Uma vida de serviço ao próximo

Irmã Josefina Bakita, virgem e humilde serva de Cristo

ROMA, (09/02/2012 – ZENIT.org) – Em 2009, na Itália, a Rai transmitiu uma minissérie de grande audiência que contou em dois episódios a incrível vida desta santa extraordinária.

Nascida em 1869 em uma pequena aldeia do Sudão, ela foi sequestrada aos 7 anos de idade por mercadores de escravos árabes. O nome “Bakhita”, aliás, que em árabe significa “Afortunada”, foi dado a ela pelos captores, porque a futura santa, devido ao trauma sofrido com o rapto, esqueceu o próprio nome e o dos pais.

A pequena Bakhita passou anos de inferno, vendida várias vezes, maltratada, agredida e humilhada por seus “patrões”. No manuscrito que contém a autobiografia da santa, guardado pelas Irmãs Canossianas de Roma, são narrados todos os sofrimentos físicos e morais que ela enfrentou durante o longo período de cativeiro, como as cruentas tatuagens infligidas por um general turco, que gravou mais de uma centena de símbolos em seu peito, abdômen e braço direito com uma navalha e depois os cobriu com sal, para marcá-la pelo resto da vida.

Depois de muitas vicissitudes e muitas torturas, ela acabou comprada, no mercado de Cartum, pelo cônsul italiano Calisto Legnani, que a levou consigo para a Itália em 1885 e a entregou à família Michieli, no Vêneto, em cujo lar Bakhita se tornou a babá da filha do casal.

 Ao precisar viajar para a África, a família hospedou Bakhita e a filha no convento das Irmãs Canossianas de Veneza, até o seu retorno. Bakhita teve assim a oportunidade de conhecer a doutrina católica.

Nove meses depois, a família Michieli retornou para buscar a filha, mas Bakhita se recusou a ir embora com eles e decidiu ficar no convento. Dom Domenico Agostini, Patriarca de Veneza, interveio na questão, ressaltando que na Itália “não se comercializam escravos”. Em 1890, Bakhita recebeu o batismo, a confirmação e a comunhão, bem como o nome de Giuseppina Margherita Fortunata. Em 1893, depois de conhecer e experimentar o amor de Deus, ela entrou para o noviciado das Irmãs Canossianas e, três anos mais tarde, fez os votos perpétuos na presença do Patriarca Giuseppe Sarto, futuro Papa Pio X. No mesmo ano, foi declarada legalmente livre.

É oportuno reconhecer a importância que a Igreja Católica teve na história para a abolição da escravatura no mundo, desde os tempos antigos, quando já combatia os abusos e corajosamente lutava pela liberdade dos homens, até hoje, quando continua a fazê-lo.

A figura da Irmã Bakhita, recordada pelo papa Bento XVI na sua segunda encíclica, Spe Salvi, é essencial para a vida de todo cristão. Cozinheira, auxiliar de enfermagem durante a Primeira Guerra Mundial, sacristã e porteira do convento, ela desempenhou essas tarefas com amor, zelo e humildade, vendo sempre no próximo a figura de Cristo.

A Irmã Bakhita encarnou ao longo de toda a sua vida o lema de não ceder ao mal, e a quem quer que lhe perguntasse o que ela diria aos seus captores, respondia: “Se eu encontrasse aqueles traficantes de escravos que me sequestraram e aqueles que me torturaram, eu me ajoelharia para beijar as suas mãos, porque se aquilo não tivesse me acontecido, eu não seria agora uma cristã e uma religiosa”.

 Palavras eloquentes sobre a espessura moral desta santa, um exemplo que deve permanecer constante na vida de todos os cristãos, especialmente nos tempos mais difíceis da vida, diante do sofrimento, dos abusos e das injustiças.

***
Pietro Barbini

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.