A Intercessão dos Santos e a Oração pelos Mortos na História da Igreja

SantosNo século III já havia plenamente a certeza da intercessão dos santos diante de Deus, o dogma da Comunhão dos Santos; a Igreja sofredora da terra estava unida à vencedora no céu.

O culto dos mártires começou neste tempo e desabrochou no século IV. Tertuliano (†220), incentivando o amigo Ambrósio a confessar a fé, escreve-lhe que depois da morte, ele poderá pedir pelos seus “de um modo mais eficaz do que durante a vida”. Em Alexandria, a pequena mártir Potamina, diz ao soldado Sasílides que a levou ao suplício, que depois de morta intercederá por ele junto do Senhor e que virá buscá-lo para fazer dele um santo. E São Cipriano pedia aos que iam sofrer o martírio que não se esquecessem dele quando entrassem na glória.

Da mesma forma brotou a certeza da oração pelo sufrágio das almas dos falecidos; Tertuliano deixou escrito:

intercessao_culto_santos“A esposa roga pela alma de seu esposo e pede para ele refrigério, e que volte a reunir-se com ele na ressurreição; oferece sufrágio todos os dias aniversários de sua morte” (De monogamia, 10). “Durante a morte e o sepultamento de um fiel, este fora beneficiado com a oração do sacerdote da Igreja” (De anima 51; Apud Revista PR, 264, 1982, pp. 50-51).

São Cipriano (†258), bispo de Cartago, refere-se à oferta do sacrifício eucarístico em sufrágio dos defuntos como costume recebido da herança dos bispos, seus antecessores (cf. epist. 1,2). Nas suas epístolas é comum encontrar a expressão: “oferecer o sacrifício por alguém ou por ocasião dos funerais de alguém” (Revista PR, 264, 1982, pp. 50-51). Falando da vida de Cartago, no século III, afirma Vacandart:

“Podemos de certo modo conceber o que terá sido a vida religiosa de Cartago em meados do século III. Aí vemos o clero e os fiéis a cercar o altar, […] ouvimos os nomes dos defuntos lidos pelo diácono e o pedido de queo bispo ore por esses fiéis falecidos; vemos os cristãos […] voltar para casa reconfortados pela mensagem de que o irmão falecido repousa na unidade da Igreja e na paz do Cristo” (Revue de Clergé Français 1907 t. Lil 151; Apud Revista PR, 264).

Leia também: As orações pelos mortos

Os Santos Doutores falam da Intercessão dos Santos

Qual o valor da intercessão dos santos?

Mas por que você não reza aos santos?

Que significa rezar pelos mortos?

Nos séculos seguintes essa crença vai ser sedimentada. São João Crisóstomo (349-407), bispo e doutor da Igreja de Constantinopla, afirma:

os_dogmas_da_fe

“Levemos-lhe socorro e celebremos a sua memória. Se os filhos de Jó foram purificados pelos sacrifícios de seu pai (Jó 1,5), porque duvidar que as nossas oferendas em favor dos mortos lhes leva alguma consolação? Não hesitemos em socorrer os que partiram e em oferecer as nossas orações por eles” (Hom. 1Cor 41,15).

“Os Apóstolos instituíram a oração pelos mortos e esta lhes presta grande auxílio e real utilidade” (In Philipp. III 4, PG 62, 204. PR, 264).

São Cirilo, bispo de Jerusalém (†386) escreveu:

“Enfim, também rezamos pelos santos Padres e Bispos e defuntos e por todos em geral que entre nós viveram; crendo que este será o maior auxílio para aquelas almas, por quem se reza, enquanto jaz diante de nós a santa e tremenda vítima”.

“Da mesma forma, rezando nós a Deus pelos defuntos, ainda que pecadores, não lhe tecemos uma coroa, mas apresentamos Cristo morto pelos nossos pecados, procurando merecer e alcançar propiciação junto a Deus clemente, tanto por eles como por nós mesmos”.

“Em seguida [na Oração Eucarística], mencionamos os que já dormiram: primeiro os Patriarcas, Profetas, Apóstolos, Mártires, para que Deus em virtude de suas preces e intercessões, receba nossa oração. Depois, rezamos pelos nossos santos pais e bispos falecidos, e em geral por todos os que já dormiram antes de nós. Acreditamos que esta oração aproveitará sumamente às almas pelas quais é feita, enquanto repousa sobre o altar a santa e tremenda vítima” (Catequeses Mistagógicas. 5, 9, 10, Ed. Vozes, 1977, p. 38).

