Satanismo Hoje – EB

Revista
“PERGUNTE E RESPONDEREMOS”

D. Estevão
Bettencourt, osb

Revista nº
479, Ano 2002, p. 153

Em síntese:
Entre as novas modalidades “religiosas”, existe o culto a Satanás ou Satanismo,
que se manifesta em rituais obscenos (Missa Negra) como também em certas
expressões musicais rock. Os cultores de Satanás são freqüentemente pessoas
revoltadas contra a realidade que conhecem, e desesperançadas; alguns são
mentalmente desajustados, como se depreenderá dos relatos deste artigo.

Entre as
correntes religiosas contemporâneas existe uma semi-esotérica e, por isto, menos
divulgada, mas altamente significativa: é o outro a Satanás ou o satanismo.
Está presente principalmente nos Esta­dos Unidos e em países europeus, mas não
deixa de ter suas expressões no Brasil. Eis por que passamos a examiná-la.

Note-se que
o satanismo contemporâneo tem sua origem nos setores do ocultismo do século
XIX. No século XX ele se organizou em “igrejas satânicas”, que professam
abertamente as suas idéias.

1.  O patriarca do satanismo contemporâneo

O
inspirador do satanismo contemporâneo é Aleister Crowley (1875-1947), cuja vida
foi constantemente orientada pelo desejo de ser célebre e famoso.

Nasceu em
Leanington (Inglaterra) de família austera, que o edu­cou com severidade e
puritanismo. Este tipo de formação marcou pro­fundamente o adolescente, provocando
sua revolta, que ele exprimiu com as palavras “uma infância no inferno”.

Trocou seu
nome originário Alexandre pelo apelativo celta Aleister, que mais tarde foi
trocado pelo nome satânico Baphomet. A revolta do jovem traduziu-se numa
conduta de vida sequiosa do prazer libidinoso e libertino, o que lhe mereceu o
título de “o homem mais pervertido do mundo”, título do qual ele se ufanava.

Bom jogador
de xadrez, apaixonado pelo alpinismo e poeta com­provado, Aleister esperava
conquistar fama mundial num desses setores. Desiludido da sua expectativa, mergulhou
no esoterismo sexual.

Aos
18/11/1888 o alquimista Julian Baker iniciou Aleister no esoterismo da Ordem
Hermética da Golden Dawn. Crowley aspirou ao cargo de dirigente da Ordem, mas, não
o tendo conseguido, fundou sua própria seita com o nome de Ordem da Estrela de
Prata (Silverstar); propôs o uso do sexo como o meio mais agradável para chegar
à con­centração esotérica.

Além disto,
Crowley foi iniciado na Ordem do Templo do Oriente chefiada pelo alemão Theodor
Reuss; depois do quê fundou a Secção Britânica da seita em Berlim, tomando
então o nome diabólico de Baphomet.

Em abril de
1920 Crowley fundou em Cefalú (Sicília, Itália) um con­vento de Satanás, ao
qual deu o nome de Abadia de Thelem. Lá sexo e drogas eram livres. A comunidade
imolava cães e gatos sobro o corpo de uma virgem; há quem julgue que praticavam
sacrifícios humanos.

Crowley
viajou pela França, a Inglaterra, a Itália, tornando-se sempre mais famoso por
sua conduta escandalosa. Em 1923 foi expulso da Itália por ordem de Mussolini.
Viajou para a Tunísia, ufanando-se de ser “o homem mais pervertido do mundo”.

Voltou à
França, donde foi expulso em 1929. Aos 10 de abril de 1929, em Londres foi
condenado por um juiz, que declarou:

“Jamais
ouvira eu falar de algo mais horrendo, abominável e blas­femo do que as
pretensões desse homem, que diante de nós se ufanava de ser o maior poeta em
vida”.

Em 1940
Crowley ofereceu ao Chanceler inglês Churchill um talismã para fazer cessar os
bombardeios aéreos sobre Londres. E passou a vender um elixir de longa vida, em
que se encontrava até mesmo o líqui­do seminal do vendedor. Mais: no decurso de
uma Missa Negra comeu os excrementos da sua amante.

