A agenda do Papa Francisco para 2019

Segundo o ACI Digital (04/01/2019), a agenda do Papa Francisco para este ano já está cheia de compromissos, entre os quais estão quatro viagens internacionais confirmadas, o encontro mundial dos bispos sobre os abusos na Igreja e o Sínodo para a Amazônia.

JMJ Panamá 2019

De 23 a 28 de janeiro, será a primeira viagem do ano, ao Panamá, para a 34ª Jornada Mundial da Juventude, com o tema “Eis aqui a serva do Senhor. Faça-se em mim segundo a tua palavra”. Este evento acontece após o Sínodo sobre os Jovens realizado em outubro, que propôs relançar o protagonismo dos jovens na Igreja.

Em uma mensagem de vídeo enviada em novembro do ano passado, o Papa convidou os jovens crentes e não crentes a “sair de si mesmo e pôr-se ao serviço dos outros”. “Nossa vida – disse – só encontra sentido no serviço a Deus e ao próximo” e muitos jovens “mostram desejo de ajudar os outros, fazer algo pelos que sofrem”.

É a “força” dos jovens que pode “transformar o mundo” através de uma “revolução do serviço” que pode derrotar os “poderes fortes” desta terra.

Viagem aos Emirados Árabes Unidos

De 3 a 5 de fevereiro Papa Francisco viajará aos Emirados Árabes Unidos, será o primeiro Pontífice a visitar o país. O tema da visita é “Fazei de mim um instrumento de vossa paz”. O evento será centralizado na importância do diálogo inter-religioso e da fraternidade entre os fiéis das várias religiões.

O ano de 2019 foi declarado pelas autoridades dos Emirados “Ano da tolerância”, com o objetivo de promover uma cultura que se afaste de qualquer tipo de fundamentalismo.

O Conselho dos Cardeais e a reforma da Cúria

De 18 a 20 de fevereiro, será realizado no Vaticano a 28ª Reunião do Conselho dos Cardeais: no centro dos trabalhos estará o projeto de revisão da Constituição Pastor Bonus sobre a Cúria Romana. Em dezembro passado, foi entregue ao Santo Padre uma nova proposta da Constituição Apostólica, com o título Praedicate evangelium.

O objetivo é tornar este organismo de governo mais apropriado às exigências de uma Igreja em saída, profundamente missionária.

Encontro mundial dos bispos sobre abusos na Igreja

Um evento muito esperado deste ano acontecerá entre os dias 21 e 24 de fevereiro, sempre no Vaticano, logo depois do Conselho dos Cardeais. . O Papa encontrará todos os presidentes das Conferências Episcopais do Mundo para falar da prevenção dos abusos contra menores e adultos vulneráveis.

Trata-se de um encontro fundamental para a luta contra os abusos de poder, de consciência e sexuais cometidos por expoentes da Igreja. Ao encontrar a Cúria em dezembro passado, Francisco lançou um forte chamado aos que cometem abusos: “convertei-vos, entregai-vos à justiça humana e preparai-vos para a justiça divina”.

Visita ao Marrocos

Nos dias 30 e 31 de março, o Papa irá ao Marrocos depois de 33 anos da histórica vista de São João Paulo II em 19 de agosto de 1985. Na ocasião, o Papa polonês encontrou 80 mil jovens muçulmanos no estádio de Casablanca, um evento que nunca tinha acontecido antes no diálogo entre cristianismo e islã.

A Igreja Católica no Marrocos está organizada em duas arquidioceses, a de Tangiers (de língua espanhola) e a de Rabat (de língua francesa) e tem numerosas obras educacionais e de caridade que atendem a todos os tipos de pessoas sem importar a religião, raça ou língua, mas sempre com a proibição de evangelizar. Como a conversão de um muçulmano a outra religião é proibida, o trabalho pastoral se limita à ação social.

O Papa na terra natal da Madre Teresa

De 5 a 7 de maio, o Papa visitará a Bulgária e a República da Macedônia. Na Bulgária, visitará as cidades de Sofia e Rakovski: o tema da viagem é “Pacem in Terris”, recordando a famosa encíclica de São João XXIII, primeiro Visitador e Delegado Apostólico na Bulgária.

Na República da Macedônia o Papa visitará a cidade de Escópia, cidade natal de Santa Teresa de Calcutá, fundadora das Missionárias da Caridade. O tema da visita, que no logotipo se apresenta em macedônio e inglês, é “Não temas, ó pequeno rebanho” (Lc 12, 32).

Os católicos nesses dois países são, de fato, uma pequena minoria entre os ortodoxos.

A viagem poderia relançar o diálogo com o mundo ortodoxo em um momento difícil para essas Igrejas Orientais, após o nascimento da nova Igreja Ortodoxa Autocéfala Ucraniana, reconhecida pelo Patriarcado Ecumênico de Constantinopla, mas não pela Ortodoxa Russa.

Sínodo para a Amazônia

Entre os encontros importantes de 2019, destaca-se a Assembleia Especial do Sínodo dos Bispos para a região Pan-amazônica que será realizada em outubro. Participam sete Conferências Episcopais e nove países da região amazônica.

Papa Francisco deseja que se discuta o tema: “Amazônia, novos caminhos para a Igreja e para uma Ecologia Integral”. Mas, o encontro não será apenas sobre ecologia: serão tratados importantes temas eclesiais.

Japão também poderia ser um destino do Papa

Já no ano passado, Papa Francisco tinha anunciado a sua vontade de visitar o Japão em 2019: “Espero que seja possível”, disse à Associação japonesa “Tensho Kenoh Shisetsu Kenshoukai”, recordando que há mais de 400 anos, em 1585, quatro jovens japoneses chegaram a Roma, acompanhados por alguns missionários jesuítas, para visitar o então Papa Gregório XIII.

Fonte: https://www.acidigital.com/noticias/a-agenda-do-papa-francisco-para-2019-40228

Be Sociable, Share!

Sobre Prof. Felipe Aquino

O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
Adicionar a favoritos link permanente.