Sede sempre alegres

“A alegria
do SENHOR será a vossa força” (Ne 8,10). É importante entendermos bem essa
expressão de Neemias; é preciso lembrar que o povo judeu estava voltando do
exílio da Babilônia para entendermos a alegria desse profeta [Neemias]. “A
alegria do Senhor é a nossa força”.

Quando salomão morreu, as tribos se separaram e começaram a praticar a
idolatria, começaram a adorar os deuses da Palestina e Deus ficava furioso com
isso, pois a maior traição ao Senhor é a idolatria, isto é, adorar a um deus
que não é Deus.

Deus ficava furioso, pois Ele fez uma aliança com Moisés, por isso, o Senhor
deixou aquele povo sofrer. Quando Deus não tem mais o que fazer conosco, para
que nós O sigamos, Ele nos deixa sofrer. O Altíssimo não quer que soframos, mas
Ele permite que o mal nos atinja por essa razão. Deus nos protege e não deixa o
mal nos atingir, mas quando não queremos saber d’Ele, Ele se retira. É como se
dissesse: “Já que você prefere ficar no pecado, então Eu saio da sua vida.” E
quando o Senhor sai da nossa vida, é como a luz que sai e ficam somente as
trevas. Quando Deus se retira o mal nos vence, de modo que, quando aqueles
homens adoravam àqueles deuses falsos, o Senhor os deixava sem proteção.

Deus os abandonou, pois aquele povo virou as costas para Ele. Neste final de
ano precisamos refletir se também nós estamos virando as costas para Deus. E o
Senhor é tão bom que, se quisermos voltar, Ele nos acolhe, assim como acolheu
aquele povo que voltou, pois Ele teve misericórdia deste. Deus Pai permitiu que
os judeus voltassem para a Terra Santa. E Esdras e Neemias voltaram para
Israel, eles que são chamados os pais do judaísmo por terem resgatado essa
religião. Os dois convocaram o povo de Israel e explicaram as Sagradas
Escrituras, e o povo chorava.

A passagem diz: “Entretanto os levitas Josué, Bani, Serebias, Jamin, Acub,
Sabatai, Hodias, Maasias, Celita, Azarias, Jozabad, Hanã e Falaías explicavam a
Lei ao povo, que dos seus lugares escutava. Leram clara e distintamente o livro
da Lei de Deus e explicaram seu sentido, de maneira que se pudesse compreender
a leitura. O governador Neemias, o sacerdote e escriba Esdras e os levitas que
instruíam o povo disseram a todos: “Este é um dia consagrado ao SENHOR, vosso
Deus! Não lamenteis nem choreis” – pois todo o povo chorava ao ouvir as
palavras da Lei. E disse-lhes: “Ide para vossas casas e comei carnes gordas,
tomai bebidas doces e dai porções aqueles que nada prepararam, pois este dia é
santo para o nosso SENHOR. Não é dia de luto, pois a alegria do SENHOR será a vossa
força”. (Ne 8, 7-10)

Eles diziam ao povo: Não haja tristeza entre vocês, pois vocês ouviram a
Palavra de Deus, enfrentamos os inimigos, vamos agora nos alegrar, beber
bebidas doces, pois a alegria do Senhor será a nossa força. Nós começamos o ano
desejando a felicidade uns aos outros, pois Deus quer que sejamos felizes. O
Catecismo da  Igreja Católica diz que Deus nos criou para que participemos
da Sua vida bem-aventurada, que quer dizer felicidade. Deus nos fez para que
sejamos felizes nesta vida e na vida eterna. Não era para existir a morte, o
pecado. Todo sofrimento vem do pecado, mas Deus consertou todo o erro, pagou um
preço alto por isso: a vida de Seu Filho na cruz. O Todo-poderoso pagou para
que participássemos da felicidade nesta vida. E quem tem Deus, mesmo diante dos
sofrimentos, é feliz.

Nunca pense
que seu problema é maior que Deus, nunca diga que sua vida não tem mais jeito,
pois senão você estará afirmando que seu Deus não é grande. Temos que ter a
esperança, neste ano que entra, que Deus é maior que nossos problemas.

O povo voltou do exílio e se alegrou, o sacerdote diz “a alegria do Senhor será
sua força”. É uma alegria que não é o prazer, mas sim a satisfação do espírito;
enquanto que o prazer é a satisfação do corpo. Você pode sofrer em seu corpo e
ser satisfeito no seu espírito.

São Paulo insiste que precisamos viver alegria e nos ensina como conquistá-la: “Alegrai-vos
sempre no Senhor! Repito, alegrai-vos!” (Fl 4,4). Sempre é sempre. Mesmo
que esteja sofrendo, alegre-se sempre. Monsenhor diz que nunca podemos ter um
semblante triste, pois o problema é nosso e a cara é dos outros. Não posso ter
um semblante fechado. Eu preciso sorrir, pois meu rosto pertence aos meus
irmãos. O primeiro segredo é se alegrar sempre no Senhor. Ele vai ser sua
alegria. É preciso estar todos os dias caminhando com o Senhor. Eu coloco os
pés fora da cama e já me consagro à milícia celeste e rezo o rosário, leio a
santa Palavra de Deus, eu vou ser alegre. E se a tristeza bater à minha porta,
eu já terei as armas para combatê-la.