Finalmente
Crowley foi para os Estados Unidos, onde morreu a 1º de dezembro de 1947,
destruído pela droga e abandonado pelos seus, com setenta anos de idade. Os
seus livros e as duas revistas (Gnosis e Lucifer) que fundou, continuaram a
exercer influxo na sociedade.

Crowley é
considerado o pai do satanismo moderno e das suas perversões.

2.   La
Vey e a Igreja de Satanás

Um dos
seguidores mais notáveis da linha satânica é Anton Sandor La Vey, nascido em 1930 nos
Estados Unidos. Aos 30 de abril do 1966 fundou a Igreja de Satanás, que foi
oficialmente reconhecida pelas leis nor­te-americanas. La Vey era o seu grande sacerdote
e Papa, que declarou:

“O culto do
diabo não é senão a religião da carne e da matéria: o altar despojado e a
mulher desnuda são símbolo da carne”.

Em 1975
publicou em Nova York
a Bíblia Satânica, que mais ade­quadamente poderia ser chamada “Livro da
Perversão Satânica (inclusi­ve a sexual)”. Dividia-se em quatro partes, cada
qual com um título dia­bólico: Satanás, Lucífero, Belial, Leviatã. O livro
propõe a autêntica doutrina do satanismo nos seguintes termos:

“Satanás
representa a indulgência em lugar da abstinência.

Satanás
representa a vingança em vez de se entregar a outra   

face.

Satanás
representa o assim chamado pecado.

Ele leva a
todo prazer físico, mental e emotivo.

Satanás é o
melhor amigo da Igreja.

Foi ele
quem salvaguardou as suas riquezas durante tantos

      Anos”.

Nessa
Bíblia existem também as bem-aventuranças:

“Bem-aventurados
os fortes, porque possuirão a terra.

Infelizes
os fracos, porque herdarão o jugo.

Bem-aventurados
os braços de ferro, porque os fracos

fugirão
diante deles…

Desgraça
àqueles que adoram a Deus, pois  serão

      Eliminados”.

O livro
termina com a seguinte profissão:

“Eu
sou o servo e o adorador do sumo e inefável rei do   

       inferno” (chave 13).

 

São oito os
ritos dessa Igreja Satânica, a começar pela Missa Negra.

 

2.1.      Missa Negra

 

É uma
paródia da Missa católica, celebrada até nossos dias em diversas partes do
mundo. Aos 4 de março de 1990 o Cardeal John O’Connor, de Nova York, deplorava
o fato em famosa homilia:

“Foi
com tristeza que tomei conhecimento da realização das cha­madas “Missas Negras”.
Ninguém ousa falar disso. Uma mulher é raptada ou se aproveita uma prostituta
para fazer do seu corpo o altar, enquanto um homem se reveste de paramentos
como os que trago agora, e põe-se a parodiar o sacrifício da Missa com o cálice
e tudo mais. Tal é o satanismo oculto.

Julgais que
isso não existe? – Ligai vosso televisor à tarde e encontrareis tais cenas”.

Entre
outras coisas, O Santo, Santo, Santo… da Missa Católica é substituído por um
Salve, salve, salve Satanás. Ulteriores notícias em PR 410/1996, p. 331.

2.2.      Outros ritos

Podem-se
enumerar ainda quatro ritos aparatosos:

– o rito do
ar pesado (stifling air), que representa um adultério cometido num caixão
funerário. La Vey
desenvolveu tal tema após haver descrito Deus como Criador de todos os males,
inclusive do pecado, ca­indo em contradição consigo mesmo, pois cantou hinos ao
pecado como fonte de plena realização e felicidade;

– o rito da
fera Tierdiama em que os participantes renunciam às suas prendas espirituais
para identificar-se com os animais,

– os
prelúdios elétricos (elektrische Vorspiele), rito no qual se convida Satanás a
aparecer durante um espetáculo inspirado pelo rock;

– homenagem
a Tchort (nome russo do diabo), rito de adoração a Satanás mesclado com
libertinagem; encerra-se com a invocação “Deus de Caim, alegria da carne
para todos”.

