As crianças que morrem se tornam anjos?

Em meio à dor pela morte de uma criança pequena, costuma ser uma frase de consolo que “se tornou um anjinho”. Mas, isso é verdade?

Pe. Samuel Bonilla, conhecido nas redes sociais como “Padre Sam”, explicou em seu site que, “por muito melhor que seja a intenção que tenhamos” ao dizer que as crianças se tornam anjinhos, “isso não acontece”.

Leia também: Quem são os Anjos?

Por que as crianças inocentes sofrem?

O que há depois da morte?

Qual a missão dos Anjos?

A existência dos Anjos

“As crianças que morrem não se tornam ‘anjinho’”, sublinhou.

O sacerdote indicou que “os anjos já foram criados desde o início” e destacou que “os anjos são seres espirituais, não corporais, criados desde o início do mundo”.

Padre Sam sublinhou que “não se pode mudar a natureza. Cada um de nós tem uma natureza, a humana. Por sua parte, a natureza dos anjos é espiritual”.

Para o sacerdote, “os que afirmam isso, seguramente (espero) não o fazem com má intenção, mas no sentido de que é alguém que não se contaminou com o pecado, mas se somos claros na doutrina, ‘o tornar-se anjo’ não acontece”.

“Quando uma criança morre não se torna um anjinho, pois sua natureza é diferente da de um anjo. Isso não exclui que seja alguém inocente, sem culpa”, indicou.

Fonte: https://www.acidigital.com/noticias/as-criancas-que-morrem-se-tornam-anjos-64693

Be Sociable, Share!

Sobre Prof. Felipe Aquino

O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
Adicionar a favoritos link permanente.