21 ocasiões em que o papa Francisco afirmou que o diabo existe

Em muitas ocasiões ao longo de seu pontificado, o papa Francisco alertou os fiéis do mundo inteiro para a existência real e a ação do diabo.

Apresentamos aqui 21 ocasiões em que o Santo Padre falou em alto e bom som sobre o diabo, a sua existência, a sua ação e o que um católico pode fazer para combatê-lo:

1. O diabo não é um mito e devemos combatê-lo

No dia 30 de outubro de 2014, na homilia da missa celebrada na capela da Casa Santa Marta, onde mora, Francisco disse que “esta geração e muitas outras foram levadas a acreditar que o diabo era um mito, uma figura, uma ideia, a ideia do mal, mas o diabo existe e devemos lutar contra ele! São Paulo diz isso. Não sou eu que digo isso! A Palavra de Deus diz isso!”.

“O diabo é um mentiroso, ele é o pai dos mentirosos, o pai das mentiras”, disse o papa.

2. A tática do diabo para tentar o homem

Em 11 de abril de 2014, o papa explicou que, assim como o diabo “tentou Jesus tantas vezes, e Jesus sentiu tentações em sua vida”, também os homens são tentados.

“Nós também somos o objeto do ataque do demônio, porque o espírito maligno não quer nossa santidade, não quer testemunho cristão, não quer que sejamos discípulos de Jesus”, disse ele.

“Como o diabo nos afasta do caminho de Jesus? A tentação começa lentamente, mas ela cresce: sempre cresce. Em segundo lugar, ela cresce e é contagiosa, é transmitida a outras pessoas, tenta ser comunitária. E, no final, para acalmar a alma, ela se justifica. Ela cresce, infecta e se justifica”, alertou.

3. Existe o diabo em uma guerra contra a verdade e a vida

Em 31 de dezembro de 2015, em uma audiência com milhares de crianças na Sala Paulo VI do Vaticano, o papa Francisco disse que “no mundo existe a luta entre o bem e o mal, dizem os filósofos. É a luta entre Deus e o diabo. Isso ainda existe. Quando cada um de nós deseja fazer algo ruim. Essa pequena maldade é uma inspiração do diabo. Que através da fraqueza que o pecado original deixou em nós leva você a isso. O mal se faz tanto nas pequenas coisas como nas grandes”.

“É uma guerra contra a verdade de Deus, a verdade da vida, contra a alegria. A Biblia diz que essa luta entre o diabo e Deus continuará até o fim”, explicou.

4. O diabo tem 2 armas para destruir a Igreja de dentro

Em 9 de setembro de 2016, em um discurso perante mais de 100 bispos no Vaticano, o papa Francisco enfatizou que “as divisões são a arma que o diabo mais tem à mão para destruir a Igreja por dentro. Ele tem duas armas, mas a principal delas é a divisão: a outra é o dinheiro. O demônio entra pelas fendas e destrói com a língua, com a fofoca que divide e o hábito da fofocar, que é um costume próprio do ‘terrorismo’”.

“O fofoqueiro é um ‘terrorista’, que joga a bomba, a fofoca, para destruir. Por favor, lutem contra as divisões, porque é uma das armas que o diabo tem para destruir a Igreja local e a Igreja universal”.

5. Cuidado com o diabo porque ele causa divisão e joga sujo!

No dia 12 de setembro de 2016, Francisco disse na missa em Santa Marta que na Igreja “o diabo semeia ciúme, ambições, ideias, mas para dividir! Ou semeia a ganância”.

Quando isso acontece, é como quando há guerra: “está tudo destruído”. E o diabo vai embora feliz. E nós, ingênuos, entramos no jogo dele”.

6. A guerra vem do diabo porque ele quer o mal!

No dia 20 de setembro de 2016, na homilia da missa na Casa Santa Marta, o papa explicou que a guerra é um dos sinais do demônio.

“Não existe um Deus da guerra”, afirmou. A guerra é uma obra do “maligno” que “quer matar a todos”, disse o papa, pedindo orar com a convicção de que “Deus é um Deus de paz”.

Hoje “todos os homens de boa vontade, de qualquer religião, são convidados a rezar pela paz” porque “o mundo está em guerra e sofre!”, disse.

7. Corrupção é se tornar um seguidor do diabo

Em 17 de novembro de 2016, em um discurso para a Associação Empresarial Católica, o papa Francisco afirmou que corromper-se é “tornar-se um seguidor do diabo”.

