Vida é difícil para jovens na Espanha, diz Cañizares

Para cardeal, JMJ é um acontecimento de esperança

MADRI, terça-feira, 19 de julho de 2011 (ZENIT.org) – “A situação dos jovens na Espanha não é nada fácil nem está isenta de sofrimento”, afirmou ontem o cardeal Antonio Cañizares, prefeito da Congregação para o Culto Divino, durante uma conferência na Espanha.

O purpurado participa do curso de verão “Os jovens e a Igreja Católica”, da Universidade Rei João Carlos.

Em sua intervenção, ele refletiu sobre a delicada situação que está provocando o alto nível de desemprego na Espanha, destacando que a carência de postos de trabalho e de um horizonte laboral estável é preocupante para o desenvolvimento das suas pessoas e das suas famílias.

“Não ter trabalho é terrível e suas repercussões supõem desesperança e conflito social”, afirmou.

Para o cardeal, é necessário ajudar os mais pobres, “entre o quais se encontram os jovens que não têm trabalho e vivem com uma cultura da decepção, que os ignora”.

“É preciso ser realista e compreender que os jovens têm tudo muito difícil, mas subjacente a tudo isso temos de descobrir os interrogantes humanos, para os quais tantas vezes não se encontra resposta.”

“O Evangelho lhes dá o sentido necessário para proclamar novamente a esperança”, acrescentou.

Neste sentido, afirmou que a Jornada Mundial da Juventude (JMJ) de Madri, no próximo mês de agosto, será “um acontecimento de esperança” para os jovens do país.

“A JMJ, como qualquer peregrinação, é uma parábola do que é a vida, com suas alegrias e provações”, na qual “podemos estar sem nada e ao mesmo tempo ter tudo”.

A esperança, segundo o purpurado, é a “alternativa realista do otimismo, que contempla a existência de dificuldades no caminho. O jovem com vontade de aventura e inquebrantável capacidade de assombro pode encontrar o grande tesouro que a humanidade acreditava estar escondido e que se revelou em Jesus Cristo”.

O cardeal sublinhou que tanto João Paulo II como Bento XVI “nunca jogaram nada na cara dos jovens, não condenaram, mas propuseram um programa exigente, ao mesmo tempo que apaixonante, superando o relativismo que eliminou a carta de cidadania à virtude e deixou o jovem olhando para si mesmo, sem esperança”.

“Não podemos deixar os jovens como na parábola do Evangelho que diz ‘Estamos ociosos porque ninguém nos contratou'”, concluiu.

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.