Assim João Paulo II reagiu aos atentados terroristas de 11 de setembro

Segundo o ACI, há 17 anos, em 11 de setembro de 2001, o então diretor da Sala de Imprensa do Vaticano, Joaquín Navarro-Valls deu a São João Paulo II a notícia de que um grupo de terroristas muçulmanos havia lançado dois aviões contra o World Trade Center de Nova York, nos Estados Unidos.

Em uma entrevista concedida ao jornal ‘Vatican Insider’ em 2011, Navarro-Valls expressou que, quando telefonou ao Santo Padre, ele estava em Castel Gandolfo, a residência de verão dos Pontífice.

Ao dar-lhe a notícia, o Papa peregrino “estava profundamente abalado, entristecido. Recordo que se perguntava como um ataque tão malvado pôde acontecer. Sua consternação diante das imagens ia além da dor”.

“Ficou durante um momento em frente à televisão. Depois, retirou-se à capela, que estava a alguns passos do quarto onde estava a televisão, e ficou ali rezando por muito tempo”, contou.

Navarro-Valls comentou que São João Paulo II quis se comunicar com George Bush, o então presidente dos Estados Unidos, para lhe expressar “seu apoio, sua dor, suas orações. Mas, por razões de segurança, estava voando no avião presidencial. Então, o Papa decidiu enviar um telegrama imediatamente”.

No dia seguinte, na Audiência Geral de 12 de setembro, o Santo Padre disse: “Diante de acontecimentos de um horror tão inqualificável, não podemos deixar de ficar profundamente inquietos. Uno-me a quantos nestas horas expressaram a sua condenação indignada, afirmando de novo com vigor que os caminhos da violência nunca conduzem para as verdadeiras soluções dos problemas da humanidade”.

“Ontem foi um dia obscuro na história da humanidade, uma ofensa terrível contra a dignidade do homem. Logo que tomei conhecimento da notícia, acompanhei com intensa participação o desenvolvimento da situação, elevando ao Senhor a minha premente oração. Como podem verificar-se episódios de crueldade tão selvagem?”, perguntou-se.

Nesse sentido, refletiu que “o coração do homem é um abismo de que, às vezes, emergem desígnios de ferocidade inaudita, capazes de abalar de repente a vida serena e operosa de um povo. Todavia, nestes momentos em que todo o comentário parece ser inoportuno, a fé vem ao nosso encontro”.

“A palavra de Cristo é a única que pode dar uma resposta às interrogações que se agitam na nossa alma. Mesmo quando a força das trevas parece prevalecer, o crente sabe que o mal e a morte não são a última palavra. A esperança cristã fundamenta-se nisto; e é aí que se alimenta, neste momento, a nossa confiança orante”, disse São João Paulo II.

Naquele dia, o Pontífice também expressou sua proximidade aos familiares das vítimas e indicou que ofereceu a Missa que celebrou naquela manhã pela alma de todos os que faleceram na tragédia.

Os atentados

Em 11 de setembro de 2001, o grupo terrorista Al Qaeda sequestrou aviões comerciais nos Estados Unidos. Dois deles foram lançados contra as Torres Gêmeas, no World Trade Center, provocando a completa destruição desses edifícios.

Os terroristas sequestraram outros dois aviões, um dos quais impactou em uma das paredes do Pentágono, na Virgínia, e o outro caiu em campo aberto.

Como resultado dos atentados, cerca de três mil pessoas morreram e outros seis mil ficaram feridas.

O lugar onde estavam os edifícios foi rebatizado desde então como Marco Zero ou Ground Zero. O Papa Bento XVI o visitou em abril de 2008, para rezar pelas vítimas desses trágicos acontecimentos.

O Papa Francisco também foi a este memorial em 25 de setembro de 2015, durante sua visita apostólica aos Estados Unidos.

Fonte: https://www.acidigital.com/noticias/assim-joao-paulo-ii-reagiu-aos-atentados-terroristas-de-11-de-setembro-80356

Sobre Prof. Felipe Aquino

O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
Adicionar a favoritos link permanente.