Cardeal Parolin: lamento a perda da fé e da razão na Europa

Segundo o ACI (06/04/2021), o Secretário de Estado do Vaticano, cardeal Pietro Parolin, expressou em entrevista sua preocupação com a perda de fé e razão na Europa; Ele também falou sobre sua relação com o Papa Francisco, seu papel na diplomacia pontifícia e outras questões.

“Lamento muito a perda de fé em nossa Europa, em nossa cultura, em nossos países, e por essas mudanças antropológicas que estão levando à perda da identidade da pessoa humana. Antes da perda de fé, eu diria que é uma perda de razão”, disse o cardeal Parolin, em referência à lei de eutanásia aprovada na Espanha há algumas semanas.

“Por quê? O Papa diz tantas vezes. Fiquei muito chocado. Diz, por exemplo: a questão do aborto não é uma questão religiosa. É certamente também para nós cristãos desde o início, desde os primeiros documentos da Igreja há uma rejeição total do aborto, mas é um argumento da razão. Provavelmente hoje, como disse Bento XVI, o problema fundamental é a razão, não a fé”, acrescentou em entrevista publicada na segunda-feira, 5 de abril, no COPE.

Sobre como essa situação pode ser revertida, ele disse que a fé deve ser transmitida novamente através de depoimentos.

“Temos que testemunhar nossa esperança, temos que testemunhar nossa caridade. Mas a linha é essa. Hoje nada pode ser imposto, mas oferecido a partir de uma testemunha coerente e convencida da vida cristã”, disse ele.

O Purpurado acredita que a situação atual pode ser comparada “com os primeiros séculos da Igreja, quando os apóstolos e os primeiros discípulos chegaram em uma sociedade que não tinha valores cristãos, mas através do testemunho das primeiras comunidades eles conseguiram mudar a mentalidade e introduzir os valores do evangelho na sociedade da época”.

“Acho que esse é o caminho que temos que fazer hoje ainda”, disse ele.

A proximidade do Papa Francisco

Durante a entrevista, o Cardeal Parolin também destacou a proximidade do Papa Francisco. “Quando você se aproxima” do Pontífice, percebe que é um homem simples, sem protocolos”, disse ele.

“O contato é imediato. Cuida muito bem da relação e da proximidade com as pessoas. Seu desejo é tornar a Igreja mais crível na proclamação do evangelho”, disse ele.

Ele também disse que ambos acreditam em uma Igreja que é comunhão e não uma espécie de assembleia democrática.

“Cristo orou pela unidade da Igreja, mas agora há razões para preocupar-nos. Eu pensei que o problema era provavelmente que o Papa colocasse muita ênfase na reforma da Igreja e há muita confusão sobre esta questão. A estrutura da Igreja é o depósito da fé, dos sacramentos e do ministério apostólico, e isso não pode ser mudado, mas há toda uma vida da Igreja que pode ser renovada, mas sempre de acordo com o espírito do Evangelho”, explicou.

Sua vida como Secretário de Estado do Vaticano

O Purpurado, que serviu por oito anos como Secretário de Estado da Santa Sé, observa que “aceitou com prazer” o cargo, e indicou que a diplomacia eclesiástica também é uma forma de exercer o sacerdócio.

“Ainda me sinto chamado para ser padre, um ministro do Senhor que trabalha na Igreja para almas. Existem diferentes maneiras de exercer o sacerdócio, e uma delas é a diplomacia eclesiástica que a Igreja ainda considera hoje como uma forma de exercer sua missão, então nunca encontrei uma contradição entre ser padre e diplomata”, disse na entrevista.

O Cardeal Parolin explicou que sua principal missão é “fortalecer os laços entre a Santa Sé e as igrejas locais”.

“Estamos a serviço da comunhão e também da defesa da liberdade da Igreja e da liberdade religiosa. Essa é a minha maneira de considerar a diplomacia”, disse ele.

Política internacional

O Cardeal Parolin também se referiu ao acordo provisório assinado entre a Santa Sé e a República Popular da China, para a nomeação de bispos no país asiático.

O acordo foi anunciado em setembro de 2018 e renovado em outubro de 2020, mas os termos do acordo nunca foram totalmente divulgados.

O Purpurado afirmou na entrevista que “a Igreja na China é uma parte fundamental da Igreja Católica e tudo o que foi tentado e tentado é garantir uma vida normal na igreja do país, para obter espaços de liberdade religiosa e comunhão, porque você não pode viver na Igreja Católica sem comunhão com o sucessor de Pedro, com o Papa”.

Além disso, ele se referiu à histórica viagem do Pontífice ao Iraque de 5 a 8 de março, que ele chamou de “muito emocionante”.

“A Igreja sofreu porque os cristãos, infelizmente, foram perseguidos por todos os conflitos e por todas as forças que querem arrancar a fé cristã naquele país. A partir daí, podemos tirar uma grande lição dos cristãos iraquianos”, disse ele.

Além disso, ele acredita que deveria haver “mais solidariedade, mais proximidade e mais formas de expressar nosso apoio e ajudar a seguir em frente”; porque “eles nos ensinam essa habilidade de sermos fiéis apesar de todas as dificuldades.”

Ao final da entrevista, o Cardeal Parolin pediu que nesta segunda-feira de Páscoa “todos nos unamos em oração para que o Senhor possa nos ajudar a ser fiéis à nossa missão, cada um em seu lugar, mas para sermos fiéis na missão de testemunhar o Evangelho”.

O Cardeal Pietro Parolin nasceu em 17 de janeiro de 1955 e é Secretário de Estado do Vaticano desde 15 de outubro de 2013.

Aos 14 anos, ele entrou no Seminário de Vicenza e foi ordenado padre em 27 de abril de 1980. Estudou direito canonico na Universidade Gregoriana e em 1983 começou a Pontifícia Academia Eclesiástica. No final, ele realizou serviço diplomático para a Santa Sé nas nunciaturas da Nigéria e do México.

São João Paulo II nomeou-o em 2002 subsecretário da seção de relações com os Estados da Secretaria de Estado do Vaticano e Bento XVI nomeou-o em 2009, apostólico núncio na Venezuela, cargo que ocupou até que o Papa Francisco o nomeou Secretário de Estado em 2013.

Fonte: https://www.acidigital.com/noticias/cardeal-parolin-lamento-a-perda-da-fe-e-da-razao-na-europa-89520

Be Sociable, Share!

Sobre Prof. Felipe Aquino

O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
Adicionar a favoritos link permanente.