Como fazer uma boa meditação?

A oração mental é fundamental para a nossa vida interior; é como a respiração da alma; sem ela a alma não tem intimidade com Deus e não cresce em espiritualidade. Corre o risco de cair num ativismo inócuo, cansativo e estéril. Muitos cristãos não crescem na sua fé, na esperança e na caridade, porque não entram nesta intimidade com Deus.

Só Deus pode nos aperfeiçoar na vida espiritual e nos santificar, pois só Ele nos conhece e sabe do que precisamos, e sabe agir em nós.

Mas, para isso, é preciso estar com Ele. Ter tempo para Ele. Ser seu amigo íntimo. Como disse Dom Baptiste Chautard, em sua obra “A alma de todo apostolado”: “buscar mais o Senhor das obras, do que as obras do Senhor!”.

Então, é preciso se esforçar para se aplicar a oração mental durante certo tempo todo dia, para aprender a rezar de verdade, com o coração em Deus.

Santa Teresa de Ávila (†1582), Doutora da Igreja, fundadora das Carmelitas Descalças, e grande mestra de vida espiritual, nos deixou um bom método para isso. Ela disse que a oração “é um trato amigável no qual a alma fala muitas vezes intimamente com Aquele de quem se sabe amada”.

Leia também: A Oração Mental

O mantra na meditação cristã

Métodos da Meditação Cristã

A autêntica meditação cristã

Ela salienta especialmente a marca afetiva da oração mental: é um “trato amigável” entre a alma e Deus, com quem se fala.

Esta intimidade é fruto do amor. A Santa lembra que a alma deve dar-se conta da existência do amor de Deus para com ela.

Diz que na oração mental há de existir o exercício da inteligência e o da vontade: a inteligência busca compreender que Deus ama a Sua criatura e deseja ser amado por ela; e a vontade, respondendo ao convite divino, ama.

Como pôr em prática isso? É o papel do método teresiano.

Para falar intimamente com Deus é preciso, antes de tudo, o contato com Ele e, para isso, servirá a “preparação”: pôr-se na presença de Deus, orientando-se para Ele por meio de um bom pensamento. Certamente será necessário um local de paz e de silêncio.

São Francisco de Sales, também Doutor, recomenda começar pedindo a Deus o perdão dos próprios pecados.

Para se convencer do amor que Deus nos tem, devemos escolher uma reflexão baseada em uma verdade de fé, capaz de manifestar-nos esse amor; e para isso pode-se recorrer à leitura de um texto apropriado, de um bom livro, da vida de um santo, etc.. Os mistérios da vida e paixão de Nosso Senhor são os melhores para nos aproximar do Seu amor. Mas, não basta ler; é necessário aprofundar, e isto faz-se por meio da reflexão, da meditação. Mergulhar no mistério de Deus…

Dos bons pensamentos colhidos na meditação, deve nascer, espontaneamente, em nosso coração e nos nossos lábios, palavras de afeto. E assim começamos a conversa íntima com Deus, confessando-lhe o nosso amor de muitos modos, dizendo que O queremos amar, que queremos progredir no Seu santo amor, que queremos provar-Lhe o amor por obras, fazendo a Sua santa vontade. E assim, chegamos ao centro, ao coração da oração.

Nessa intimidade com Deus nasce espontaneamente a ação de graças, manifestando o nosso reconhecimento pelos benefícios Dele recebidos e Lhe damos graças por eles.

Também como consequência, apresentamos ao Senhor um bom propósito, uma mudança de vida, um gesto de amor.

E convencidos da nossa pequenez e fragilidade imploramos o auxílio de Deus para as nossas necessidades, do nosso trabalho, da nossa família, etc…

Assista também: A importância da Meditação

O que procura um cristão atingir com a Meditação?

Resumindo o método de Santa Teresa:

1. a preparação (estar presença de Deus);

2. a leitura de um bom texto;

3. a meditação do texto;

4. o colóquio com Deus;

5. ação de graças;

6. oferecimento de um bom propósito;

7. a súplica pelas nossas necessidades.

Prof. Felipe Aquino

Be Sociable, Share!

Sobre Prof. Felipe Aquino

O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
Adicionar a favoritos link permanente.