Testemunho Médico: Células-tronco – Dra. Alice Teixeira

Caro jornalistas,

 No programa diário o Jornal da Record das 19:00 hs vi/ouvi as declarações do senhor ministro da Saúde sobre a utilização de células-tronco HUMANAS em pesquisa  e a certeza de que se obterá lucros com patentes decorrentes de pesquisas com as mesmas.  Por esta razão estou escrevendo esta LONGA carta de esclarecimento, após o seu inflamado parecer sobre a utilização de embriões humanos em tais pesquisas.

Primeiro, quero tornar claro que não se trata de “A luz da ciência versus as trevas da religião”. Não pretendo fazer uma defesa ideológica do embrião humano, ou seja vou dar-lhe fatos e não dogmas.

Segundo, a minha identificação: Sou médica formada na Escola Paulista de Medicina, em 1967, tenho 62 anos e sou pesquisadora na área Biomédica há 40 anos. Sou livre-docente de Biofísica da UNIFESP/EPM, há 15 anos venho desenvolvendo pesquisa em Biologia Celular, tentando esclarecer os complexos mecanismos de sinalização celular, que levam desde a divisão/multiplicação até a morte celular. Sou também coordenadora do Núcleo Interdisciplinar de Bioética da UNIFESP e professora de Bioética no Curso Biomédico nesta Universidade.

Terceiro, agora um pouco de História: Assim como eu muitos pesquisadores brasileiros e da Europa não  nos deixamos levar pelos projetos de genomas. Tínhamos certeza que os resultados seriam pífios pois trabalhando com animais transgênicos obtínhamos resultados inesperados e mais , para um mesmo gene tinhamos expressas várias proteinas ( a proteína que estudamos tem 11 isoformas, todas com atividades e ações celulares diferentes). Nos EUA R. Lewontin e Evelin Fox Keller já colocavam em descrédito a ideologia do determinismo genético. O Prof. Dr. Sérgio Ferreira aqui, no Brasil, já dizia que 35 milhões de dolares era um preço muito caro para uma capa na Nature. Foi o que custou o genoma da X.fastidiosa ( a do amarelinho) e que não deu solução aos laranjais. O nosso caipira já tem uma solução mais barata: três podas eliminam o amarelinho. Enquanto a moda era o genoma, os pesquisadores da biologia celular na Itália, Alemanha, França descobriam as células-tronco adultas e suas potencialidades.

Em setembro de 1999 ocorre o escândalo da terapia gênica, onde a morte do jovem Jesse Gelsinger leva à descoberta de que 691 eventos adversos sérios haviam ocorrido e não haviam sido  comunicados ao NIH e que este jovem não fora a primeira pessoa a ser morta por tal terapia. Juntando-se a falência da perspectiva do genoma, que era tão grande que levava à uma absurda corrida de obtenção de patentes para genes de função desconhecida, a tão promissora terapia gênica foi abolida. Os pesquisadores que estavam envolvidos nestes projetos perderam assim o “trem da História”.

Vendo os bons e inesperados resultados dos biologistas celulares com as células-tronco adultas,voltam-se agora para as células-tronco embrionária HUMANA, pois por questões éticas e NÃO religiosa , nós pesquisadores de células-tronco adultas recusamos utilizar como material de estudo pois para tal temos de sacrificar embriões humanos. Justificativas baseadas em fatos científicos:

1) Quanto a utilização de células-tronco heterólogas obtidas de embriões humanos que são descartados nas clínicas de reprodução assistida (RA). Estes embriões na maioria das vezes não são congelados e tal informação não é dada aos pais, haja visto o escândalo e processo que está sobre o Hospital Albet Einstein, em São Paulo, por ter jogado fora os embriões de um casal,em agosto do ano passado (Época, 11 de agosto,2003,pg12).

No caso da utilização das células de embriões humanos que provem das  RA, trata-se de um transplante heterólogo, com grande possibilidade de rejeição, visto que a medida que estas células se diferenciam para substituir as lesadas (ou que desapareceram), num tecido degenerado, começam a expressar as proteínas responsáveis pela rejeição ( MHC, major histocompatibility complex) Ref: PNAS, 23 July, 2002, Vol.99 pg 9864).

Em dezembro de 2003, Science publicou um artigo de Julie Clayton, refere os resultados mostrando que as CT humanas mostram anormalidades a medida que se diferenciam, havendo risco de se malignizarem. HÁ ALTERNATIVA: vem crescendo o número de trabalhos onde se verifica, com sucesso, a recuperação de tecidos ou órgãos lesados utilizando as CT adulta.  O próprio Boletim da FAPESP referiu o trabalho de Nadia Rosenthal, publicado no PNAS, sobre o sucesso em usar as CT adultas para recuperar tecido muscular:

Regeneração de volta 06/02/2004 17:32 Agência FAPESP – Cientistas do Laboratório Europeu de Biologia Molecular (EM BL)e da Universidade de Roma “La Sapienza” acabam de descobrir um modo de restaurar determinadas capacidades regenerativas de tecidos, que ocorrem naturalmente em animais em estágio embrionário de desenvolvimento, mas que são perdidas após o nascimento. O trabalho dos pesquisadores europeus, publicado na edição atual do periódico Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS), traz uma contribuição importante para entender de que forma as células-tronco podem ser utilizadas e como podem assumir determinadas funções num tecido. “Muitos laboratórios já descreveram a integração de células-tronco em vários tipos de tecidos, mas sempre em escalas reduzidas”, disse a norte-americana Nadia Rosenthal, coordenadora do Programa de Camundongos do EMBL, em Monterotondo, na Itália, em comunicado do EMBL. “Mas este é o primeiro estudo a mostrar que as células-tronco podem ser utilizadas para atingir a regeneração em grande escala de um tecido danificado.” O trabalho foi desenvolvido em colaboração com a equipe do italiano Antonio Musarò, professor de histologia e embriologia da Universidade de Roma. Ao investigar tecidos musculares em camundongos, os cientistas descobriram que as células-tronco percorrem grandes distâncias até alcançar uma determinada área lesionada. O trabalho dos pesquisadores europeus, porém, lança uma nova hipótese.

