Um grande Tratado sobre a Virgem Maria

Como-rezar-a-Coroinha2“Apareceu em seguida um grande sinal no céu: uma Mulher revestida do sol, a lua debaixo de seus pés, e na cabeça uma coroa de doze estrelas” (Ap 12,1).

Essa visão maravilhosa que São João teve quando estava deportado na ilha de Patmos revela toda a majestade e poder de Nossa Senhora e da Igreja. Nessa coroa de doze estrelas formada sobre sua cabeça, São Luiz Maria Grignion de Montfort viu as glórias e méritos de Maria, “mais numerosos do que todas as estrelas do céu”. Este santo escreveu o “Tratado da verdadeira devoção à Santíssima Virgem”.

Neste pequeno e robusto Tratado, São Luiz, diz, logo na Introdução: “Foi por intermédio da Santíssima Virgem Maria que Jesus veio ao mundo, e é também por meio dela que ele deve reinar no mundo” (n. 1, ed. Vozes). No final da Introdução completa: “Maria Santíssima tem sido até aqui desconhecida, e é esta uma das razões por que Jesus Cristo não é conhecido como deve ser. Quando portanto, e é certo, o conhecimento e o Reino de Jesus Cristo tomarem o mundo, será como uma conseqüência necessária do conhecimento e do Reino da Santíssima Virgem Maria. Ela O deu ao mundo a primeira vez, e também da segunda O fará resplandecer” (n. 13).

A 12 de maio de 1853 foi promulgado, em Roma, “o decreto que declara seus escritos isentos de todo erro que pudessem servir de obstáculo à sua canonização” (n. 11). Estes escritos de São Luiz foram tão inspirados que o próprio santo escreveu estas palavras proféticas: “Vejo claramente no futuro animais frementes que se precipitam com furor para estraçalhar com os dentes diabólicos estes pequeno escrito e aquele de quem o Espírito Santo se serviu para escrevê-lo, ou para sepultá-lo, ao menos, no silêncio de um armário, a fim de que não veja a luz” (Tvd, n. 11).

São Luiz morreu em 1716, e só em 1832 seu livro foi descoberto, por acaso, por um dos sacerdotes de sua Congregação, em Saint-Laurent-sur-Sèvre, na França.segredo_de_maria_novacapa

O Papa João Paulo II afirmou: “A leitura deste livro marcou em minha vida uma transformação decisiva. É um daqueles livros que não basta “ler”… A conseqüência foi que a devoção de minha infância e mesmo de minha juventude para com a Mãe de Cristo ganhou uma nova dimensão… Enquanto antes me mostrava reservado, com medo de que a devoção a Maria pudesse deixar Cristo na sombra, em vez de lhe dar prioridade entendi agora, à luz do “Tratado” de Grignion de Montfort, que a realidade é totalmente diferente. A devoção a Maria, que tomou assim uma forma determinada, continuou viva em mim. Tornou-se uma parte integrante de minha vida interior e de meu conhecimento espiritual de Deus”.

Na encíclica “Redemptoris Mater” (1987), ele disse: “É-me grato recordar, dentre as muitas testemunhas de tal espiritualidade, a figura de São Luis Maria Grignion de Montfort, que propôs aos cristãos a consagração a Cristo pelas mãos de Maria como meio eficaz para viverem fielmente os compromissos batismais” (n. 48).

Prof. Felipe Aquino

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.