Teimam em gritar: a Teologia da Libertação está viva!

Segundo representantes a Teologia da Libertação (TL) ainda está viva como continuam as desigualdades da América Latina onde nasceu. Luis Carlos Susin, secretário-geral do Fórum Mundial de Teologia e Libertação, disse que além de viva já está presente na África e na Ásia.

Mas Dom Odilio Scherer afirmou que “como todos os movimentos, (a Teologia) teve um momento de nascer, de crescer, de enfraquecer e de desaparecer”.

“O próprio Vaticano sabe que perdeu a batalha. Os dois documentos de 1984 e 1986 não frearam o movimento. Ele nasceu ouvindo o grito dos oprimidos e hoje este grito se transformou em clamor”, acrescentou Boff. Casaldáliga, um dos importantes representantes da TL disse que “acredito firmemente que a Teologia da Libertação continua viva em muitas cabeças, em muitos textos, em muitas comunidades”, “tenho a convicção de que a Teologia está se renovando com novos preceitos. Agora, além dos pobres, a Igreja também assumiu a causa do negro, do índio, da mulher”. Afirmou também que “a recente notificação do Vaticano a Jon Sobrino e a preparação da CELAM colocaram a Teologia de novo na primeira página. É possível que avancemos (em Aparecida) e afirmemos novamente, com toda clareza, com toda convicção e atendo-nos a todas as conseqüências, a Teologia da Libertação”.

Segundo Susin “a notificação tem observações, mas não proíbe nada. Estamos interpretando isso da melhor forma possível, até mesmo como um convite ao diálogo”.

O frade capuchinho afirmou que “temos uma expectativa de que possa haver um debate e parece que o Papa já disse, em duas ou três ocasiões, que é favorável a um debate teológico”.

Porém Boff destacou que “tememos que, em Aparecida, o Papa renove suas advertências à Teologia (TL). Como cristãos, sempre respeitaremos a figura do Papa. Mas este Papa condenou mais de cem teólogos e escreveu textos duros, quase fundamentalistas, sobre igrejas e religiões, e cerceou as conferências episcopais progressistas. Por isso, é difícil amá-lo”, disse ao G1.

Somente algumas observações:

1. Quando um movimento ou instituição teima em garantir que está vivo é porque morreu e virou fantasma. A Teologia da Libertação passou como produção criativa e original. Há dez anos atrás ninguém precisava bradar que ela estava viva; ela estava e era evidente. Basta! Hoje, ela é como uma serpente com a cabeça esmagada: o corpo se contorce, mas a vida já se foi… Muitas de suas idéias ficaram, algumas boas, a maioria, muito ruim: fechamento para a Transcendência, manipulação da Palavra de Deus, deturpação da doutrina da Igreja, utilização do cristianismo com fins ideológicos, messianismo político, idolatria da esquerda, concepção marxista da história, das relações de produção e das relações entre as classes.

2. Como sempre fizeram, os expoentes de tal Teologia usam falácias como nuvens de poeira. É o caso de Leonardo Boff, ao dizer que o Vaticano perdeu para a Teologia da Libertação. O “Vaticano” é, aqui, um modo depreciativo de dizer o Sucessor de Pedro, a quem os teólogos da libertação sempre menosprezaram… Também o Frei Susin, quer iludir, falando em convite do Vaticano para o diálogo com os teólogos da libertação. Os teólogos da libertação, em geral, não dialogam. Para haver diálogo é necessário sinceridade dos dois lados. Infelizmente, o diálogo dos teólogos de esquerda é somente no sentido de tirar proveito em nome da ideologia socialista…

3. A prova do mal que tal teologia fez é que nas dioceses nas quais ela vingou as vocações sacerdotais desapareceram e tais dioceses sobrevivem às custas de padres estrangeiros, adeptos dessa teologia secularizada e secularizante.

4. A Igreja permanecerá firme no caminho do Evangelho, que exige a opção preferencial pelos pobres, o cuidado com os injustiçados do mundo, e não tem nada a ver com PT, socialismo, luta de classes, secularização, etc. A Teologia da Libertação ficou para trás porque a Igreja, o mundo, a economia mundial, as prioridades e mentalidades mudaram… O problema das ideologias é precisamente o de não querer ver a realidade: Se a realidade não concorda com os meus pressupostos ideológicos, pior para ela. É assim que eles pensam.

D. Henrique Soares, bispo auxiliar de Aracaju, SE

 

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.