A Igreja é minoria no mundo inteiro, diz o papa aos católicos da Grécia

O ACI Digital publicou no último dia 4 de novembro a seguinte notícia:

Ser minoria, e no mundo inteiro a Igreja é minoria, não significa ser insignificante, mas percorrer o caminho aberto pelo Senhor, que é o da pequenez: da kenósis, da humilhação”, disse ao papa Francisco aos bispos, padres, religiosos e catequistas católicos, uma pequena minoria no país de maioria ortodoxa reunidos na catedral de Atenas. A catedral é dedicada a São Dionísio, o Areopagita, o primeiro bispo da cidade, assim chamado por ter sido convertido ao cristianismo pelo discurso de São Paulo no Areópago.

O papa foi recebido na entrada principal pelo arcebispo de Atenas, o jesuíta Theodoros Kontidis. Dom Sevastianos Rossolatos, arcebispo emérito de Atenas e presidente da Conferência Episcopal da Grécia foi o primeiro a discursar.

Depois de ouvir alguns testemunhos, o papa pronuncfez o seu discurso.

«Estou feliz por vos encontrar numa terra que é uma dádiva, um patrimônio da humanidade sobre a qual foram construídos os alicerces do Ocidente. Somos todos filhos e devedores do vosso país: sem poesia, sem literatura, sem filosofia e sem a arte desenvolvidos aqui, não poderíamos conhecer muitas facetas da existência humana, nem responder a muitas questões interiores sobre a vida, o amor, a dor e a morte”, disse o Papa.

Francisco passou a falar, então de são Paulo. A primeira atitude do apóstolo que ressalta é a confiança. Paulo é “colocado nas cordas” no Areópago, consideram-no um charlatão, diz o papa.

«Paulo não vive, portanto, um momento de triunfo cumpre a missão em condições difíceis. Talvez, em muitos momentos do nosso caminho, também nós sintamos o cansaço e por vezes a frustração de sermos uma pequena comunidade, ou uma Igreja com poucas forças que se move num contexto nem sempre favorável. Medite na história de Paulo em Atenas. Ele estava sozinho, em minoria e com poucas possibilidades de sucesso. Mas não se deixou dominar pelo desânimo, não desistiu da sua missão. não se deixou cair na tentação de reclamar. Esta é a atitude do verdadeiro apóstolo: avançar com confiança, preferindo a inquietação das situações inesperadas ao hábito e à repetição. Paulo tem essa coragem “.

“Nós, como Igreja, não somos obrigados a ter o espírito de conquista e vitória, a magnificência de um grande número, o esplendor mundano. Tudo isso é perigoso. É a tentação do triunfalismo. Somos solicitados a seguir o exemplo da semente de mostarda, que é pequena, mas cresce humilde e lentamente”, disse o papa.

«Por isso, queridos amigos, gostaria de vos dizer: abençoai a pequenez e acolhei-a”, disse o papa aos católicos, que são cerca de 100 mil num país de 17,5 milhões de habitantes. “Ela vos dispõe a confiar em Deus e só em Deus. Ser minoria – e no mundo inteiro a Igreja é minoria – não significa ser insignificante, mas percorrer o caminho aberto pelo Senhor, que é o da pequenez: da kenósis, da humilhação”.

Em seguida, Francisco sublinhou uma segunda atitude de Paulo para com o Areópago de Atenas. «É a disposição interior necessária à evangelização: não querer ocupar o espaço e a vida do outro, mas semear a boa nova no solo da sua existência, aprendendo antes de tudo a acolher e a reconhecer as sementes que Deus já colocou. o seu coração, antes da nossa chegada. Recordemos: Deus sempre precede a nossa semeadura. Evangelizar não é encher um recipiente vazio, é antes de tudo trazer à luz o que Deus já começou a realizar”, disse o papa. «Mesmo que as ruas de Atenas estivessem cheias de ídolos que o faziam tremer por dentro, Paulo acolhe o desejo de Deus escondido no coração dessas pessoas e com bondade quer dar-lhes a maravilha da fé. O seu estilo não é imponente, mas pró-ativo. Não se baseia no proselitismo, mas na mansidão de Jesus. E isso é possível porque Paulo tem um olhar espiritual sobre a realidade: ele acredita que o Espírito Santo atua no coração do homem, para além dos rótulos religiosos”.

«Também hoje devemos ter uma atitude de acolhimento, um estilo de hospitalidade, um coração animado pelo desejo de criar comunhão entre as diferenças humanas, culturais e religiosas. O desafio é elaborar a paixão pelo todo, que conduz – Católicos , Ortodoxos, irmãos e irmãs de outros credos – para ouvir uns aos outros, para sonhar e trabalhar juntos, para cultivar a “mística” da fraternidade “, pensa Francisco.

Depois desse encontro, Francisco foi à Nunciatura Apostólica para um encontro privado com os Membros da Companhia de Jesus.

Fonte: https://www.acidigital.com/noticias/a-igreja-e-minoria-no-mundo-inteiro-diz-o-papa-aos-catolicos-da-grecia-85312

Be Sociable, Share!

Sobre Prof. Felipe Aquino

O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
Adicionar a favoritos link permanente.