Qual a importância da apologética?

A apologética sempre foi importante em todos os tempos, e hoje também, especialmente pelo surgimento de inúmeras seitas e religiões que arrastam muitas pessoas Apologética é uma palavra que vem do grego, significa “defesa verbal”; é a defesa teológica de uma certa religião, no sentido de demonstrar a verdade da … Continue Lendo

Interpretar a Bíblia ao pé da letra?

Algumas pessoas que não entendem bem da Bíblia, ou foram doutrinadas em algumas seitas e pensam ainda que devemos interpretar a Bíblia ao “pé da letra”, ou seja, de maneira fundamentalista. Ora, nada mais errado e perigoso. Por isso, o Magistério da Igreja interpreta a Sagrada Escritura, discernindo o que … Continue Lendo

As seitas e seus males – EB

“As seitas vêm-se multiplicando no mundo contemporâneo. Suscitam certa confusão pela maneira convicta como se apresentam, dando a entender que são as portadoras exclusivas de salvação para a humanidade”. Dom Estêvão Bettencourt (1919-2008) Ínclito Teólogo Beneditino Dom Estêvão Bettencourt, foi a maior autoridade do mundo sobre religiões, seitas e heresias. … Continue Lendo

O desafio das seitas ou novos movimentos religiosos: uma abordagem pastoral

Presidente do Pontifício Conselho para o diálogo inter-religioso Relatório geral no Consistório extraordinário de 1991 O desafio das seitas e novos movimentos religiosos: uma abordagem pastoral é a conferência dada no dia 05 de abril de 1991, no Vaticano, por ocasião do Consistório Extraordinário realizado entre os dias 4 a … Continue Lendo

As Seitas: Desafio Urgente

Os Bispos de Portugal, preocupados com o problemas das seitas em seu país, analisam as causas da expansão das mesmas; as seitas parecem responder à procura de solução rápida para dificuldades e angústias do homem de hoje; oferecem enquadramento comunitário aos deslocados, sem-lar; propõem algo de transcendente ao mundo farto de racionalismo e materialismo… … Continue Lendo

As seitas: empresas religiosas

A Religião como assunto público Antigamente cada povo tinha “sua” religião. Esta representava a alma do povo e expressava seus valores mais profundos, seus enigmas e aspirações. Qualquer atentado contra a religião era considerado atentado contra o mesmo povo e, portanto, o culpado se fazia merecedor dos maiores castigos. Na Grécia, por exemplo, o grande … Continue Lendo