Como saber quando é necessário um exorcista?

Como saber quando um católico precisa da ajuda de um exorcista? A resposta “não é sempre fácil”, mas depois de descartar doenças mentais, “é melhor procurar um sacerdote de confiança”, explica Pe. Pedro Barrajón, doutor em Teologia pela Pontifícia Universidade Gregoriana e Diretor do Instituto Sacerdos.

Em entrevista concedida ao Grupo ACI em 15 de março de 2018, Pe. Barrajón assinalou que “nem sempre é fácil saber quando uma pessoa precisa de um exorcista”, porque “as pessoas muitas vezes duvidam do que está acontecendo com elas ou atribuem a outras causas”.

“O mesmo pode acontecer com a família da pessoa que precisa de um exorcista, que nem sempre entende o fenômeno e, compreensivelmente, quer aplicar soluções naturais”, afirma.

Leia também: O que é o Exorcismo?

Qual é a opinião do Papa Francisco sobre os ataques do demônio?

Por que Deus permite uma possessão demoníaca? Exorcista espanhol responde

O que diz o catecismo da Igreja sobre Exorcismo?

Pratica a Igreja ainda hoje o exorcismo?

Como defender-se do demônio

“Quando alguém, depois de descartar que seja alguma doença mental ou psicológica, começa a pensar seriamente que pode haver uma influência sobrenatural, é melhor procurar um sacerdote de confiança e contar-lhe o que está acontecendo”.

Pe. Barrajón indicou que, “se o sacerdote percebe que ele mesmo, com os meios normais que a Igreja possui, não consegue solucionar o mal que afeta aquela pessoa, o melhor é aconselhar a visitar um exorcista”.

“O exorcista geralmente tem a sensibilidade, dada pela prática, de distinguir com relativa facilidade quando se trata de um caso que precisa de exorcismo ou precisa apenas de uma oração de libertação. Então, se o exorcista considerar adequado, de acordo com a pessoa em necessidade, realiza-se o exorcismo e poderão ser necessárias várias sessões até conseguir a libertação, segundo a vontade divina e o querer das pessoas”, expressou.

O perigo de negar a existência do diabo

O Diretor do Instituto Sacerdos também adverte que, quando se nega a existência dos demônios, “corre-se o risco de deixar a porta aberta para que sua ação seja mais poderosa e para que as pessoas não reconheçam sua ação e não possam proteger-se de forma adequada”.

“É verdade que a difusão do racionalismo fez com que para muitas pessoas o demônio não seja um personagem existente. Inclusive a própria teologia por muitos anos manteve uma posição distante e alguns teólogos se mostraram céticos sobre a necessidade de exorcismos”.

No entanto, o padre também afirmou que “a negação do demônio é contrária ao testemunho bíblico e ao Magistério da Igreja, como muitos Papas recordaram recentemente”.

Fonte: https://www.acidigital.com/noticias/como-saber-quando-e-necessario-um-exorcista-99852

Be Sociable, Share!

Sobre Prof. Felipe Aquino

O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
Adicionar a favoritos link permanente.