Cardeal Müller: o Cristianismo conhece a natureza humana e seus reais direitos

Em entrevista ao Kath.net, o cardeal alemão também tratou dos limites da ciência moderna para conhecer o homem.

Segundo o site Gaudium Press (28/09/2021), Marco Tosatti publicou, em seu blog italiano, uma entrevista concedida pelo cardeal Gerhard Müller, ex-prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, à Kath.net, da qual reproduzimos alguns textos específicos sobre direitos humanos e direito natural.

O cardeal afirma que, antes de falar em direitos humanos, a questão fundamental é: “o que é o homem?” A esta pergunta, a tradição judaico-cristã responde que “a natureza especial do ser humano está enraizada em ser criado à imagem e semelhança de Deus”. “O ser humano existe e vive com Deus numa relação universal, relativamente dada e que transcende o mundo”.

Deus é a origem e o fim de todos os seres, e estes encontram sua explicação na Razão Divina.

Contrariamente à visão cristã, e mesmo à visão aristotélica do Deus-Logos, “a ciência natural moderna – metodicamente limitada à forma de pensamento matemático-geométrico e ao vínculo causal mecânico – permanece apenas um enigma impenetrável para o universo como um todo e para a origem da vida, bem como a unicidade da razão humana que transcende a si mesma em direção do ser como tal”. A ciência, portanto, não explica as questões mais profundas do homem, e acaba sendo um niilismo, “isto é, a experiência negativa e a opinião desesperada de que o ser carece de sentido e propósito, e que o homem é ridicularizado em sua busca do senso do ser e da orientação de suas ações para o bem ”.

O homem, criado à imagem e semelhança de Deus, é uma unidade de corpo e alma, e o corpo, entendido também como criação, define a nossa natureza, que é a natureza do homem ou da mulher. Quando isso não é levado em consideração – a relação de nossa natureza com Deus nem as condições específicas de cada natureza – busca-se uma “autodeterminação absoluta, cada um construindo para si ‘direitos humanos’, ideológica e politicamente propagados e legalmente aplicáveis a mudança de sexo, para o ‘casamento com pessoa do mesmo sexo’, (…) ou para suicídio assistido”.

Ao contrário, para o Cristianismo, os direitos humanos são direitos naturais, intrínsecos à natureza do homem, tal como a natureza verdadeiramente é.

Sim, existe uma razão comum a todos os homens

Mas, Kath.net pergunta: “Pode-se ainda falar de uma natureza única, definida em todos os lugares da mesma maneira, para querer justificar os direitos naturais? Ou a definição de natureza, entretanto, não é universalmente vinculativa, mas sim uma consequência dos desenvolvimentos naturais e culturais, que não são definidos uniformemente no mundo? “

A essa pergunta responde o Cardeal Müller: “A mesma razão existe em todos os lugares, inclusive é expressa em diferentes idiomas. Em todos os lugares o homem tem cultura, embora de diferentes formas e qualidades. Segundo suas possibilidades reais, o homem é um ser de andar ereto, mesmo que o recém-nascido ainda não possa andar ou o doente e o idoso sofra com o problema da curvatura do corpo. Os mesmos princípios de lógica existem em todos os lugares, mesmo que as consequências variem culturalmente”.

“A Igreja Católica existe em diferentes culturas e, em uma comunidade mundial, une personagens completamente opostos na mesma fé, na mesma liturgia. A diversidade na realização da humanidade não impede a visão de que somos, em todo o caso, irmãos e irmãs da mesma família e devemos isso ao único Deus e Pai de todos, que nos criou não como uma massa cinzenta, mas na beleza da diversidade individual ”, destacou o Cardeal.

Fonte: https://gaudiumpress.org/content/cardeal-muller-o-cristianismo-conhece-a-natureza-humana-e-seus-reais-direitos/

Be Sociable, Share!

Sobre Prof. Felipe Aquino

O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
Adicionar a favoritos link permanente.