A Missa é a Missa, “seja lá como for”?

Sim, a Sagrada Eucaristia é sempre a Sagrada Eucaristia, mas e nós? Estamos nos acercando deste augusto mistério com a reverência, o temor, a concentração e a efusão de beleza devidas ao Santíssimo Sacramento?

É comum que os católicos amantes da liturgia tradicional — ou que pelo menos desejam ver a moderna celebrada em clara continuidade com a precedente — ouçam de algumas pessoas algo parecido com isto:

Você está fazendo muito caso de coisas marginais. Não importa a forma ou o estilo, é a mesma Eucaristia, não? No latim ou em língua vernácula, Tridentina ou Novus Ordo, cantada ou rezada, em um auditório na América ou em uma catedral na Europa, a Eucaristia ainda está presente, e ainda somos alimentados por ela. Comparado a isso, nada mais realmente importa, não acha? O resto é acidental, externo, discutível, mutável. Na verdade, alguém que se prende a cerimônias, rubricas, cantos e por aí vai, só demonstra estar alheio ao que é essencial. Afinal de contas, seja como for, a Missa é a Missa.

O problema com essa forma de pensar é que ela subestima radicalmente quer a influência que tem sobre aquilo em que cremos o modo como adoramos (lex orandi, lex credendi), quer a disposição em que nos é capaz de colocar para receber Nosso Senhor um espírito correto de adoração e humildade. Ela reflete a antropologia materialista moderna onde nada importa a não ser “finalizar o trabalho”; se ele é feito de maneira nobre ou medíocre parece não fazer a mínima importância. Ela demonstra, ainda, uma incrível ingenuidade quanto à sutil interseção da economia sacramental com a psicologia humana. E representa, por fim, uma ruptura com vinte séculos de pensamento e prática católicas.

Leia também: A diferença que a missa faz

O que descobri quando participei pela primeira vez da Missa

5 razões para se animar a ir à Missa todos os dias

8 dicas para aproveitar melhor a missa

O sentido da Santa Missa

A Missa na Bíblia

Sim, a Sagrada Eucaristia é sempre a Sagrada Eucaristia, mas e nós? Estamos nos acercando deste augusto mistério com a reverência silenciosa, o temor vivo de Deus, a solene concentração e a generosa efusão de beleza que são devidas ao Sanctissimum? E se não estamos, por que não o fazemos? O que isso diz a respeito da pureza da nossa fé e do ardor da nossa caridade? Teriam os sagrados mistérios cessado de nos impressionar, de nos encher de admiração, de nos colocar de joelhos, de requerer o melhor da nossa cultura? Com quem temos brincado — com Deus ou com nós mesmos?

A Missa é sempre a Missa no que diz respeito à confecção da Eucaristia, mas uma Missa que tem como marca a reverência e a solenidade é muito diferente para nós e para o nosso relacionamento com Deus do que uma Missa rápida e insípida, ou uma que seja longa e cheia de abusos. Na verdade, se deformamos demais os aspectos ditos “externos” da Missa, terminamos por minar nossa fé na presença real de Jesus na Eucaristia.

O Santíssimo Sacramento é o maior tesouro da Igreja, o seu dom mais precioso, o seu maior mistério, a sua maior fonte de prodígios, o seu segredo mais privilegiado. É o coração pulsante de toda a sua vida apostólica e contemplativa. E o santo sacrifício da Missa é o único meio através do qual esse dom chega até nós, renovado para cada geração de discípulos. Desonre a Santa Missa ou abuse dela, faça-a parecer menos bela e misteriosa do que ela é, e você estará tirando a honra e abusando de ninguém menos que Aquele que vem até nós, e só através dela; você estará deformando a fé e os fiéis.

A música sacra é a veste da palavra — e que bela veste ela deve ser, para ser digna dessa divina pronúncia! O templo é o lugar em que Nosso Senhor eucarístico vem fazer sua morada: Emanuel, Deus conosco. Também ele deve parecer o que de fato é, sem lugar a confusões. Paramentos, objetos, ações rituais — em suma, tudo o que diz respeito à ação litúrgica — devem ser como o Corpo e o Sangue de Cristo: santo, sagrado, separado. Tudo o que não é o Senhor deve ser o seu trono visível, o seu domínio sagrado, belo, solene e admirável, a fim de que tomemos consciência: estamos recebendo nosso Rei quando Ele vem ao seu Reino.

Por isso, na próxima vez que alguém lhe disser: “A Missa é a Missa, seja lá como for”, considere responder assim: “Jesus não é só Jesus, Ele é o Filho de Deus, o Rei de todas as coisas, o Juiz dos vivos e mortos; e a Missa não é só a Missa, ela é o santo sacrifício do Calvário presente de novo em nosso meio. E assim como qualquer pessoa sã cairia de joelhos diante de Jesus e daria a Ele o melhor possível de si, nós todos devemos fazer o mesmo com o santo sacrifício da Missa, durante o qual nós verdadeiramente nos prostramos diante do Senhor do céu e da terra — e isso é o mínimo que se deve exigir de todo sacerdote e leigo católico que ousar colocar os seus pés em uma igreja”.

Fonte: https://padrepauloricardo.org/blog/a-missa-e-a-missa-seja-la-como-for

Be Sociable, Share!

Sobre Prof. Felipe Aquino

O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
Adicionar a favoritos link permanente.