A história da Cruz de Caravaca: O pedaço do madeiro onde Jesus foi crucificado

Segundo a tradição da Igreja, a Cruz de Caravaca é um “lignum crucis” ou fragmento da Vera Cruz, um pedaço do madeiro e da relíquia de primeira classe pertencente ao madeiro no qual Jesus Cristo foi crucificado, relíquia encontrada por Santa Helena.

Padre Pedro Ballester Lorca, capelão da Real Basílica-Santuário da Vera Cruz de Caravaca (Espanha), contou em 2017 em um escrito publicado pela Universidade Católica de Murcia que esta relíquia é conservada dentro do templo em um relicário em forma de cruz com a parte horizontal dupla e uma parte vertical.

“A importância do símbolo não está no estojo de madeira teca como algumas pessoas acreditavam erroneamente, mas na relíquia contida dentro dele. É uma cruz oriental, patriarcal e peitoral que, segundo a tradição histórica, pertenceu ao patriarca Roberto, primeiro bispo de Jerusalém (no ano 1099). Cento e trinta anos depois o patriarca, sucessor de Roberto, foi o protagonista que carregava a relíquia, a qual dois anos depois estava em Caravaca”, afimrou.

Entretanto, a relíquia havia sido descoberta no século IV por Santa Helena, mãe do imperador Constantino, e foi separada em três pedaços, “o primeiro pedaço foi entregue ao Patriarca de Jerusalém e os dois outros foram trazidos para Constantinopla e Roma”, disse padre Ballester.

Tradição da aparição

A devoção a esta relíquia é do século XIII e vincula os pedaços de madeiro sagrados a duas ordens religiosas da tradição dos Templários (Cavaleiros Templários) e de Santiago, titulares sucessivos do castelo onde se localizava o templo.

A autenticidade dos restos do madeiro foi suficientemente comprovada para que a Igreja lhes concedesse no século XVIII o culto de latria (adoração a Deus).

Segundo a tradição, no dia 3 de maio de 1231, a cidade de Caravaca estava no meio do território da dominação muçulmana e uma cruz com a parte horizontal dupla, a Santa e Vera Cruz, desceu do céu levada por alguns anjos para que um sacerdote, padre Ginés Pérez de Chirinos, preso pelo rei muçulmano Ceyt-Abuceyt, pudesse celebrar missa.

“Nesse instante, entraram pela janela do quarto dois anjos celestiais segurando o lignum crucis e o colocaram no altar. O sacerdote recebeu a Santa Cruz das mãos dos anjos ante a surpresa da corte de Saíd e continuou a celebração”, narrou padre Ballester.

Este grande milagre fez com que o monarca e seus exércitos se convertessem ao cristianismo. Após esse milagre, começou o culto cristão na região, fronteira com o reino islâmico de Granada, que foi o último a cair e com o qual em 1492 terminou a dominação muçulmana na península ibérica.

Segundo o capelão, a devoção à Cruz de Caravaca não está “fundamentada somente pela tradição particular de um povo, nem com origem nem trajetória duvidosa, desconectada, marginal e conformado, mas integrada histórica, litúrgica e devocionalmente à comunidade cristã e eclesial”.

Caravaca foi designada cidade santa por São João Paulo II, que lhe concedeu este título por ter sido o cenário do grande milagre.

Fonte: https://www.acidigital.com/noticias/a-historia-da-cruz-de-caravaca-o-pedaco-do-madeiro-onde-jesus-foi-crucificado-18173

Be Sociable, Share!

Sobre Prof. Felipe Aquino

O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
Adicionar a favoritos link permanente.