“A corrupção é gerada pela adoração ao dinheiro e torna o corrupto prisioneiro dessa mesma adoração. A corrupção é uma fraude contra a democracia e abre as portas a outros males terríveis, como as drogas, a prostituição e o tráfico de pessoas, a escravidão, o comércio de órgãos, o tráfico de armas, etc. Corrupção é se tornar seguidor do demônio, pai da mentira”, disse o Santo Padre.

8. Não se pode dialogar com o diabo

No dia 25 de novembro de 2016, também em Santa Marta, o pontífice disse que o diabo “é um mentiroso. Ainda mais: ele é o pai da mentira, que gera mentiras. Ele é um enganador. Faz você acreditar que, se você comer esta maçã, você será como um Deus. Ele vende dessa forma para você e você compra, e no final ele te rouba, te engana e arruína sua vida”.

O pontífice perguntou-se sobre o que fazer para que não nos deixemos enganar pelo diabo. “Jesus nos ensina como: nunca dialogar com o diabo. Não há diálogo com o diabo. O que Jesus fez com o diabo? Ele o afastava”.

9. Deus permite que o diabo tente os sacerdotes para que eles cresçam na fé

Em 2 de março de 2017, em um encontro com o clero da diocese de Roma, na basílica papal de São João de Latrão, o pontífice usou o exemplo da fé de Simão Pedro para ser seguido pelos sacerdotes, constantemente provado pelo diabo. Esses tipos de provações “Deus não envia diretamente, mas também não as impede”, disse ele.

“Toda a vida de Simão Pedro pode ser vista como um progresso na fé, graças ao acompanhamento do Senhor, que o ensina a discernir em seu próprio coração o que vem do Pai e o que vem do diabo”.

“Talvez a maior tentação do diabo tenha sido esta: insinuar, em Simão Pedro, a ideia de não ser digno de ser amigo de Jesus porque o traiu”, diz o pontífice. Mas o Senhor é fiel. Sempre. E ele sempre renova sua fidelidade”.

10. O diabo sempre entra pelo bolso

No dia 1º de abril de 2017, na audiência com a comunidade do Pontifício Colégio Espanhol San José, em Roma, o papa disse aos sacerdotes que “o diabo sempre entra pelo bolso”.

Os sacerdotes, dizia Francisco, “não podem contentar-se em ter uma vida ordenada e confortável, que lhes permita viver sem preocupações, sem sentir a necessidade de cultivar um espírito de pobreza enraizado no Coração de Cristo que, sendo rico, se fez pobre por amor a nós, ou como diz o texto, para enriquecer-nos”.

11. O que fazer se o diabo te seduzir? O papa dá algumas recomendações

No dia 13 de outubro de 2017, na missa na capela da Casa Santa Marta, o papa exortou os fiéis a estarem “vigilantes” diante das tentações e das ações do demônio, que “aos poucos” busca mudar os critérios de nossa vida “para nos conduzir ao mundanismo”.

“Ele se mistura com a nossa maneira de agir e dificilmente percebemos”, disse ele.

12. Papa Francisco dá um novo aviso sobre Satanás

O papa Francisco advertiu, em 13 de dezembro de 2017 que o diabo “não é uma coisa difusa”, mas “uma pessoa” com quem não se deve dialogar.

“Com Satanás você não pode dialogar. Porque se você começar a dialogar com ele, você está perdido. Ele é mais inteligente do que nós. Ele te cerca, te rodeia, faz sua cabeça girar e você fica perdido”, disse ele.

13. Papa Francisco: onde quer que a Virgem esteja, o diabo não entra

Na Basílica de Santa Maria Maggiore, em Roma, Itália, o papa Francisco disse, em 29 de janeiro de 2018 que, “na casa onde a Virgem mora, o diabo não entra”.

“A Mãe guarda a fé, protege os relacionamentos, salva na adversidade e preserva do mal”, disse ele.

14. O Papa avisa: o diabo está derrotado, não se deixe enganar por ele

Em 8 de maio de 2018, o papa Francisco disse que o diabo “é perigosíssimo. Ele se apresenta com todas as suas forças e suas promessas são todas mentira, e nós, como tolos, acreditamos nelas”.

No entanto, frisou, o diabo “está derrotado” e “poderíamos dizer que ele está agonizante”.

15. Papa Francisco: o diabo procura destruir a harmonia entre o homem e a mulher

Na madrugada de 1º de junho de 2018, na capela da Casa Santa Marta, o papa alertou que o demônio continua perseguindo e atacando porque quer destruir a harmonia entre o homem e a mulher, e mais uma vez denunciou as “colonizações ideológicas” e outras formas de destruição.

