Sánchez del Río: um menino mártir na história do México

37007274_133252290754Com apenas 14 anos, defendeu sua fé até a morte, dizendo: “Viva Cristo Rei, Viva Nossa Senhora de Guadalupe!”

O Papa São João Paulo II disse que “estes dois mil anos depois do nascimento de Cristo estão marcados pelo persistente testemunho dos mártires. Também o século XX conheceu numerosíssimos mártires… Sofreram pela sua fé pessoas das diversas condições sociais, pagando com o sangue a sua adesão a Cristo e à Igreja ou enfrentando corajosamente infindáveis anos de prisão e de privações de todo gênero, para não cederem a uma ideologia que se transformou num regime de cruel ditadura.” (Bula Incarnationis Mysterium, nº 13)

O México é um dos países mais católicos da América Latina, cerca de 90% de sua população é católica. No entanto, de 1926 a 1929 um governo ateu quis eliminar o catolicismo naquele país; o que obrigou os fiéis a se organizarem para defender a sua fé.

Em 1926, um governo anticatólico assumiu o poder no México, e quis acabar com a Igreja Católica. Proibiram a celebração das Missas, batizados, casamentos, etc. Muitos padres e leigos foram martirizados. Surgiu, então, uma reação católica chamada Guerra dos Cristeros, para defender a liberdade religiosa. Um General católico chefiou a tropa cristã que enfrentou um luta armada contra os infiéis perseguidores da Igreja. Muitos morreram mártires defendendo a fé.

Um de tantos relatos e testemunhos que cercam este acontecimento, é o caso impressionante do menino Sánchez del Río, de apenas 14 anos. Ele se apresentou ao general e perguntou se um menino poderia também ser mártir; e passou a defender a fé católica. Foi preso e obrigado a renegar Cristo. Não aceitou, e disse “Viva Cristo Rei e viva Nossa Senhora de Guadalupe!”.

Logo, cortaram-lhe as solas dos dois pés, mas isso não fez com que ele se entregasse. O garoto continuou a dizer: “Viva Cristo Rei, Viva Nossa Senhora de Guadalupe!”.

Leia também: O que foi a Guerra Cristera?

Os mártires da Revolução Mexicana

Os mártires de ontem e de hoje

Então, amarraram-no a um cavalo. Ele foi puxado e arrastado pelos braços até ficar todo machucado e sangrando. No entanto, o valente garoto, continuou a dar vivas a Cristo Rei e a Virgem de Guadalupe. Os soldados, dessa forma, deram-lhe um tiro mortal no peito; e o jovem ali caiu sangrando; mas, antes de morrer, já sem forças para falar, Sánchez molhava o dedinho no próprio sangue e escrevia na terra: “Viva Cristo Rei, Viva Nossa Senhora de Guadalupe!”.

Encontramos informação sobre a chamada “Cristiada” em obras como as de P. Montezuma, Jean Meyer López e Lópes Beltrán. Inclusive, existe um filme com este título, que retrata parte do que foi este difícil tempo para os cristãos no México. A perseguição do governo à Igreja se caracterizou pela nacionalização dos bens eclesiásticos, a supressão das ordens religiosas, a secularização de cemitérios, hospitais e centros beneficentes, apoio a uma “igreja mexicana”, uma tentativa de criar, em torno de um pobre padre apóstata, Joaquim Perez (“antipapa mexicano”), uma Igreja cismática “nacional” como na China.guerra_cristeros

Por que não se fala nada nas universidades, colégios e cursinhos sobre essa terrível “Inquisição mexicana” contra a Igreja e seus filhos? A história se repete. O século XX fez também com que os cristãos revivessem a era do martírio; não mais com anfiteatros e feras, mas em campos de concentração, masmorras solitárias e fuzilamentos.

Houve muitas “inquisições” no passado longínquo e no passado recente, esquecidas, mas só se fala daquela que envolveu a Igreja Católica na Idade Média. O Papa São João Paulo II, na encíclica Evangelho da Vida, disse que “nosso século ouviu os falsos profetas”.

É preciso e urgente que os católicos conheçam essa triste perseguição que se deu no México contra a Igreja e seus filhos, como se deu também na Espanha em 1930, com mais mártires ainda.

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.