Satanismo  no 
rock

A expressão
rock’n’roll tem origem pouco conhecida do grande público. – A locução deve-se
ao fato de que nos anos de 1951-52 um jovem cantor do Centro-Oeste americano chamado
Little Richard começou a modificar o beat do rhythm and blues da população
negra do Sul do país. Essas alterações sugeriram a Alan Freed, de Cleveland a
ex­pressão rock’n’roll para designar o novo ritmo musical: ora tal locução
refere-se a dois movimentos do corpo humano ocorrentes durante o in­tercâmbio
sexual realizado sobre o banco traseiro de um carro; os ter­mos são oriundos do
jargão popular dos tugúrios americanos.

Crowley
exerceu grande influência satânica sobre o rock. Preconi­zava a escrita às
avessas, a linguagem às avessas e a música às aves­sas. Assim certas mensagens
podem ser subliminarmente transmitidas ao se fazer girar a fita magnética em
sentido inverso ao habitual. A escrita às avessas é encontrada, por exemplo, na
vida pública, quando num carro se lê: AlClLOP. Na linguagem rock dir-se-ia,
também por exemplo:

DOG Sl
NATAS-SATAN lS GOD (Satanás é Deus).

Algumas
mensagens subliminares1 ocorrem em freqüência muito baixas, como as do 14 a 20 hertz ou em
freqüências muito elevadas, como as do 17.000 a 20.000 hertz. Essas mensagens assim
recebidas subconscientemente desencadeiam no cérebro a produção de endorfina,
uma espécie de droga natural, que leva a pessoa a procurar a droga ou a
aumentar a dose de droga se já é toxicodependente.

Eis algumas
mensagens subliminares (ás avessas) decifradas Pelos estudiosos:

“Satanás
é Deus.

O poder é
Satanás. Ele te salvará entregando-te a 666. Eu tenho que viver para Satanás.

Ó Senhor
Satanás, eu te desejo!

Benvindo
Satanás, aceita um pacto benvindo ao show!

Satanás
está em mim.

Ó meu suave
Satanás…ele está em mim

Satanás, fortaleza  do holocausto, tu és aquele a quem eu amo.

Satanás,
manifesta-te através das nossas vozes”.

 

A letra da
música rock é, muitas vezes, abertamente satânica. Eis uma composição de Dead
Kennedys:

“Deus me
mandou abater-te vivo.

Eu mato as
crianças.

Tenho
prazer em vê-las morrer.

Eu mato as
crianças.

Faço as
mães chorar.

Esmago as
crianças debaixo do meu carro.

Quero
ouvi-las gritar.

E dar-lhes
confetis envenenados”.

Sob o nome
de KISS (composto pelas iniciais de KINGS IN SATAN SERVICE, Reis ao Serviço de
Satanás), The God of thunder (O Deus do Trovão) cantava:

“Fui
educado por um demônio.

Preparado
para reinar como “Aquele que é”.

Eu sou o
senhor do deserto.

Um homem de
ferro dos tampos modernos.

Chamo as
trovas para divertir-me

E te ordeno
que te ponhas de joelhos

Diante do
Deus do Trovão,

O Deus do
rock’n’roll”.

Outro canto
termina com as seguintes palavras:

“Quem tem a
juventude, possui o futuro.

 Vinde agora, filhos da Besta, e sede fortes.

 Cantai hinos em louvor do diabo”.

 

O suicídio
é subliminarmente incentivado:

“Não tenhas
medo do suicídio.

Morre
jovem, morre em beleza.

Se queres
ver sangue, olha o teu.

Suprime-te”

São
altamente daninhas as conseqüências da música rock para a saúde física e o
equilíbrio mental dos seus adeptos. Na verdade, não pode deixar de prejudicar a
música a 120 decibéis, quando 90 decibéis são o máximo que o ouvido pode
tolerar. Os médicos têm registrado as seguintes consequências;

–   doenças cardiovasculares.


perturbações dos hormônios sexuais e supra-renais, mudança radical da taxa de
insulina no sangue,


perturbações da memória e da coordenação neuromuscular,

–  estados hipnóticos e catalópticos,

– excitação
neuro-sensorial que produz euforia, sugestionabilidade, histeria e alucinações,

tendências
ao suicídio.

Em suma,  observa o musicoterapeuta Adam Knieste:

“O rock não
é um passatempo inofensivo; é uma droga mais mor­tífera do que a heroína, que
envenena a vida dos nossos jovens”.