“Seja a vossa amabilidade conhecida de todos os homens! O Senhor está próximo”
(Fl 4,5). Se você é bom, você vai ser feliz, fazer o bem faz bem. Uma coisa que
ninguém pode roubar de você é fazer o bem. São Paulo nos convida a sermos bons.
Para ser feliz você precisa ser bom, humilde, caridoso, puro. Se você é bom,
você vai ser feliz, pois a alegria brota na virtude, é preciso ser bom.

Depois o
apóstolo dos gentios nos diz que o Senhor está próximo, o Senhor está aqui, Ele
não vai nos desamparar. Lembremo-nos que Ele está próximo, isso é sinal de fé.
A fé é a vitória que vence o mundo, é crer que o Senhor está vendo o que estou
passando, por isso louvado seja o Senhor, não pelo mal pelo qual estou
passando, mas pelo bem que Ele irá tirar desse mal. Deus prova a nossa fé, e
quanto mais Ele precisa de nós, tanto mais Ele nos testa, para que fiquemos
bons. Deus precisa saber para quem Ele vai conceder a responsabilidade.

Por essa razão, diante dos sofrimentos, eu vou manter minha alegria espiritual.
São Paulo também nos diz não que devemos nos preocupar com nossa vida, Ele sabe
do que precisamos. No entanto, muitas vezes, é díficil acreditar nisso, Deus
fala, mas, na hora do sofrimento, ficamos inquietos; o demônio é sagaz, ele
sabe que, nos momentos de dor, uma formiguinha vira um elefante na nossa
cabeça. E o que você deve fazer? Sair da cama e se colocar de joelhos e orar.
Clamar que, pelas Chagas de Jesus, toda inquietação saia da sua mente, da sua
alma. E fique de joelho rezando e enquanto a paz não vier ao seu coração, não
volte para cama, inquieto. Abra a Palavra do Senhor, e Ele o irá consolar e lhe
dará a resposta.

Precisamos clamar o poder do Sangue de Jesus Cristo, clamar a ajuda do céu. “Não
vos preocupeis com coisa alguma, mas, em toda ocasião, apresentai a Deus os
vossos pedidos, em orações e súplicas, acompanhadas de ação de graças” (Fl
4,6). É o remédio que São Paulo nos dá para vivermos a alegria. “E a paz
de Deus, que supera todo entendimento, guardará os vossos corações e os vossos
pensamentos no Cristo Jesus” (Fl 4,7).

O apóstolo dos gentios fecha de maneira belíssima essa passagem bíblica; a paz
que nenhum médico pode lhe dar, Deus lhe dará, a paz do Cristo Ressuscitado. A
paz que vem do Cristo vencedor do pecado e da morte. Uma coisa que precisamos
pedir a Deus é que guarde nossos pensamentos em Cristo Jesus. Precisamos
ter um cabeça boa, senão sofremos demais; o que nos faz sofrer são os nossos
pensamentos, por isso precisamos consagrar nossa imaginação todos os dias a
Deus.

Nossa cabeça precisa ser guardada por Deus. É preciso pedir a Deus que guarde
nossos pensamentos e pedir a intercessão de São Miguel, São Rafael, São
Gabriel, pedir a Virgem Maria e a São José que guardem nossos pensamentos. Deus
quer sejamos sempre alegres, pois, quando mantemos a alegria, apesar de tudo,
ela é nossa força.

Santo Agostinho dizia que os nossos pecados são nossas tristezas. Deixemos que
a santidade seja nossa alegria. Você é triste por causa dos seus pecados. O
pecador não aguenta nem ele mesmo, mas o santo é feliz, não precisa ter carro
da moda, ter casa e ele é feliz, pois sua felicidade é Deus.

Para ser alegre é preciso lutar contra o pecado, visto que “o salário do pecado
é a morte”. Nós sabemos o que é pecado, se você examinar os Dez Mandamentos,
você saberá o que é pecado. Muitas vezes, não vemos o pecado porque não
meditamos, mas se pensássemos um pouco nos pecados capitais, correríamos logo
do pecado. É preciso fazer um bom exame de consciência e uma boa confissão
neste final de ano.

Precisamos buscar a alegria, sobretudo, a alegria na família. Existe muita
gente que trata bem as pessoas do trabalho e desconta toda sua raiva em casa. Vamos levar a
alegria para o convívio familiar.

Leve para sua casa a alegria do Senhor!
Prof. Felipe Aquino

Transcrição
e adaptação: Regiane Calixto 

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.