos presentes: “Nos animamos a permanecer ao pé da cruz, como Maria?”.

Esta atividade encerrou o quarto dia da JMJ Panamá 2019. Para amanhã está programada a Missa com a dedicação do altar da Catedral Basílica de Santa Maria la Antigua e a Vigília com os jovens.

Fonte: https://www.acidigital.com/noticias/maria-e-a-mulher-forte-do-sim-que-da-esperanca-diz-o-papa-na-via-sacra-da-jmj-2019-61597

Be Sociable, Share!

Sobre Prof. Felipe Aquino

O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
Adicionar a favoritos link permanente.