Um livro conta a conspiração de Hitler contra o Papa

hitlerpapatopicHitler pensou em invadir o Vaticano e levar Papa Pio XII para a Alemanha

Em 1942 , Adolf Hitler idealizou um projeto para deportar o Papa Pio XII e alguns membros da Cúria Vaticana para a Alemanha. Trata-se de um episódio histórico, quase ignorado pela opinião pública, que veio à tona a partir de diversos documentos, entre os quais as cartas informativas que chegavam ao Papa através de diversas fontes – inclusive militares-, sobre o que acontecia em Roma e nos arredores.

O que há de verdadeiro nisso? Como se desenvolveu realmente o caso? Por que não deu certo? E mais: por que esse episódio se tornou desconhecido pelo grande público?

As respostas a essas e outras perguntas podem ser encontradas no livro “O acordo secreto de Hitler”, da editora Città Nuova, apresentado esta semana na 13ª Feira do Livro de Turim (Itália).

O texto traz uma narração dos eventos dramáticos da Segunda Guerra Mundial através dos “olhos” de Pio XII e de seu antagonista, Adolf Hitler. O livro possui um estilo que liga uma sólida reconstrução histórica ao fascínio da narração.

Papa Pacelli, que estava informado sobre as deportações de judeus por parte dos nazistas, depois que Hitler decidiu exterminá-los, fez de tudo para salvá-los.

Em agosto de 1942, em um grande forno de metal, na cozinha do terceiro andar do Palácio Apostólico, no Vaticano, o Papa queimava folhas repletas de anotações. “Ao lado, diz o texto, está Papa Pio XII, alto e pálido; em suas mãos, estão duas grandes folhas de papel, escritas com a sua grafia precisa e minuciosa. Ele joga uma a uma ao fogo e as supervisiona atentamente até que cada uma queime. As freiras alemãs que cuidam do apartamento papal observam à distância, silenciosas”.

“Irmã Pascalina Lehnert, a única freira mais próxima do Papa, teve coragem de intervir: ‘Santo Padre, – disse, abrindo aquele olhar azul – por que estás queimando essas folhas?’. Aqui – responde o Pontífice, olhando diretamente em seus olhos, como sempre fez – está o meu protesto contra as cruéis perseguições contra os hebreus na Holanda. Estava a ponto de publicá-la no L’Osservatore Romano’ ”.

Era uma carta muito mais dura que aquela dos bispos holandeses contra as represálias nazistas, a qual foi lida nas igrejas em 26 de julho daquele ano e provocou a prisão de milhares de pessoas, cerca de 40 mil.

“A minha – explica Pio XII – poderia custar a vida de umas 200 mil pessoas”. Melhor não falar de forma oficial e trabalhar em silêncio por esse povo”.

Depois de 8 de setembro de 1943, a Itália transformou-se em um caos. O governo de Badoglio teve de fazer um armistício com os aliados; o rei e os seus parentes fugiram para Brindisi; Mussolini era prisioneiro do Führer, no norte da Itália, onde reconstituiu o governo fascista, a República de Salò.

Karl Wolff, membro de alto escalão, de Himmler, recebeu de Hitler uma tarefa importante:

“Em Roma há o Vaticano e há o Papa. Não devem cair nas mãos dos aliados nem estar sob qualquer influência deles. Seria um grande dano para a Alemanha”, reconstruiu Dal Bello.

Por isso, as tropas alemãs deveriam ocupar o Vaticano, salvando as obras de arte e os arquivos e demonstrando “preocuparem-se com a saúde do Papa”, uma desculpa para transportá-lo à Alemanha, para depois pensarem o que fazer.

A notícia se espalhou: “Querem levar o Papa embora”. A rádio da República de Salo chegou a citar isso claramente no dia 7 de outubro 1942: “Já preparam os alojamentos para o Papa”.

“A notícia das intenções dos nazistas é séria”, disse Pio XII a Cesidio Lolli, vice-diretor do L’Osservatore Romano. E ainda: “Eu não deixarei nunca o Vaticano e Roma; mesmo que me acorrentem, não sairei daqui”, disse Papa Pacelli ao jesuíta Paolo Dezza.

Fonte: http://www.aleteia.org/pt/religiao/artigo/um-livro-conta-a-conspiracao-de-hitler-contra-o-papa-5792756089749504

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.