Um catolicismo light?

bible2O Papa São João Paulo II disse certa vez aos jovens que a “A lei de Cristo é árdua, sim, mas nunca decepciona”. O mundo invade a Igreja e quer obrigá-la a abrir mão da Lei de Cristo. Mas a Esposa de Cristo é fiel a seu Esposo e não abre mão, há dois mil anos, daquilo que aprendeu com Ele, pois só Ele é  “o Caminho, a Verdade e a Vida” (João 14,6).

No entanto, infelizmente, há um catolicismo light hoje que relativiza a lei de Cristo e que faz de tudo para se “amoldar a esse mundo” e agradar aos homens, esquecendo-se do que disse São João: “Não ameis o mundo, nem as coisas do mundo.  Se alguém ama o mundo, não está nele o amor do Pai” (1João 2,15). É claro que o grande Apóstolo não fala do mundo belo criado por Deus, mas daquele que vive no pecado e nas trevas. São Paulo também insistia nisso: Não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso espírito, para que possais distinguir qual é a vontade de Deus, o que é bom, o que é perfeito, o que lhe agrada” (Rom 12, 2).

Hoje temos um belo Catecismo da Igreja Católica, que o Papa São João Paulo II aprovou em 1992 e entregou à Igreja como “o melhor dom que o magistério pode fazer aos fiéis”. O Papa santo disse que este é “o texto de referência da fé católica” e mostra aquilo em que “crê a Igreja”. No entanto, há muitos, dentro da Igreja, que o desprezam, como se obedecer-lhe fosse algo facultativo, e não espelhasse toda a fé da Igreja. São aqueles que desejam criar um catolicismo light, conveniente com os pecados desse mundo, ao invés de combatê-los como Cristo o combateu e a Igreja também. Quem não segue e não obedece o Catecismo da Igreja não está em comunhão plena com ela. “Quem vos ouve a Mim ouve; que vos rejeita a Mim rejeita, e quem Me rejeita, rejeita Aquele que me enviou” (Lc 10,16).

Para “estar bem com o mundo”, para ser “politicamente correto”, então, só se fala de misericórdia, sem falar de justiça; só se fala de perdão sem falar de conversão; só se fala de caridade sem mencionar a verdade… É o que o Papa Bento XVI chamou de “ditadura do relativismo”, que nega a verdade objetiva, e quer impor, pela mídia e pela cultura, uma mentalidade anti-evangélica, mas que deve ser vivida por todos. É por isso que ele falou que católico de hoje deve estar disposto a viver o “martírio da ridicularização” por ser fiel a Cristo e a Igreja.

Na sua magistral encíclica “Caritas in Veritate”, o gigante Bento XVI disse, logo no início, que “caridade sem verdade é sentimentalismo”. Santo Agostinho já ensinava há 1600 anos que “Não se pode impor a verdade sem caridade, mas jamais sacrificar a verdade em nome da caridade”. Ora, o que vemos hoje é um catolicismo light por parte de alguns, sacrificando a verdade em nome da caridade. Nesta linha se aceita, por exemplo, a prática homossexual como se não fosse pecado grave; aceita-se o aborto porque a “pobre” mãe não pode criar o seu filho…  e muito mais.  Ora, convenhamos, isso não é o que Cristo ensinou, e não é o que está no Catecismo da Igreja Católica.

Tenhamos sim misericórdia com o pecador, mas não sejamos coniventes, nem  conviventes e nem solidários com o pecado. Cristo morreu de maneira horrivelmente dolorosa para tirar o pecado do mundo” (João 1, 29). Não nos esqueçamos do que disse São Paulo: “O salário do pecado é a morte”. De outra forma enterraremos o verdadeiro cristianismo. Agora virou moda querer se justificar todos esses erros, dizendo: “é preciso respeitar a consciência de cada um”, como se cada um pudesse moldar a sua consciência fora da lei de Deus e da Igreja. O criminoso mata e rouba em paz com sua consciência, porque ela foi mal formada. Ora, não há consciência reta sem a lei de Deus.

Tudo isso me faz lembrar uma frase do ex-Presidente americano John Kenedy: “Não sei qual é o segredo para agradar a todo mundo, mas sei qual é o segredo para desagradar a todos; é exatamente querer agradar a todo mundo”. A Lei sagrada de Cristo é dura sim, é a expressão da Verdade que liberta, e nunca decepciona.

Um catolicismo light?