“As células que observamos passaram por todas as etapas típicas de especialização antes de se tornarem totalmente integradas ao novo tecido”,disse Nadia Rosenthal Este trabalho põe por terra as principais críticas dos que querem usar CT humanas embrionárias: não existe hiperfusão e as CT adultas proliferam adequadamente. Na semana passada, no Congresso de Biologia Celular, o Prof. Dr. Radovan Borojevic mostrou os resultados de autotransplante de CT adultas na recuperação de pacientes infartados, na isquemia diabética onde evita-se com esta terapia a amputação de membros inferiores e na recuperação de massa óssea.

2) Quanto a clonagem terapêutica: não se conseguiu até agora clonar um primata. Ao se tentar obtém-se meia dúzia de células anaeploides ( células cujos  núcleos contem número diferentes de cromossomos, diferente de 46 no caso humano).Assim, não se consegue um embrião humano na fase de blastocisto, cujas células seriam necessárias para se fazer um transplante homólogo de CT tiradas deste embrião clonado ( produzido para tal finalidade), que para tal seria obviamente destruído. A razão do insucesso foi explicada no artigo Science(2003), 11 Apr,225: são necessárias proteínas provenientes do espermatozoide para guiar a divisão celular da maneira adequada. Estas proteínas não estão presentes no ovo que recebeu o núcleo transplantado, retirado de uma célula adulta do paciente. De acordo com NEWS FOCUS-Science, Vol 303(23Jan,2004)pg 457-a clonagem de RATO (!) é ainda um desafio técnico de tal maneira que continuam desenvolvendo métodos QUÍMICOS (!) que criam mutações “randomicas” para gerar ratos mutantes e posteriormente selecionar os animais com defeito genético de interesse. Logo, não existe a clonagem terapêutica ainda.

Na Coreia do Sul, Hwan e cols., obtiveram de 16 mulheres, com estimulação hormonal, 256 óvulos, que tiveram seus núcleos haploides substituídos por núcleos de células do cumulus ( que se encontram no folículo do ovário,donde provieram os óvulos),que são núcleos diploides e conseguiu desenvolver 30 embriões na fase de blastocisto. Destes embriões destruídos para retirar suas células-tronco embrionárias, conseguiu desenvolver com sucesso somente uma linhagem em cultura de CT humanas. Assim, este pesquisador já afirma que levará muitos anos para se ter sucesso com a terapia com CT humanas autólogas. E atente para o fato de que foram obtidos embriões do sexo feminino. Existe uma razão deste pesquisador conseguir só uma linhagem: estas células se diferenciam muito rapidamente perdendo suas características de pluripotência(  capacidade de se transformar em outros tecidos) e é muito provável que êle não  saiba a causa, senão teria mais linhagens indifenciadas.

3)A bioética deve ter fundamento filosófico: O filósofo iluminista Emmanuel Kant diz sobre a dignidade humana:” o ser humano não deve ser utilizado como meio para atingir outro objetivo que não a sua  própria humanidade”. Esta afirmativa exclui categoricamente qualquer instrumentalização de seres humanos para objetivos outros senão aqueles para a sua própria existência. Isto é, é inaceitável a procriação de embriões humanos com o propósito de pesquisa científica. Os sofistas tentam burlar Kant através de afirmativas como  não é vida( o que entendem por vida?!), é um amontoado de células, não é um ser humano. Só que se este embrião for implantado no útero de uma mulher poderá resultar numa criança, num adolescente daqui uns anos, num velho daqui uns 90 anos. Obviamente não vai dar nada se implantado no útero de uma vaca, ovelha, égua.

Finalmente, deixemos de lado a propaganda enganosa que levou-nos a caminhos tortuosos e sem saida da terapia gênica, do genoma e tomemos consciência que devemos continuar usando os procedimentos clássicos da pesquisa biológica: investigando os processos fundamentais  que determinam a diferenciação celular das CT, que são desconhecidos, estudando  primeiro nos roedores( ratos, camundongos) passando por mamíferos maiores até chegarmos ao homem. Devemos ter cuidado mesmo com os transplantes de CT adultas pois muitos pesquisadores acham que elas estão na origem dos tumores. Nelly Reagan não vai achar solução para Alzheimer com as CT humanas. Afinal o corpo amiloide resulta do depósito de proteínas normais que por causa desconhecida mudam sua conformação e precipitam nas células (atualmente sabe-se que não é só nas nervosas). A solução está em evitar que ocorra tal alteração, pois a mesma pode ocorrer nas CTs implantadas.


___________________________

Alice Teixeira Ferreira

Profª Associada de Biofísica, da

UNIFESP/EPM, na área de Biologia Celular -Sinalização Celular

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.