Santo Epifânio (†403), bispo da ilha de Chipre, escreveu:

“Sobre o rito de ler os nomes dos defuntos (no sacrifício) perguntamos: que há de mais nisso? Que há de mais conveniente, de mais proveitoso e mais admirável que todos os presentes creiam viverem ainda os defuntos, não deixarem de existir, e sim existirem ao lado do Senhor? Com isso se professa uma doutrina piedosa: os que oram por seus irmãos defuntos abrigam a esperança (de que vivem), como se apenas casualmente estivessem longe. E sua oração ajuda aos defuntos, mesmo se por elas não fiquem apagadas todas as dívidas […]. A Igreja deve guardar este costume, recebido como tradição dos Pais […]. Com isto, se ensina que o Pai, o Deus unigênito e o Espírito Santo, tanto por escrito como sem escritura, nos deram doutrinas, e que nossa Mãe, a Igreja, nos legou preceitos, os quais são indissolúveis e definitivos” (Adv. haer. 75, c. 8: PG 42, 514s; PR, 264).

Nas Atas de Santa Perpétua de Cartago, do início do século III, mártir, na África, ela aparece orando por seu irmão Dinócrate, o qual morrera jovem: pedia que ele fosse transferido do lugar de padecimento em que se achava, para um “lugar de refrigério, de saciedade e de alegria”. Finalmente, viu Dinócrate, de coração puro, revestido de bela túnica, a gozar de refrigério, saciedade e alegria, como uma criancinha que sai da água e se dispõe a brincar (Passio, Santa Perpétua VIIs; PR, 264).

o_cristao_diante_da_morteOs “Cânones de Santo Hipólito” (160-235), que se referem à Liturgia do século III, contém uma rubrica sobre os mortos:

“[…] caso se faça memória em favor daqueles que faleceram […]” (Canones Hippoliti, em Monumenta Ecclesiae Liturgica; PR, 264).

O bispo Serapião de Thmuis (século IV), no Egito, compôs uma coletânea litúrgica, aonde se pode ver a intercessão pelos irmãos falecidos:

“Por todos os defuntos dos quais fazemos comemoração, assim oramos: ‘Santifica essas almas, pois Tu as conheces todas; santifica todas aquelas que dormem no Senhor; coloca-as em meio às santas Potestades (anjos); dá-lhes lugar e permanência em teu reino’” (Journal of Theological Studies t. 1, p. 106; PR, 264).

“Nós te suplicamos pelo repouso da alma de teu servo (ou de tua serva) N., dá paz a seu espírito em lugar verdejante e aprazível, e ressuscita o seu corpo no dia que determinaste” (PR, 264).

As Constituições Apostólicas, do fim do século IV, redigidas com base em documentos bem mais antigos, no livro VIII da coleção, diz:

“Oremos pelo repouso de N., afim de que o Deus bom, recebendo a sua alma, lhe perdoe todas as faltas voluntárias e, por sua misericórdia, lhe dê o consórcio das almas santas” (Idem).

Confirmando toda essa tradição, em todas as missas, em qualquer das formas da Oração Eucarística, a Igreja ora pelas almas. E o Catecismo da Igreja Católica confirma tudo isso:

“Reconhecendo cabalmente esta comunhão de todo o corpo místico de Jesus Cristo, a Igreja terrestre, desde os tempos primeiros da religião cristã, venerou com grande piedade a memória dos defuntos […]”.

“A nossa oração por eles [no Purgatório] pode não somente ajudá-los, mas também torna eficaz a sua intercessão por nós” (CIC §958).

O Papa João Paulo II reafirmou essa doutrina segura:

“Numa misteriosa troca de dons, eles [no Purgatório] intercedem por nós e nós oferecemos por eles a nossa oração de sufrágio” (LR, 08 de novembro de 1992, p. 11).

historia_da_igreja

“[…] a sua recordação [dos defuntos] faz parte da nossa existência, mas, sobretudo porque as suas almas intercedem por nós junto de Deus” (LR, 02 de novembro de 1994).

Dessa certeza surgiu o dia de Finados, celebrado no dia 2 de novembro. A todos os que morreram “no sinal da fé” a Igreja reserva um lugar importante na Liturgia: há uma lembrança diária na Missa, com o Memento (= lembrança) dos mortos, e no Ofício divino. No dia de Finados a Igreja autoriza que cada sacerdote possa celebrar três Missas em sufrágio das almas pelos falecidos. Essa foi uma concessão do Papa Bento XV em 1915, quando durante a Primeira Guerra Mundial, julgou oportuno estender a toda Igreja este privilégio de que gozavam a Espanha, Portugal e a América Latina desde o século XVIII.

A comemoração oficial dos falecidos é devida ao abade de Cluny, Santo Odilon, em 998, mas, muito antes, em toda parte se celebrava a festa de todos os santos e o dia seguinte era dedicado a memória dos fiéis falecidos. Em Roma, em 1311, foi sancionada oficialmente a memória dos falecidos.

Retirado do livro: “História da Igreja – Idade Antiga”. Prof. Felipe Aquino. Ed. Cléofas.

Sobre Prof. Felipe Aquino

O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
Adicionar a favoritos link permanente.