Sentenças a favor do crucifixo ressaltam dimensão religiosa da cultura

REDAÇÃO CENTRAL, 25 Mar. 11 / 01:37 pm (ACI) Em entrevista telefônica concedida à agência ACI Prensa em espanhol, o advogado especialista em direito eclesiástico e membro do Consórcio Latino-americano de Liberdade Religiosa, Dr. Gonzalo Floresça, assinalou que as recentes Sentenças a favor do crucifixo na Europa e Peru ressaltam como a dimensão religiosa do homem é geradora de cultura, história e identidade nacional.

Flores fez esta afirmação ao ser consultado sobre a relação entre a sentença de 18 de março da Corte Européia de Direitos humanos de Estrasburgo a favor do crucifixo nas escolas públicas e a sentença do Tribunal Constitucional do Peru de 22 de março, na que se indica que a Bíblia e o crucifixo em espaços públicos não afetam a laicidade do Estado nem a liberdade religiosa das pessoas.

Em 23 de março o jurista peruano disse à ACI Prensa que “embora estes são casos se deram em lugares distintos, um na América e outro na Europa, o que vale a pena destacar é que há uma tomada de consciência do valor que têm os símbolos religiosos na cultura”.

“Apesar de que nos separam milhares de quilômetros a América da Europa, há uma consciência clara sobre a visão do homem religioso. Essa dimensão espiritual tem um efeito na cultura e vai marcando uma identidade em uma sociedade determinada”.

Então, prosseguiu, “quando estamos falando dos símbolos religiosos como é o caso do crucifixo falamos do homem mesmo”.

Para o ser humano e a sociedade, disse Flores, “os símbolos religiosos expressam uma visão do próprio homem e da cultura. Portanto o que estão fazendo ambos tribunais com suas respectivas sentenças é respeitar esse direito humano a poder ter no âmbito público símbolos religiosos que reflitam sua identidade cultural”.

A coincidência de ambos os tribunais, opinião compartilhada também pela Corte Suprema de Cassação da Itália e o Tribunal Constitucional da Áustria, “fala no fundo de uma mesma visão do homem, uma mesma visão de seus direitos e uma mesma visão que tem a cultura que rodeia o próprio homem”.

Finalmente, Flores indicou à ACI Prensa que a sentença do Tribunal Constitucional do Peru reconhece o vasto aporte da Igreja, entretanto, não busca “promover uma fé determinada como a católica, mas a identidade nacional assim como sua história e cultura”.

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.