Maioria esmagadora dos fiéis é contra missa tradicional, diz cardeal Kasper

Segundo o ACI Digital (23/07/2021), o cardeal Walter Kasper disse acreditar que a “esmagadora maioria” dos fiéis católicos é “firmemente contra” a missa latina tradicional e que alguns de seus adeptos escandalizam outros fiéis por acreditar que essa é a única verdadeira missa católica e por rejeitar o Concílio Vaticano II “mais ou menos em sua totalidade”.

Em um comentário curto enviado em reposta a diversas perguntas feitas pelo jornal dos EUA National Catholic Register na quinta-feira 22 de julho sobre a carta apostólica Traditionis custodes do Francisco que no dia 16 de julho restringiu a celebração da Missa pelo o Missal Romano de 1962, Kasper disse que alguns dos fiéis que frequentam a missa tradicional transformaram os esforços de Bento XVI pela reconciliação em divisão, e atingiram assim “o próprio coração da unidade da Igreja”.

Embora reconheça perigos para a unidade da igreja no caminho sinodal alemão, processo sobre o qual já se disse “muito preocupado”, Kasper vê “esperança por soluções e reformas razoáveis” que “só são possíveis com base na fé católica testemunhada particularmente pelo Concílio Vaticano II”.

O cardeal Kasper, de 88 anos, deixou a presidência do Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos em 2010 por idade, mas foi um conselheiro teológico fundamental durante grande parte do pontificado do papa Francisco.

Conhecido por sua interpretação progressista do Vaticano II, Kasper foi elogiado por Francisco pelo discurso que fez antes do primeiro Sínodo sobre a Família em 2014. Kasper defendeu a admissão à comunhão de católicos divorciados vivendo em nova união. Ele foi apelidado de “teólogo do papa”.

O National Catholic Register entrou em contato com o cardeal Kasper por e-mail pedindo sua opinião sobre o motu proprio Traditionis custodes e o Caminho Sinodal Alemão. A seguir, as observações do cardeal na íntegra:

Eu cresci e fui ordenado muito antes do Concílio Vaticano II, mas nunca encontrei uma ruptura entre a liturgia pós-Trento e a liturgia pós-Vaticano II. Como um estudante no início dos anos 1950, li o “Missarum Sollemnia” de J.A. Jungman (Missarum Sollemnia, J.A. Jungman , 3ª. edição, Editora Paulus, 2021, 968 págs., R$128,89) e descobri que o Vaticano II trouxe uma reforma do rito latino da mesma forma que Trento realizou. A continuidade se torna clara quando se vê que todo sacerdote é livre para usar a primeira oração eucarística (o antigo “Cânon Romano”) – como eu faço algumas vezes, e como o papa Francisco frequentemente faz quando ele celebra na Basílica de São Pedro. Assim, o cerne da chamada “missa antiga” é preservado também na chamada “missa nova””.

Você diz que há um número crescente de fiéis que desejam o “rito antigo”, mas, em minha experiência, a esmagadora maioria dos fiéis é firmemente contra ele. Sei que muitas pessoas ficam escandalizadas quando vão à Basílica de São Pedro em Roma de manhã cedo e veem que em muitos altares os padres celebram a “missa antiga” sem acólitos e sem a participação dos fiéis. Eles se voltam para a basílica vazia e dizem: “Dominus vobiscum”, “Orate fratres” etc. Alguns jovens padres vêm e querem celebrar a “missa em latim”, mas não sabem latim, enquanto a grande maioria de seus paroquianos prefere ter a missa em sua língua vernácula, então isso traz divisão e brigas na paróquia e as pessoas vão embora.

Não conheço os resultados da pesquisa [nove perguntas enviadas pela Congregação para a Doutrina da Fé em 2020 pedindo a opinião dos bispos sobre a aplicação do Summorum Pontificum], mas parece que o papa Francisco recebeu este tipo de informação, especialmente informação de que algumas pessoas são da opinião de que apenas a “velha missa em latim” é realmente católica e ortodoxa. E eles usam esta posição para rejeitar o Concílio Vaticano II praticamente em sua totalidade. Desse modo, a boa intenção de Bento XVI torna-se o contrário. O que se pretendia contribuir para a reconciliação se transforma em divisão, que se refere ao próprio cerne da unidade da Igreja, e muitos católicos se escandalizam com isso.

Sei que também existem perigos para a unidade da Igreja vindos do lado contrário. Como você sabe, não sou favorável a algumas intenções do caminho sinodal alemão. Mas a Cúria Romana (que inclui o papa) já foi muito clara sobre algumas das suas posições errôneas (celibato, sacerdócio feminino, intercomunhão, bênçãos do mesmo sexo etc.). Sobre outras posições, só ouvimos algumas vozes públicas extremas, mas até agora não existe nenhuma decisão sinodal. Pelo que eu sei, nenhum dos bispos deseja qualquer ato cismático e há um número crescente de pessoas resistentes na conferência episcopal. Portanto, há temores e suspeitas, mas também há esperança de soluções e reformas razoáveis, que só são possíveis com base na fé católica testemunhada particularmente pelo Concílio Vaticano II.

Artigo publicado originalmente em National Catholic Register, traduzido e adaptado por ACI Digital.

Fonte: https://www.acidigital.com/noticias/maioria-esmagadora-dos-fieis-e-contra-missa-tradicional-diz-cardeal-kasper-55481

Be Sociable, Share!

Sobre Prof. Felipe Aquino

O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
Adicionar a favoritos link permanente.