O Papa São João Paulo II disse certa vez aos jovens que a “A lei de Cristo é árdua, sim, mas nunca decepciona”. O mundo invade a Igreja e quer obrigá-la a abrir mão da Lei de Cristo. Mas a Esposa de Cristo é fiel a seu Esposo e não abre mão, há dois mil anos, daquilo que aprendeu com Ele, pois só Ele é  “o Caminho, a Verdade e a Vida” (João 14,6).cpa_por_que_sou_cat_lico

No entanto, infelizmente, há um catolicismo light hoje que relativiza  a lei de Cristo e que faz de tudo para se “amoldar a esse mundo” e agradar aos homens, esquecendo-se do que disse São João: “Não ameis o mundo, nem as coisas do mundo.  Se alguém ama o mundo, não está nele o amor do Pai” (1João 2,15). É claro que o grande Apóstolo não fala do mundo belo criado por Deus, mas daquele que vive no pecado e nas trevas. São Paulo também insistia nisso: Não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso espírito, para que possais distinguir qual é a vontade de Deus, o que é bom, o que é perfeito, o que lhe agrada” (Rom 12, 2).

Hoje temos um belo Catecismo da Igreja Católica, que o Papa São João Paulo II aprovou em 1992 e entregou à Igreja como “o melhor dom que o magistério pode fazer aos fiéis”. O Papa santo disse que este é “o texto de referência da fé católica” e mostra aquilo em que “crê a Igreja”. No entanto, há muitos, dentro da Igreja, que o desprezam, como se obedecer-lhe fosse algo facultativo, e não espelhasse toda a fé da Igreja. São aqueles que desejam criar um catolicismo light, conveniente com os pecados desse mundo, ao invés de combatê-los como Cristo o combateu e a Igreja também. Quem não segue e não obedece o Catecismo da Igreja não está em comunhão plena com ela. “Quem vos ouve a Mim ouve; que vos rejeita a Mim rejeita, e quem Me rejeita, rejeita Aquele que me enviou” (Lc 10,16).

Para “estar bem com o mundo”, para ser “politicamente correto”, então, só se fala de misericórdia, sem falar de justiça; só se fala de perdão sem falar de conversão; só se fala de caridade sem mencionar a verdade… É o que o Papa Bento XVI chamou de “ditadura do relativismo”, que nega a verdade objetiva, e quer impor, pela mídia e pela cultura, uma mentalidade anti-evangélica, mas que deve ser vivida por todos. É por isso que ele falou que católico de hoje deve estar disposto a viver o “martírio da ridicularização” por ser fiel a Cristo e a Igreja.

Na sua magistral encíclica “Caritas in Veritate”, o gigante Bento XVI disse, logo no início, que “caridade sem verdade é sentimentalismo”. Santo Agostinho já ensinava há 1600 anos que “Não se pode impor a verdade sem caridade, mas jamais sacrificar a verdade em nome da caridade”. Ora, o que vemos hoje é um catolicismo light por parte de alguns, sacrificando a verdade em nome da caridade. Nesta linha se aceita, por exemplo, a prática homossexual como se não fosse pecado grave; aceita-se o aborto porque a “pobre” mãe não pode criar o seu filho…  e muito mais.  Ora, convenhamos, isso não é o que Cristo ensinou, e não é o que está no Catecismo da Igreja Católica.

Tenhamos sim misericórdia com o pecador, mas não sejamos coniventes, nem  conviventes e nem solidários com o pecado. Cristo morreu de maneira horrivelmente dolorosa para tirar o pecado do mundo” (João 1, 29). Não nos esqueçamos do que disse São Paulo: “O salário do pecado é a morte”. De outra forma enterraremos o verdadeiro cristianismo. Agora virou moda querer se justificar todos esses erros, dizendo: “é preciso respeitar a consciência de cada um”, como se cada um pudesse moldar a sua consciência fora da lei de Deus e da Igreja. O criminoso mata e rouba em paz com sua consciência, porque ela foi mal formada. Ora, não há consciência reta sem a lei de Deus.

Tudo isso me faz lembrar uma frase do ex-Presidente americano John Kenedy: “Não sei qual é o segredo para agradar a todo mundo, mas sei qual é o segredo para desagradar a todos; é exatamente querer agradar a todo mundo”. A Lei sagrada de Cristo é dura sim, é a expressão da Verdade que liberta, e nunca decepciona.

Prof. Felipe Aquino

*Autoriza-se sua publicação deste que cite a fonte

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.