4.   Os
ritos  de 
iniciação

Quem deseja
entrar para uma seita satânica, passa pelos ritos de iniciação, que geralmente
comportam doze pontos:

– abjurar o
Batismo

– abjurar a
fé na Eucaristia

– recusar a
obediência a Deus e dizer Sim a Satanás, Lúcifer ou Belial,

– repudiar
a Virgem Maria

– renegar
os sacramentos

– pisotear
a cruz

– pisotear
as imagens da Virgem e dos Santos

– prestar
juramento de fidelidade eterna ao príncipe das trevas, usando linguagem
diabólica

– ser
batizado em nome do demônio e escolher um nome corres­pondente

– receber
numa das coxas a tatuagem que significa a pertença à seita, com o timbre
diabólico

– assumir
novos padrinhos pertencentes à seita

– roubar
hóstias consagradas para os ritos sacrílegos..

Estos
pontos vêm a ser a base do pacto satânico, pacto que é redigido por escrito e
assinado com o sangue do próprio iniciado.

5.   Conclusão

A breve
amostragem de concepções e práticas satânicas revela a que ponto podem chegar o
desespero ou mesmo o desequilíbrio mental de nossos contemporâneos. O satanismo
aparece associado às drogas e à libertinagem sexual. É a degradação do ser
humano, que se entrega ao deboche dos valores para erguer uma escala de
contravalores. Ao praticar isso, o homem é movido pela emoção e por sentimentos
cegos e não pela razão. A religiosidade inata em todo homem é um fator
poderoso, capaz de converter,…; se não é acompanhada pela razão ou pelo
intelecto, pode levar o ser humano à bestialização ou à renegação de si mesmo.
Daí a importância de que, desde cedo, as crianças aprendam as verdades da fé
claramente apresentadas e, aos poucos, saibam dar contas de por que crêem…,
por que crêem nisso ou naquilo, e não naquilo outro. Assim poderão mais
facilmente resistir à tentação de renegar o bom senso quando solicitadas por
paixões ou machucadas pela vida.

Por graça
de Deus, nem todos os satanistas perseveram na seita. O bom senso supera as
emoções. Isto é ilustrado por testemunhos diversos, dos quais vai aqui
transcrito o de Anna e Maria Barrett; colaboraram com o rock, a primeira como
costureira, a outra no setor de discos e cassetes. Eis as suas palavras:

“Nós, diz
Maria, trabalhamos para o rock durante dez anos. Isto se nos tornou pesado
depois que descobrimos a contaminação satânica; nem podíamos acreditar que
fosse verdade. Que estranhas experiências fizemos nós com Satanás e as pessoas
que se lhe consagraram!

A mim,
continua Maria, pareceu muito estranho quando me deram a ordem de fazer
aparecer sobre as vestes alguns sinais satânicos ou desenhos zombeteiros contra
a Igreja, os sacerdotes e a Virgem Ssma. A princípio pensei que fosse uma moda
privada de sentido, depois descobri que se trataria de colaboração real e
propriamente dita com Satanás. Recusei-me a executar tais desenhos, e fiquei
angustiada diante do entusiasmo de dezenas de milhares de jovens loucamente
empolgados por suas “estrelas”.

Se eles
tivessem sabido! Em Denver foi fundado um grupo abertamente satânico.
Surpreendi-me com isto e perguntei aos responsáveis: “Por que em Denver?”
Responderam-me sarcasticamente: “Por que o Papa vai a Denver e a situação
ficará muito interessante”.

Nós duas
dissemos muitas vezes a alguns sacerdotes que abrissem os olhos dos jovens para
a presença de Satanás; que lhes ensinassem a reconhecê-lo e como saber defender-se…
Mas os padres não se  mostraram de
acordo: alguns parecem nem mesmo crer que Satanás exista.

Este é o
sonífero que protege Satanás e lhe garante o melhor sucesso: a negação da sua
existência e da sua atividade… por parte daqueles que receberam o poder de o
rechaçar (sacerdotes e exorcistas)”.

O
depoimento é significativo e dá o que pensar…

A temática
explanada neste artigo deve-se a René Laurentin em sua obra II Demônio. Mito o
Realtà?. Ed. Massimo e Segno, Milano e Udine 1995.

 

______________

1 Subliminar
é o que penetra o nosso subconsciente sem que a pessoa se dê conta de estar
sendo doutrinada.

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.