16. O diabo é apenas uma história de velha? Esta foi a resposta do papa Francisco

Em um diálogo com crianças da paróquia romana de São Crispino de Viterbo, em 3 de março de 2019, o papa Francisco alertou sobre o demônio, que não é “apenas um conto da vovó”.

O diabo, disse ele às crianças, “existe, sim, é verdade, e ele é o nosso maior inimigo. É ele que tenta nos fazer escorregar na vida. Ele é aquele que coloca os desejos ruins em nossos corações, os pensamentos ruins e nos leva a fazer coisas ruins, as muitas coisas ruins da vida, para acabar em guerras”.

17. O papa lembra que Satanás existe e que Jesus o derrotou

Na audiência geral do dia 1º de maio de 2019, festa de São José, o papa Francisco lembrou que o próprio Jesus, como narram os Evangelhos, enfrentou o demônio no deserto, “mas Jesus rejeitou todas as tentações e saiu vitorioso”.

Francisco explicou que a vida pública de Jesus começou “com a tentação que vem de Satanás. Satanás estava lá presente. Muitas pessoas que dizem: “mas por que falar do diabo, que é uma coisa antiga, o diabo não existe”. Não. Olhe o que o Evangelho ensina: Jesus enfrentou o diabo. Ele foi tentado por Satanás”.

18. O papa Francisco avisa que a hipocrisia é a linguagem do diabo

No dia 15 de outubro de 2019, na homilia celebrada na Casa Santa Marta, o papa Francisco afirmou que a hipocrisia é uma atitude que “o Senhor não tolera”, Jesus “não suporta a hipocrisia” porque “a hipocrisia é a linguagem do diabo”.

Na homilia, o Santo Padre disse que “a atitude hipócrita nasce do grande mentiroso, do diabo” porque o diabo “é o grande hipócrita”.

19. Existem três etapas na tentação do diabo

No dia 4 de abril de 2020, na homilia da missa que celebrou na Casa Santa Marta, o papa Francisco explicou quais são os três passos da tentação do demônio.

“A tentação em nós geralmente funciona assim: começa com pouco, com um desejo, uma ideia, cresce, contagia os outros e, no final, vem a justificação total. Estas são as três etapas da tentação do diabo em nós. Aqui estão as três etapas que a tentação do diabo percorreu na pessoa do doutor da lei”, disse o Santo Padre.

20. Papa Francisco avisa que a inveja é um instrumento do demônio

Na missa celebrada na casa de Santa Marta em 9 de maio de 2020, o papa Francisco explicou que a inveja é o instrumento que o demônio usa para destruir o anúncio do Evangelho.

Na homilia, o Santo Padre perguntou: “Qual é o instrumento do demônio para destruir o anúncio do Evangelho?” E respondeu: “A inveja!”, citando o livro da Sabedoria que “diz claramente: ‘por meio da inveja do diabo o pecado entrou no mundo’”.

“Inveja, ciúme … Sempre esse sentimento amargo, amargo. Essas pessoas viram como o Evangelho era pregado e ficaram com raiva, roeram o fígado de raiva. E essa fúria os levou adiante: é a fúria do demônio, é a fúria que destrói, a fúria daquele: ‘crucifica, crucifica!’, da tortura de Jesus. Ele quer destruir. Sempre. Sempre”.

21. Papa Francisco: o diabo quer impedir a obra de salvação de Deus

Em sua reflexão antes de rezar o Angelus, no dia 19 de julho de 2020, o papa Francisco alertou que a intenção do diabo é “dificultar a obra da salvação” de Deus, e pediu para não se precipitar diante dos maus e ter “paciência” e “misericórdia” com eles para dar-lhes a oportunidade de se converter.

“O mestre age abertamente, à luz do sol, e seu propósito é uma boa colheita; o outro, porém, aproveita as trevas da noite e obra movido pela inveja, pela hostilidade, para estragar tudo. O adversário tem nome: é o diabo, o adversário por excelência de Deus”.

A intenção do diabo, afirmou então o Santo Padre, “é impedir a obra da salvação, para que o Reino de Deus seja atrapalhado por operários injustos, semeadores de escândalos”.

Fonte: https://www.acidigital.com/noticias/21-ocasioes-em-que-o-papa-francisco-afirmou-que-o-diabo-existe-52273

Be Sociable, Share!

Sobre Prof. Felipe Aquino

O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
Adicionar a favoritos link permanente.