Homilia do Papa: “Não há nenhum santo sem passado, nem pecador sem futuro”

photo.va_-740x493O site Zenit noticiou hoje, 19 de janeiro, que o Papa Francisco lembrou a história do Rei Davi que comete adultério e crimes, mas pede perdão a Deus e não instrumentaliza o nome do Senhor em benefício próprio

Desde sempre a misericórdia foi exercida por Deus. Muito antes da vinda de Jesus à Terra, a emblemática história do rei David já mostrava como até mesmo um adúltero e assassino pode se tornar profeta e soberano do povo de Israel.

Davi é o protagonista da primeira leitura (Sam 16,1-13), evidenciado pelo Papa Francisco em sua homilia matutina na capela da Casa Santa Marta, porque o Senhor prefere escolher quem é humilde e não se utiliza de “Deus para vencer uma causa própria”.

Saul, por exemplo, é rejeitado porque tinha um “coração fechado”, quando Davi, o menor dos filhos de Jessé, foi escolhido como rei, mostrando que “o Senhor vê o coração” ao contrário dos homens que, muitas vezes, são “escravos das aparências”.

Davi, muito jovem e sem outros pensamentos e ocupações a não ser o pastoreio das ovelhas, “não contava aos olhos dos homens”, mas o Senhor o escolhe e “ordena a Samuel de ungi-lo”.

Foi assim que o Espírito de Deus “se apoderou de Davi” e daquele dia em diante, toda a sua vida foi “a vida de um homem ungido pelo Senhor, eleito pelo Senhor”, disse o Pontífice. Isso não significa que Davi imediatamente tornou-se santo, na verdade, a história sucessiva mostra como sua vida foi atravessada por uma longa lista de pecados.

Davi é “santo e pecador”, no sentido de que “soube levar adiante o povo de Israel”, mas “tinha suas tentações”, “tinha seus pecados”, a tal ponto que “para encobrir sua luxúria” e “o pecado de adultério, comandou que matassem”.

No entanto, depois que Deus enviou o profeta Natã para que colocasse diante dele a “barbárie que havia ordenado”, Davi reconheceu que havia pecado e “pediu perdão”, explicou o Papa.

Francisco destacou ainda que Davi “sofreu na carne a traição do filho, mas nunca usou Deus para vencer uma causa própria”.

Quando teve que fugir de Jerusalém, Davi devolveu a Arca e declarou que não usaria o Senhor em sua defesa e quando insultado, em seu coração pensava: “eu mereço”. No momento em que encontra uma oportunidade para matar Saul, emerge sua magnanimidade e ele poupa o adversário.

A história de Davi, o “grande pecador arrependido”, disse Francisco, “me comove” e deve nos levar a pensar em nossa vida.

“Todos fomos escolhidos pelo Senhor para o Batismo, para ser o seu povo, para ser santos; foram consagrados pelo Senhor neste caminho de santidade”, continuou o Santo Padre.

Lendo a história do rei Davi, concluiu Francisco, “de um rapaz a um idoso, que fez tantas coisas boas e outras nem tanto, que me ocorre que no caminho cristão, no caminho que o Senhor nos convidou a percorrer, não há nenhum Santo sem passado, nem pecador sem futuro”.

Fonte: http://pt.zenit.org/articles/homilia-do-papa-nao-ha-nenhum-santo-sem-passado-nem-pecador-sem-futuro/

Be Sociable, Share!

Sobre Prof. Felipe Aquino

O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
Adicionar a favoritos link permanente.