A era das selfies

Uma típica tentação de vaidade é publicar intimidades, que chamam a atenção ou despertam a curiosidade dos outros. Outra tentação frequente está na febre de selfie, em que as pessoas se expõem cada vez mais, com o desejo feroz de compartilhar seu dia a dia e, se possível, aparecendo em primeiro plano, o que remete imediatamente ao clássico mito grego de Narciso, que foi condenado a viver a ânsia de um amor impossível, ao se apaixonar pela própria imagem. Não parece razoável a presunção de que o gosto em fazer selfie projete as pessoas a encarnar o mito de Narciso. No entanto, essa tendência talvez se deva à necessidade de ser lembradas e de aparecer.

Nessa lógica, a selfie na internet aparece também como um desejo de ser percebido, notado, como aponta o escritor peruano Mario Vargas Llosa, 2013: “Em uma sociedade onde você vale a partir do momento em que se torna visível, a rápida disseminação de uma imagem via redes sociais permite uma imediatez na integração do mundo do consumo, do lazer e da ‘pseudo’ saída do anonimato”.

Leia também: O essencial é invisível aos olhos…

Papa adverte que internet está se tornando uma vitrine do narcisismo

Cultivar a alma mais que o corpo

O culto idolátrico do EU

Uma crítica interessante a essa tendência a postar continuamente fotos pessoais na internet foi retratada no primeiro episódio da terceira temporada do seriado Black Mirror, “Nosedive”, cuja trama ressalta a necessidade universal de exposição potencializada, ao apresentar um mundo em que os indivíduos são avaliados de acordo com o que fazem nas redes. Assim, em toda e qualquer situação, devem fazer uma avaliação imediata acerca daqueles com quem se encontram: quanto maior for a pontuação, mais privilégios conseguem em meio à sociedade. Dessa maneira, o único interesse das pessoas é ser bem avaliadas continuamente, uma vez que o acesso a determinados produtos e serviços é condicionado à nota geral de cada um no aplicativo.

Podemos nos perguntar por que razão pessoas se tornam presas às trocas de mensagens e ao compartilhamento de vídeos, imagens, fotos nas redes sociais. Nada mais do que o desejo de ser conhecidas e observadas pelos outros, receber atenções, ser consideradas com simpatia, satisfação e receber aprovação (ou likes), são vantagens derivadas do uso das redes sociais. É a vaidade que interessa, não o bem-estar ou o resultado positivo.

É a vaidade de contar quantos seguidores temos nas redes sociais, ler com sentimentos de regozijo ou rejeição os comentários aos nossos textos, aos números de acessos aos nossos vídeos. É uma incontida e efêmera sensação de poder, de se sentir prestigiados: vaidade, numa palavra.

Assista também: Quais perigos a internet pode oferecer à nossa vida espiritual?

Live com D. Carlos L. Garcia: O impacto da internet em nossas vidas

Encontramos uma forte advertência a essas atitudes no início do Livro do Eclesiástico:

Eu, o Eclesiastes, fui rei de Israel em Jerusalém e propus no meu coração inquirir e investigar sabiamente todas as coisas que se fazem debaixo do sol… Vi tudo o que se faz debaixo do sol, e eis: tudo era vaidade e aflição de espírito. Os perversos dificilmente se corrigem e o número dos insensatos é infinito (Ecl 1,12-15).

Uma manifestação de sensatez é tratar com especial reserva os dados pessoais ou familiares: ante o exibicionismo imperante no ambiente das redes sociais, devemos ser discretos com essas informações reservadas.

Retirado do livro: Internet e Evangelho – As Tecnologias digitais e a Vida Cristã. Dom Carlos Lema Garcia. Editora Cléofas.

Be Sociable, Share!

Sobre Prof. Felipe Aquino

O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
Adicionar a favoritos link permanente.