“Ter esperança significa ter uma âncora na margem do Além”, afirma o Papa Francisco em Santa Marta

papaFrancisco14032013a1O Site Zenit.org publicou nesta terça-feira (29/10/13), as palavras do Santo Padre durante a homilia nesta manhã, em Santa Marta, na qual adverte contra as falsas certezas do “clericalismo” e das “nossas regras” e explica que a esperança, é antes de tudo, uma “ardente expectativa” em direção à revelação do Filho de Deus.

Na trilha de São Paulo aprendemos que a esperança “nunca desilude”, mas, ao mesmo tempo, não é “fácil de entender “, acrescentou o Papa. E continuamos a cair no equivoco de que esperança é sinônimo de otimismo.

Falar de esperança não significa simplesmente “olhar para as coisas com bom ânimo, e continuar em frente” ou ter uma “atitude positiva diante das coisas”. A esperança é, antes de tudo, “a mais humilde das três virtudes, porque está escondida na vida”. Enquanto a fé “vemos” e “sentimos” e a caridade “se faz”, a esperança é “uma virtude arriscada”, mas “não é uma ilusão”.

A esperança é, sobretudo, estar “na tensão” para a “revelação do Filho de Deus” e para “a alegria que enche a nossa boca com sorrisos”. Os primeiros cristãos tomaram a âncora como um símbolo de esperança, “uma âncora na margem” além da vida.

E nós, cristãos, onde estamos ancorados? Podemos estar ancorados “na margem do oceano”, ou num “lago artificial que nós construímos, com as nossas regras, os nossos comportamentos, os nossos horários, os nossos clericalismos, as nossas atitudes eclesiásticas e não eclesiais”.

Para São Paulo, no entanto, o ícone de esperança é o nascimento. A vida é uma contínua expectativa e a esperança está na dinâmica de “dar a vida”. E, como a “primazia do Espírito” não se vê, o Espírito “trabalha” como o grão de mostarda do Evangelho, muito pequeno, mas “cheio de vida” e de “força” para crescer até se tornar uma árvore.

Papa Francisco destacou os critérios reais para a vida cristã: “Uma coisa é viver na esperança, porque na esperança somos salvos, e outra coisa é viver como bons cristãos, nada mais”. Uma coisa é estar “ancorado na margem Além”, outra coisa é permanecer “estacionado na lagoa artificial”.

É importante, nesse sentido, olhar para o exemplo da Virgem Maria que, desde o momento da sua maternidade, muda de atitude, e canta um hino de louvor a Deus. A esperança, portanto, é também esta mudança de atitude: “somos nós, mas não somos nós; somos nós, olhando lá, ancorados lá”.

O Santo Padre concluiu a homilia, dirigindo-se a um grupo de sacerdotes mexicanos, presentes na missa por ocasião do 25º aniversário de sacerdócio, e exortou-os a pedir a Maria para que seus anos sejam “anos de esperança, de viver como sacerdotes da esperança”,”dando esperança”. (Trad.:MEM)

Fonte: http://www.zenit.org/pt/articles/ter-esperanca-significa-ter-uma-ancora-na-margem-do-alem

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.